Postagens

Mostrando postagens de Novembro, 2019

Chico Buarque - Essa gente

Imagem
Chico Buarque - Essa gente - Editora Companhia das Letras - 200 Páginas - Capa e projeto gráfico de Raul Loureiro - Lançamento: 09/11/2019. O lançamento do sexto romance de Chico Buarque ocorre no ano em que o cantor, compositor, poeta e escritor se consagrou ao receber o Prêmio Camões, uma das distinções mais importantes da área de literatura em língua portuguesa. Essa gente  vai surpreender o público pela linguagem simples e ritmo veloz, características pouco comuns nas obras anteriores do autor, normalmente de estrutura narrativa mais formal. O livro é constituído por blocos de texto na forma de entradas de diário, alternando cartas e mensagens, diálogos e trechos de conversas telefônicas, no período entre dezembro de 2016 e setembro de 2019.  Ao focar a ação no tempo presente, o autor corre o risco de assumir uma literatura panfletária em função da atual tendência de polarização política, uma vez que Chico Buarque é um dos alvos prediletos da direita, contudo, no final, gan

Vencedores do Prêmio Jabuti 2019

Imagem
Divulgados os vencedores da 61ª edição do Prêmio Jabuti. O livro Uma história da desigualdade (Hucitec), de Pedro Ferreira de Souza, levou o prêmio principal da noite e também o primeiro lugar da categoria Humanidades. Na categoria Romance, o vencedor foi O pai da menina morta (Todavia), de Tiago Ferro. Na categoria Crônica, venceu  Pós-F (LeYa), de Fernanda Young. Em Contos, Um beijo por mês (Luna Parque), de Vilma Arêas. Jorge Amado: uma biografia (Todavia), de Josélia Aguiar, ganhou o troféu de Biografia. Segue abaixo a relação completa de vencedores de cada uma das categorias: Conto:  Um beijo por mês  - Vilma Arêas - Editora: Luna Parque Crônica:  Pós-F: para além do masculino e do feminino - Fernanda Young - Editora: LeYa Histórias em Quadrinhos:  Graphic MSP - Jeremias: Pele - Rafael Calça, Jefferson Costa - Editora: Panini, Mauricio de Sousa Infantil:  A Avó Amarela - Júlia Medeiros, Elisa Carareto - Editora: ÔZé Editora Juvenil:  História

Leonardo Padura - Hereges

Imagem
Leonardo Padura - Hereges - Boitempo Editorial - 512 Páginas - Tradução de Ari Roitman e Paulina Wacht - Capa de Ronaldo Alves - Lançamento no Brasil: 2015 Depois do grande sucesso de público e crítica de seu romance histórico O homem que amava os cachorros e também do policial A neblina do passado (sigam os links para as respectivas resenhas do Mundo de K), Leonardo Padura se tornou um dos escritores cubanos mais conhecidos no Brasil. Em Hereges  o leitor reencontrará um dos personagens mais famosos e carismáticos do autor, o  detetive Mario Conde, um escritor frustrado que, após a sua saída dos quadros da polícia local, sobrevive à base de expedientes, comprando e vendendo livros usados, assim como boa parte da população de Havana, uma geração desiludida com os rumos da revolução. Lançado originalmente em 2013, o livro combina os dois estilos – romance histórico e policial noir – em um ambicioso projeto narrativo que conecta uma série de fatos e personagens ao longo de mui

Patti Smith - O ano do macaco

Imagem
Patti Smith - O ano do macaco - Editora Companhia das Letras - 168 Páginas - Traduçao de Camila von Holdefer - Capa de Fabio Uehara - Foto de capa: Barre (Skills) Durya Lançamento: 28/10/2019. Assim como Just Kids , vencedor do National Book Award de 2010 e Linha M , seus dois livros anteriores lançados no Brasil, O ano do macaco também não pode ser classificado em uma única categoria, seja autobiografia, ficção, ensaio ou poesia, apresentando uma mistura de todas elas ao mesmo tempo, assim como a performática poeta, compositora, escritora e artista plástica Patti Smith, sem falar nas citaçoes musicais e literárias que extrapolam em muito as referências locais da cultura norte-americana. Por outro lado, a autora exercita uma técnica pouco explorada nas suas outras obras, a influência do inconsciente ou um certo estado alucinatório na narrativa, fazendo com que o limite entre sonho e realidade se torne indistinto. A prosa poética original foi preservada na excelente tradução

