Postagens

Rafaela Tavares Kawasaki - Peixes de aquário

Imagem
Rafaela Tavares Kawasaki - Peixes de aquário - Editora Urutau - 252 Páginas - Capa e diagramação de Victor Prado - Lançamento: 2021. O romance de estreia de Rafaela Tavares Kawasaki surpreende pelo cuidado com a pesquisa histórica sobre o período  de isolamento da colônia japonesa no Brasil na década de 1940, durante a Segunda Guerra Mundial, e o rompimento das relações diplomáticas e comerciais com a Alemanha, Itália e Japão. Na época, esta decisão provocou um profundo  sentimento de xenofobia nacional com a adoção de medidas restritivas contra a circulação de quaisquer documentos e até mesmo reuniões onde se falasse os idiomas dos países do Eixo em lugares públicos, proibição dos jornais e escolas em língua japonesa e até mesmo o uso do rádio nas residências. Outro aspecto notável na construção do romance é o exercício de polifonia narrativa que agrega diferentes camadas à história da família Fujikawa no interior paulista, formada pelo casal Tatsuo e Kazumi e seus filhos: Kaede, Aiko

Katie Kitamura - Uma separação

Imagem
Katie Kitamura - Uma separação - Editora Companhia das Letras - 216 Páginas - Tradução de Sonia Moreira - Capa e ilustração de capa: Violaine Cadinot - Lançamento no Brasil: 2021 Katie Kitamura, filha de pais japoneses e nascida na Califórnia, é romancista, crítica de arte e escreve para jornais como  The Guardian , The New York Times e Wired . Seu primeiro romance, The Longshot , publicado em 2009, é sobre a preparação de um lutador de artes marciais e seu treinador. Gone to the Forest , lançado em 2012, se passa em um país colonial sem nome e descreve a vida e o sofrimento de uma família de proprietários de terras em um cenário de conflitos civis e mudanças políticas. O mais recente lançamento, Intimacies , tem como base uma protagonista que se muda para Haia, Holanda, para trabalhar como intérprete no Tribunal Penal Internacional, designada para interpretar o ex-presidente de um país da África Ocidental que está sendo julgado por crimes de guerra, o romance foi selecionado entre os

Chico Buarque - Estorvo

Imagem
Chico Buarque - Estorvo - Editora Companhia das Letras - 208 Páginas - Edição comemorativa de 30 anos - Capa e projeto gráfico de Raul Loureiro - Lançamento: 2021 Esta é a edição comemorativa de 30 anos da publicação de Estorvo  – primeiro romance de Chico Buarque e vencedor do prêmio Jabuti 1992 de romance do ano –, concebida como parte da campanha de lançamento de  Anos de chumbo e outros contos . Portanto, graças à estratégia de marketing da editora,  Estorvo ganhou um caprichado acabamento gráfico em capa dura e seleção de textos críticos da época de Benedito Nunes, Roberto Schwarz, Sérgio Sant'Anna, Marisa Lajolo, Augusto Massi e José Cardoso Pires, além de referências sobre o romance na imprensa nacional e internacional, revistas acadêmicas, teses e dissertações.  É interessante revisitar o livro com a isenção crítica de três décadas de afastamento, sem a inevitável pressão sobre o prestigiado músico e compositor para provar suas qualidades como escritor, de forma a perceber

Vencedores do Prêmio Jabuti 2021

Imagem
Divulgados os vencedores da 63ª edição do Prêmio Jabuti. O livro Sagatrissuinorana (ÔZé Editora), de João Luiz Guimarães e Nelson Cruz, levou o prêmio principal da noite  e também o primeiro lugar da categoria Infantil. A obra ilustrada é uma homenagem a Guimarães Rosa (1908-1967), utilizando o seu estilo para recontar a fábula dos "Três Porquinhos" como uma metáfora para o rompimento de barragens como em Mariana e em Brumadinho. Além do troféu, os autores ganham R$ 100 mil. Na categoria Romance de Literatura, o vencedor foi O avesso da pele (Companhia das Letras), de Jeferson Tenório – Ler aqui resenha do Mundo de K. Na categoria Romance de Entretenimento, Corpos secos (Alfaguara), de Luisa Geisler, Marcelo Ferroni, e outros. Em Contos, Flor de Gume (Editora Jandaíra), de Monique Malcher foi a obra vencedora e  Sobreviventes e guerreiras: Uma breve história da mulher no brasil de 1500 a 2000  (Planeta) de Mary del Priore ganhou na categoria Ciências Humanas. Segue abai

Vencedores do Prêmio São Paulo de Literatura 2021

Imagem
Divulgados os vencedores da 14ª edição do Prêmio São Paulo de Literatura, versão 2021. A premiação, promovida pelo Governo do Estado de São Paulo, foi dividida este ano em duas categorias: “Melhor Romance do Ano de 2020” e “Melhor Romance de Estreia do Ano de 2020”, cada um receberá um prêmio de R$ 200 mil. Na categoria de "Melhor Romance do Ano de 2020" o mineiro Edimilson de Almeida Pereira levou o Prêmio São Paulo de Literatura com a obra Front , da Editora Nós, e a gaúcha Morgana Kretzmann venceu na categoria “Melhor Romance de Estreia do Ano de 2020”, com o livro Ao pó, da Editora Patuá. Edimilson de Almeida Pereira nasceu em Juiz de Fora, Minas Gerais. É poeta, ficcionista, ensaísta, professor e pesquisador da cultura e da religiosidade afro-brasileiras. Pereira é Professor Titular de Literatura Brasileira da Faculdade de Letras da Universidade Federal de Juiz de Fora. Autor prolífico, com dezenas de livros e artigos. Morgana Kretzmann nasceu na cidade de Tenente Portel

Luiz Eduardo de Carvalho - Evoé, 22!

