Anita Deak - No fundo do oceano, os animais invisíveis

Literatura brasileira contemporânea

Anita Deak - No fundo do oceano, os animais invisíveis - Editora Reformatório - 192 Páginas - Imagem da capa: óleo sobre tela de Alex Carrari, 2019 - 
Foto de Nino Andrés - Projeto gráfico de Thiago Lacaz - Lançamento: 2020.

O mais recente lançamento de Anita Deak é um  romance de formação no qual acompanhamos a trajetória do narrador-personagem Pedro Justiniano Coriolano Naves desde a infância, cercado pela natureza na fazenda da família, localizada na fictícia cidade de Ordem e Progreso, até a sua atuação na Guerrilha do Araguaia, entre abril de 1972 e o início de 1975, um movimento armado de resistência à ditadura militar na região amazônica até hoje envolto em silêncio. Contudo, este resumo é insuficiente para entender a aventura literária proposta pela autora que, em um exercício de lapidação da linguagem até o essencial e uma narrativa não linear, muito além dos saltos temporais entre passado e presente, surpreende o leitor com um estilo forte e original.

Para Anita Deak a forma de contar a sua história é tão ou mais importante do que o enredo e ela demonstra ser uma leitora voraz pela influência que percebemos dos grandes autores na construção do seu texto, seja na prosa poética e atemporal de Raduan Nassar, na busca incessante da palavra perfeita como faz Guimarães Rosa em busca da sonoridade, e um realismo fantástico que lembra o engajamento político de Mia Couto ao escrever sobre a brutalidade do mundo com tanto lirismo. Na verdade, a autora utiliza cada um desses estilos e, sem sem se fixar em nenhum deles, recria uma voz própria para este livro e seus personagens.

"Para meu pai, se eu entendesse a engorda dos bichos e imprimisse em meus passos a dureza de seu pai, do pai de seu pai, se impostasse minha voz, se pisasse na terra como se meus pés a precedessem, então eu seria um Naves. Se cimentasse em cada vértebra da coluna o que nos era de direito e andasse ereto, pois assim deve andar um homem, estaria cumprindo o que deve um filho: a sina da continuidade; meu pai poderia morrer e eu respiraria de onde havia parado, faria das minhas mãos as dele, é para isso que se faz um filho – para continuar-se obliquamente, para permanecer, depois de morto, disfarçado no mundo." (p. 20)

Apesar de não ser utilizada uma divisão formal em capítulos, percebe-se claramente três partes distintas ao longo da narrativa (infância na natureza, anos de formação e atuação política e guerrilha na floresta amazônica), cada uma delas com uma técnica e desenvolvimento próprios, incluindo um curioso tratamento do tempo que vai subvertendo aos poucos os conceitos de passado, presente e futuro. No epitáfio do avô do protagonista, a primeira citação: "O tempo é um susto, quando você viu já foi", ou ainda em outra passagem: "O tempo não é pra medida do homem, mas da natureza", até chegar à parte final em plena mata: "Essa narrativa cronológica que planta os costumes nas estações certas, os encantados desfazem quando querem, assim que se é para contar de novo, a semente brotou antes de ser plantada [...]".

"O tempo é uma criação humana, as palavras de meu avô ecoaram no pau a pique e voltaram ao barro. O homem criou o tempo para tentar se libertar do sol, pois antes os dias eram cortados somente pelo céu, em duas fatias, a do dia e a da noite, então o homem resolveu que precisava de outro jeito que parecesse mais, é sempre por mais que se apela, daí vieram os anos, os meses, os dias, as horas de cada dia, os minutos e os segundos das horas, artifício pra deixar a gente mais longe da morte ao menos na contagem. [...]" (p. 41)

Não se trata de um romance histórico, mas percebemos o trabalho de pesquisa da autora na parte intermediária e final do romance, quando Pedro Naves tem o seu aprendizado político e se transforma em Lucas, terrorista e guerrliheiro. Apesar da estrutura narrativa estar focada na primeira pessoa, existem transições de muita sutileza para um narrador onisciente que costura as intenções dos personagens, alternando realidade e imaginação. Anita Deak escreveu um romance complexo e desafiador ao utilizar como verdadeiros protagonistas a natureza e a passagem do tempo. Vale a pena conhecer essa experiência literária.

"A verdade é que não adianta, a beleza não permanece. De longe não é possível enxergá-la, de perto perde-se os detalhes. A distância perfeita é a imaginação, ou o amor, não, o amor não. Quem se acha capaz de amar alguma coisa está enganado, o amor não pertence aos homens, somos uma doença enraizada, procuramos aqui, ali, em qualquer lugar, sorrimos no caminho para uma ou outra pessoa, para qualquer um, sorrimos para o que há de nós dentro delas, ou para o que achamos que há de nós ali, mas para elas, ah, para elas é muito raro. Quem sempre sorriu para a própria sombra sabe do que estou falando." (p. 50)

Sobre a autora: Anita Deak é escritora, editora de livros e professora de escrita (ministrou aulas no Curso Livre de Preparação do Escritor, da Casa das Rosas, Casa Mário de Andrade, Sesc e tem curso online próprio). Nasceu em Belo Horizonte em 1983. Seu romance de estreia, Mate-me quando quiser, foi finalista do Prêmio Sesc de Literatura em 2014. É apresentadora do podcast Litterae, sobre Literatura, e colunista na revista literária Vício Velho.

Onde encontrar o livro: Clique aqui para comprar No fundo do oceano, os animais invisíveis de Anita Deak

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

As 20 obras mais importantes da literatura brasileira

As 20 obras mais importantes da literatura portuguesa

As 20 obras mais importantes da literatura dos Estados Unidos

As 20 obras mais importantes da literatura japonesa

As 20 obras mais importantes da literatura francesa

20 grandes escritoras brasileiras