Postagens

Mostrando postagens de Setembro, 2016

Lauren Groff - Destinos e Fúrias

Imagem
Lauren Groff - Destinos e Fúrias - Editora Intrínseca - 368 Páginas - Tradução de Adalgisa Campos da Silva - Lançamento no Brasil 2015. Este é aquele tipo de romance tão comentado e premiado que  acaba criando uma expectativa quanto à real qualidade da obra ou simplesmente como um resultado do processo de marketing da editora. Terceiro livro da carreira de Lauren Groff, foi indicado como 'best-seller' pelo New York Times , livro do ano pela Amazon , The Washington Post , NPR , Time e finalista do National Book Award de 2015 , como se não bastasse toda badalação na mídia especializada, foi citado como o livro favorito do ano de 2015 pelo presidente Barack Obama pela revista "People" , ganhando ainda mais visibilidade. Na minha avaliação, o livro tem o grande mérito de encontrar uma forma original para falar do casamento em nossos dias, tema já um pouco fora de moda e, de certa forma, um tanto o quanto esgotado na literatura. É dividido em duas partes, cada um

Paris Doisneau

Imagem
Paris Doisneau - Editora Cosac Naify - 400 páginas - Tradução Célia Euvaldo - Lançamento 15/09/2010 Robert Doisneau (1912-1994) ainda é uma inspiração viva para o fotojornalismo e os fotógrafos de rua de todo o mundo. Este livro reúne 500 imagens de um acervo de mais de 400 mil negativos que têm como tema principal a própria cidade de Paris com seus jardins, bistrôs, cabarés, festas, monumentos e, principalmente, o povo parisiense e seus hábitos no dia a dia, tudo isso ao longo de um século que nem sempre foi de luzes. Assim, também estão registrados momentos da ocupação nazista e da resistência francesa, sempre por meio de uma visão humanista e bem-humorada, uma marca na carreira do fotógrafo. A capa do livro, por exemplo, é um alerta aéreo no Boulevard de Strasbourg durante a Segunda Grande Guerra, mas quem poderia imaginar tal coisa por esta imagem? Este olhar irônico, tão próprio do artista francês,  estabelece uma assinatura de Doisneau, um estilo que o caracteriza e distin

Muriel Barbery - A elegância do ouriço

Imagem
Muriel Barbery - A elegância do ouriço - Editora Companhia das Letras - 352 páginas - tradução de Rosa Freire D'Aguiar - Lançamento no Brasil 18/02/2008 O sucesso deste romance, que já ultrapassou dois milhões de cópias vendidas na França, deve muito ao improvável e até mesmo surpreendente charme de suas duas protagonistas, que alternam em primeira pessoa as vozes narrativas: Renée Michel, a solitária viúva ranzinza de cinquenta e quatro anos, zeladora de um prédio luxuoso no centro de Paris e a superdotada Paloma Josse de apenas doze anos, pertencente a uma das famílias ricas que habitam o mesmo prédio. As duas escondem por diferentes motivos e, cada uma a seu modo, as verdadeiras aptidões. Enquanto Renée, a zeladora rabugenta, é na verdade uma autodidata com profunda sensibilidade para a filosofia, música e arte em geral, a jovem Paloma tem uma capacidade nata para a literatura e escreve, em segredo, dois diários sobre o cotidiano no número 7 da Rue de Grenelle. Assim, fic

Paulo Leminski - Toda Poesia

Imagem
Paulo Leminski - Toda Poesia - Editora Companhia das Letras - 424 páginas - Lançamento 27/02/2013. O múltiplo Paulo Leminski (1944 - 1989) que foi poeta, romancista, tradutor e compositor (além de faixa preta de judô) deixou um vazio na poesia contemporânea brasileira. Como bem definiu outro grande poeta e tradutor, Haroldo de Campos (1929 - 2003), em texto publicado na primeira edição de "Caprichos e relaxos",  resgatado agora como um dos apêndices desta antologia, Leminski que é o  "polilingue paroquiano cósmico ou caboclo polaco-paranaense soube, muito precocemente, deglutir o pau-brasil oswaldiano e educar-se na pedra filosofal da poesia concreta" . Isso significa que ele herdou a tradição da poesia erudita e participou ativamente na formação de uma geração influenciada pelo movimento concretista, que tinha no próprio Haroldo de Campos um dos seus fundadores, chegando até o movimento da poesia marginal ou de mimeógrafo, tão representativa da cultura pop d

Michel Ciment - Conversas com Kubrick

Imagem
Michel Ciment - Conversas com Kubrick - Editora Cosac Naify - 384 páginas - tradução de Eloisa Araújo Ribeiro -  prefácio de Martin Scorsese - lançamento em 2013 - Atualizado pelo relançamento da Editora Ubu em 17/09/2017. Relançado pela Editora Ubu à partir do acervo da extinta Editora Cosac Naify, esta é uma biografia à altura de um dos cineastas mais polêmicos do século XX. Stanley Kubrick (1928-1999) foi o diretor que melhor soube transpor a difícil barreira que separa a literatura e o cinema, mesmo tendo descrito seus filmes como "uma experiência não verbal" . Considerado pelos profissionais da área como um grande perfeccionista, Kubrick, assim como outros nomes do nível de Charlie Chaplin, Orson Welles, Robert Altman e Alfred Hitchcock, nunca foi agraciado com o Oscar de melhor diretor. Talvez a razão para isso esteja neste trecho do belo prefácio de Martin Scorsese: "Como todos os visionários, ele dizia a verdade. E, por mais que fiquemos à vontade co