Mariana Basílio - Mácula

Poesia brasileira contemporânea
Mariana Basílio - Mácula - Editora Patuá - 208 Páginas
Capa, projeto gráfico e diagramação de Alessandro Romio - Lançamento: 2020.

Mácula é o mais recente livro de poesia de Mariana Basílio, um corajoso projeto que demonstra lucidez e engajamento político ao registrar o maldito ano de 2020, "o ano que durou dez anos" – e as consequências da pandemia de COVID-19 em nosso cotidiano – a partir de 50 poemas que tiveram os seus títulos selecionados em uma pesquisa que consultou 266 participantes nas redes sociais, sobre qual seria a palavra da vida das pessoas naquele dia 9 de junho de 2020, quando imaginávamos estar passando pelo auge da transmissão do vírus, triste esperança como sabemos hoje. A obra pretende ser, portanto, uma representação da sociedade brasleira neste período histórico, refletindo sobre os dramas individuais e coletivos.

A epígrafe de Carlos Drummond de Andrade, referência constante nos versos de Mariana Basílio, nos alerta para o protagonismo da dor nesta obra: "Provisoriamente não cantaremos o amor, / que se refugiou mais abaixo dos subterrâneos. / Cantaremos o medo, que esteriliza os abraços, / não cantaremos o ódio porque esse não existe, / existe apenas o medo." O projeto, chamado de As Confissões Negativas, mapeando a energia populacional brasileira, aponta para a nossa mácula social, cultural e política, mas também comprova a força da palavra e da poesia como um caminho de libertação do sofrimento, nos lembrando que tudo passa nessa vida como nos ensina a poeta em Solitude: "Logo, aqui estamos, veia coronária e calos. / Nossos nomes fazem um barulho qualquer. / Prontos a – de repente – desaparecer." 

Deixo com vocês dois exemplos da força da palavra em Mácula, sabendo que também – ou principalmente – em tempos sombrios a poesia se faz necessária.

Luto

Para todos que já partiram, cedo demais. 


Como envelhecer, promovendo a despedida?
Observar os objetos se descascando, inertes,
chacoalhar as tinturas das unhas roídas,
molhar todo o corpo, abotoar o longo véu,
escaldar o cansaço, assistir ao filme em que 
a personagem favorita vai jantar novamente.

O sono, essa casa, pisoteia o meu receio.
As olheiras o virgulam como nunca.
Imagino aquela cachoeira que visitei na
metade da vida. Nela existiam os toques
chocados nas pedras, erguendo muros:
o frio, a histeria, e a ilusão de pertencer.
Contudo, o futuro disparava à juventude.

Despejar-me na travessa da gelatina, 
colorir os meus fracassos com alegria.
Abraçar o vazio, o rompante do sofá,
a poltrona murcha, furada por garras.
Descobrir o buraco que se forma ao
dividir o antebraço, feito dois rios.

A ausência abrupta da mãe falecida,
o pai daquela menina literária morta,
a bebê da prima, uma Micaela morta,
o avô que matou e foi morto depois.
O amor morto traz a minha memória,
traz o conjunto das reações estranhas
estendidas com a cortina, cheia de pó.

Sobre a morte e a correnteza do ato,
me disseram que existem 5 estágios de
luto: negar, raivar, negociar, deprimir,
e, enfim, conseguir viver para aceitar.

Digerir o que é o céu e o que nos detém –
antes e depois de existir a ferocidade,
e o que nos une à lei da gravidade:
os cometas, os espasmos, as medidas
dos mangues e a força contínua das raízes.
Uma presença musical tão necessária é
escutar o outro em si mesmo – atentos.

Pois permanecer é sempre despedir-se.

Desgaste 

Este é o ano dos cães raivosos 
conseguirem atacar as lebres. 
Do ranger do ódio e da fala, 
que não sabem o que é perdão.

É o tempo dos falsos profetas 
aglomerarem seus fiéis de máscaras, 
enquanto o vírus os corrói nas 
babas de mães, pelas cabeças.

O afago e o elo nulo dos que ali 
conversam são quase extintos pela
política de dados divergentes, e 
pelos anos que se afastam no 
incêndio do prédio – e ainda molham 
a roça que não pisamos mais. 

As melancolias insolúveis: secar 
o sol e quase crer na urdidura. 
É cedo, e não morrerá ninguém 
mais, enquanto o país que
não se cuida e só se engana 
passar sorrindo, mesmo devendo 
profanar a dor, ao despertar. 

Há mínimas comoções sentidas. 
Não importa mais amar o próximo: 
carência, impaciência e hipocrisia 
valem mais do que o leito vago no 
hospital, valem mais do que o verme 
mais sábio que o povo cegado. 
O povo que facilmente se deixa moldar e 
escuta rapidamente as trilhas sonoras. 

Assim chegamos ao último dia do ano 
de 2020, o ano que durou dez anos 
completos, entre a voz e o eco dado. 
Eles encheram nossas férias de vapor, 
e não nos convidaram a sentar à mesa. 
Teu pai morreu, com a tua avó também. 
E ainda permanecemos aqui, juntos ao 
espírito resgatado, às bordas unidas e 
transbordadas, aos shows entorpecidos. 
Eles se aglomeraram normalmente, pois do 
chão ninguém passa – nem mesmo os fogos. 

O recurso de se embriagar, pular, 
brindar, combater o inimigo comum, 
para transmitir do que a boca está 
cheia, comendo a vida sem pestanejar. 

A vida reconfortada, sub-reptícia, 
na passagem do Ano Novo em que 
verso à noite das águas, na coluna 
do olhar de alegrias inúteis, findas. 

Perdoai, eles não sabem como vivem.

Sobre a autora: Mariana Basílio nasceu em 1989, em Bauru, interior de São Paulo. Mestra em Educação pela Universidade Estadual Paulista (Unesp), é prosadora, poeta, ensaísta e tradutora. Autora dos livros de poesia Nepente (2015), Sombras & Luzes (2016) e Tríptico Vital (2018, premiado com o Programa de Ação Cultural da Secretaria de Cultura do Estado de São Paulo – ProAC 2017, finalista Residência Literária Sesc 2018 e finalista Prêmio Guarulhos 2019). É também autora da plaquete As Três Mal-Amadas (2018). Colabora em diversos portais e revistas nacionais e internacionais. Com patrocínio do ProAC 2019, apresenta seu quarto livro na poesia contemporânea, Mácula. No final do segundo semestre de 2020 recebeu da Secretaria de Cultura do Estado de São Paulo o “Prêmio por Histórico de Realização em Literatura” (ProAC Expresso).

Onde encontrar o livro: Clique aqui para comprar Mácula de Mariana Basílio

Comentários

Lady Cronopio disse…
Um livro que se indica (leia-me) por estes poemas devastadores!
Em dias de trovão caí bem uma poesia. Ainda que amarga, ainda que sendo sofrida como a realidade que vivemos.
2020 não acabou.
Alexandre Kovacs disse…
Tem razão Alba, 2020 infelizmente não acabou.

Postagens mais visitadas deste blog

As 20 obras mais importantes da literatura brasileira

As 20 obras mais importantes da literatura portuguesa

As 20 obras mais importantes da literatura dos Estados Unidos

As 20 obras mais importantes da literatura francesa

As 20 obras mais importantes da literatura japonesa

20 grandes escritoras brasileiras