Imagem
Luiz Eduardo de Carvalho - Evoé, 22! - Editora Patuá - 148 Páginas - Projeto gráfico e diagramação: Luyse Costa - Lançamento: 2021. Luiz Eduardo de Carvalho é o autor de Evoé, 22! , roteiro de uma peça teatral extremamente rica em referências culturais e também muito bem-humorada, vencedora do Prêmio de Incentivo à Publicação Literária – 2018 do Ministério da cultura, cujo tema foi os Cem Anos da Semana de Arte Moderna de 1922 e, em sequência, o Prêmio Maria Clara Machado (1º lugar) no Concurso Internacional de Literatura da União Brasileira dos Escritores, assim como o Prêmio Aldemar Bonates no Concurso Literário Cidade de Manaus, referente ao período de 2019/2020. A peça, definida pelo autor como "uma tragédia de costumes modernistas em dois atos" , é ambientada em janeiro de 1922, poucos dias antes da famosa Semana de Arte Moderna de São Paulo que reuniu artistas plásticos, escritores e músicos com propostas de renovação em suas respectivas áreas de atuação, buscando a rup

Chico Buarque - Anos de chumbo e outros contos

Imagem
Chico Buarque - Anos de chumbo e outros contos - Editora Companhia das Letras - 168 Páginas - Capa e Projeto Gráfico de Raul Loureiro - Imagem de capa: Solange Pessoa, 2008 - Lançamento: 2021 Chico Buarque faz a sua estreia no gênero de contos com uma antologia que reúne, em sua maioria, narrativas ambientadas na cidade do Rio de Janeiro, sempre com base no olhar irônico e bem-humorado do autor, tão característico do carioca e do brasileiro em geral. O bom humor é um elemento que tem estado ausente da crônica e da literatura contemporânea por motivos óbvios, exigindo cada vez mais técnica, imaginação e originalidade dos escritores para refletir sobre as nossas mazelas políticas, sociais e pessoais de forma leve. Este objetivo é alcançado com sucesso, mesmo ao descrever temas incômodos e que preferimos esquecer, como na estratégia de utilizar um narrador-protagonista ingênuo no conto que empresta o título ao livro. Um bom exemplo desta abordagem leve que norteia todo o livro, está no c

Tadeu Sarmento - Ester ou Antígona

Imagem
Tadeu Sarmento - Ester ou Antígona - Editora Uboro Lopes - 143 Páginas -  Capa: Bloco Gráfico - Lançamento: 2021. O mais recente lançamento de Tadeu Sarmento é uma novela inspirada na solidão das redes sociais, esses estranhos espaços virtuais, criados com o objetivo de aproximar as pessoas, mas que atingem geralmente um resultado oposto: "A rede social nos conecta a todos, cada um em sua cela. Pelo menos a ideia é essa. Você sabe: uma maneira de estarmos presentes durante nossa ausência. Pra dizer a verdade, ninguém pode contar nossa ausência melhor que nós mesmos. Premissa da vida online . [...] Incrível também o nível de intimidade que podemos atingir por aqui. Parece que quanto mais distantes, mais as pessoas são capazes de falar as coisas mais cabeludas. Ou isso ou fingem bem (tiro por mim, tiro por mim)." Esta é a história de Ester, protagonista-narradora nada confiável, uma adolescente de 17 anos tentando evitar que descubram que os seus pais estão mortos e os corpos e

Mia Couto - O mapeador de ausências

Imagem
Mia Couto - O mapeador de ausências - Editora Companhia das Letras - 288 Páginas - Capa de Alceu Chiesorin Nunes - Ilustração de capa de Angelo Abu - Lançamento: 2021. Moçambique é um país que precisa lidar com a herança de um passado recente muito violento. Depois de uma guerra de libertação que durou cerca de 10 anos, tornou-se independente de Portugal em 25 de Junho de 1975, para iniciar em seguida uma guerra civil, semelhante à de Angola, que durou até 1992, com um saldo de um milhão de mortos em combates e também pelos efeitos da destruição do país que mergulhou em uma crise econômica sem precedentes, provocando a fome e o deslocamento da população. O mais recente lançamento de Mia Couto é um romance com referências autobiográficas no qual ele lança um olhar a estes dois períodos da história de Moçambique, a fase final da guerra de libertação colonial e os efeitos atuais da guerra civil, para contar a história de um protagonista com muitas semelhanças a ele próprio. Diogo Santiago

Damon Galgut - Booker Prize 2021

Imagem
O escritor sul-africano Damon Galgut é o vencedor do Booker Prize 2021 e irá receber uma premiação de 50.000 libras (aproximadamente 68.000 dólares), além da divulgação mundial que sempre está associada ao evento. Este ano tem sido muito importante para a literatura na África, depois da notícia do prêmio Nobel para o romancista Abdulrazak Gurnah da Tanzânia e a recente divulgação do  senegalês Mohamed Mbougar Sarr, de apenas 31 anos, como vencedor do Goncourt, o prêmio literário mais prestigiado da França. Damon Galgut já era considerado o favorito depois de ter sido finalista em versões anteriores da premiação com The Good Doctor , em 2003, e In a Strange Room , em 2010, No Brasil foram lançados os seguintes livros de Damon Galgut: "O bom médico" (Companhia das Letras, 2005), "Em um quarto estranho" e "O impostor" (ambos pela Record, em 2011 e 2013).  Vale a pena aguardar o lançamento de   The Promise   no Brasil já que o autor foi comparado a Virgini