Vencedores do Prêmio São Paulo de Literatura 2019

Imagem
Divulgados os vencedores da 12ª edição do Prêmio São Paulo de Literatura, versão 2019. A premiação, promovida pelo Governo do Estado de São Paulo, foi dividida este ano em duas categorias:  “Melhor Romance de Ficção do Ano de 2018” e “Melhor Romance de Ficção de Estreia do Ano de 2018”, cada um receberá um prêmio de R$ 200 mil. Mesmo com a redução de uma categoria neste ano, ainda é o maior concurso literário do Brasil em premiação individual para o gênero. Na categoria de  “Melhor Romance de Ficção do Ano de 2018” a carioca Ana Paula Maia levou pela segunda vez seguida o Prêmio São Paulo de Literatura, dessa vez com  Enterre Seus Mortos (Editora Companhia das Letras). Ela já havia vencido em 2018 com o livro Assim na Terra Como Embaixo da Terra .  Na categoria de  “Melhor Romance de Ficção de Estreia do Ano de 2018” o vencedor foi Tiago Ferro com O Pai da Menina Morta  (Editora Todavia).

Nicole Krauss - Floresta Escura

Imagem
Nicole Krauss - Floresta Escura - Editora Companhia das Letras - 304 Páginas - Tradução de Sara Grünhagen - Lançamento: 2018 A escritora norte-americana de ascendência judaica Nicole Krauss é reconhecida pela crítica como um nome de destaque na literatura contemporânea em língua inglesa. No seu  quarto romance, Floresta Escura , ela apresenta uma curiosa reflexão sobre perda e transformação. Em narrativas paralelas e capítulos alternados, descreve a saga de dois protagonistas que não têm nada em comum, exceto o desconforto com suas vidas atuais. Jules Epstein é um advogado de 68 anos que decide doar grande parte de sua riqueza, após a morte dos pais e o seu processo de divórcio. Já Nicole (sem sobrenome), é uma personagem que evidencia um mecanismo claro de metaficção, ela é uma autora com a carreira já consolidada, mas que passa por um bloqueio criativo para escrever o próximo romance. A narrativa tem início com o desaparecimento de Jules Epstein em Tel Aviv, com a família e a

Finalistas do Prêmio Oceanos 2019

Imagem
Divulgados os dez finalistas do Prêmio Oceanos de Literatura, versão 2019. Dentro da proposta de configurar um instantâneo da produção literária em língua portuguesa nos diferentes gêneros e representando diferentes países, classificaram-se nove romances e uma coletânea de contos. Neste ano, nenhum livro de poesia, acho difícil entender este critério! Concorrem ao prêmio cinco brasileiros, quatro portugueses e um angolano. A partir de 2015 o Prêmio Portugal Telecom de Literatura foi cancelado pelos antigos patrocinadores, passando a ser chamado de Oceanos - Prêmio de Literatura em Língua Portuguesa e patrocinado pelo Itaú Cultural. Segundo informações da organização, a edição de 2019 assinalou um recorde de livros concorrentes: 1.467 obras de 14 editoras e 10 países tiveram inscrição validada pela Curadoria do prêmio. Este anos serão escolhidas três obras vencedoras que serão divulgadas no dia 5 de dezembro, no Itaú Cultural, em cerimônia aberta ao público e transmitida ao vivo

Deborah Dornellas - Por cima do mar

Imagem
Deborah Dornellas - Por cima do mar - Editora Patuá - 360 Páginas - Projeto gráfico de Beatriz Agnelli - Ilustrações de Deborah Dornellas - Orelha de Lilia Guerra - Lançamento: 2018. O romance de estreia de Deborah Dornellas, vencedor do Prêmio Casa de Las Américas, categoria Literatura Brasileira, surpreende pelo cuidado e veracidade na criação da protagonista, Lígia Vitalina da Conceição Brasil, uma mulher negra que relembra passagens de sua vida desde a infância pobre em Ceilândia até o tempo presente, já casada e morando em Angola. Uma obra que reflete sobre a diáspora dos africanos "que ficaram pelo caminho, mortos nos porões dos navios-túmulos e jogados ao mar-túmulo" ou "mortos logo ao chegar à terra estranha" . A personagem faz uma travessia Atlântica inversa, retornando ao local de origem dos antepassados. Lígia Vitalina  é uma excluída do sistema assim como o pai, um dos muitos trabalhadores que imigraram para construir a cidade de Brasilia