Postagens

Mostrando postagens de Abril, 2018

Mônica Machado - Antropologia Digital e Experiências Virtuais do Museu de Favela

Imagem
Mônica Machado - Antropologia Digital e Experiências Virtuais do Museu de Favela - Editora Appris - 231 Páginas - Lançamento: 10/11/2017 A divisão entre a cidade formal e as favelas  na paisagem urbana do Rio de Janeiro é  uma realidade que não pode ser ignorada. Após décadas de políticas públicas inadequadas as comunidades carentes continuam a ocupar territórios cada vez mais densamente povoados e sem condições básicas de infraestrutura, além de serem  estigmatizadas pela população das áreas mais privilegiadas devido à insegurança provocada pelos altos índices de criminalidade e violência. O  resgate desta imensa dívida social passa pela necessidade de projetos consistentes e auto-sustentáveis de urbanização das favelas assim como de iniciativas de inclusão social que garantam o exercício da cidadania plena e reafirmação dos valores locais para essas populações. É surpreendente como algumas soluções para tantos problemas podem surgir a partir de ações da própria comunidade, c

Sophia de Mello Breyner Andresen - Coral e Outros Poemas

Imagem
Sophia de Mello Breyner Andresen - Coral e Outros Poemas - Editora Companhia das Letras - 392 Páginas - Seleção e Apresentação de Eucanaã Ferraz (Lançamento: 02/04/2018). Muito pouco publicada no Brasil, a poeta  Sophia de Mello Breyner Andresen (1919-2004) é uma das vozes mais importantes da literatura portuguesa, tendo sido a pr imeira mulher a ser agraciada com o Prêmio Camões em 1999. A antologia lançada agora pela Companhia das Letras, com seleção e apresentação de Eucanaã Ferraz,  cobre toda a extensão da bibliografia da autora, dona de um estilo que provoca identificação imediata no leitor, uma poesia que é pura imagem, luz e mar. Peço ajuda ao saudoso professor Massaud Moisés (1928-2018) que definiu tão bem a sensibilidade da poeta em "A literatura portuguesa" (Pág. 291) : "O lirismo de Sophia é fruto de uma invulgar sensibilidade feminina que parece brotar das mesmas nascentes utilizadas pelos poetas simbolistas. Sempre disposta a 'olhar dentro das

Alison Pick - O Trem que Leva a Esperança

Imagem
Alison Pick - O Trem que Leva a Esperança - Editora Paz e Terra - 322 Páginas - Tradução de Adriana Lisboa do original "Far to Go" de 2010 (Lançamento no Brasil: 12/03/2018) Este é o primeiro livro da premiada escritora e poeta canadense Alison Pick publicado no Brasil. O romance, que foi finalista do Man Booker Prize de 2011, é inspirado na trajetória dos avós judeus da autora que emigraram da Tchecoslováquia para o Canadá durante a Segunda Grande Guerra e escrito com base em uma detalhada pesquisa histórica sobre a ocupação nazista naquele país desde os primeiros sinais do expansionismo hitlerista com a anexação da Áustria em março de 1938 ( Anschluss)  e, logo após, o evento conhecido como a   Crise dos Sudetos, em setembro do mesmo ano, quando parte da região sul da Tchecoslováquia, habitada por uma população de etnia germânica, foi transferida sem resistência para a Alemanha após o consentimento do governo britânico, formalizado no Pacto de Munique  e a falta d

Franz Kafka - Blumfeld, um solteirão de mais idade e outras histórias

Imagem
Franz Kafka - Blumfeld, um solteirão de mais idade e outras histórias - Editora Civilização Brasileira - 336 Páginas - Organização, Tradução e Posfácio de Marcelo Backes (Lançamento: 29/01/2018). Talvez a obra de Franz Kafka (1883-1924) tenha sido a mais influente do século XX e seu legado literário, repleto de simbolismos e significados, em livros como: "A Metamorfose" (1915), "O Processo" (1925, póstumo) e "O Castelo" (1926, póstumo), ainda permanece relevante como representação da angústia do homem contemporâneo diante do absurdo de um mundo sem sentido. O autor, que morreu aos quarenta anos, não presenciou o reconhecimento pela importância do seu trabalho, sendo a maior parte de seus textos publicada postumamente pelo amigo Max Brod, que ignorou o desejo de Kafka de ter os seus manuscritos destruídos após a morte. A seleção dos 35 contos desta antologia, acrescida de um drama inédito no Brasil, "O Guarda da Cripta", feita pelo t

Finalistas do Man Booker International Prize 2018

Imagem
Divulgada a shortlist do Man Booker International Prize, versão 2018. Dois escritores já levaram o prêmio em versões anteriores, a sul-coreana Han Kang em 2016 com "The Vegetarian" ( "A Vegetariana" em português, uma edição muito difícil de encontrar publicada no Brasil pela Editora Devir em 2013) e agora selecionada pela organização com "The White Book" , sobre a morte de uma irmã mais velha; e o húngaro László Krasznahorkai ,  ainda inédito no brasil e vencedor da versão 2015, que considerava o conjunto da obra e não um romance específico, concorrendo este ano com "The World Goes On" , uma coletânea de contos. A versão internacional do Man Booker, um dos mais conceituados prêmios em língua inglesa, foi criada em 2005 para prestigiar as obras de ficção de qualquer país, desde que traduzidas para o inglês. Segundo o procedimento da organização, o valor de 50.000 libras será dividido igualmente entre o autor e o tradutor. Segue a lista de

Albert Camus - O Exílio e o Reino

Imagem
Albert Camus - O Exílio e o Reino - Editora Record - 176 Páginas - Tradução de Valerie Rumjanek - Lançamento: 29/01/2018. A Editora Record dá continuidade ao projeto de relançamento da obra completa do argelino radicado na França Albert Camus (1913-1960) com seis edições em novo projeto gráfico:  “O avesso e o direito” , “O exílio e o reino” , “A inteligência e o cadafalso” , “A morte feliz” , “O mito de Sísifo” e “Estado de sítio” . No ano passado já haviam sido relançados:  “O estrangeiro” , “A peste” , “O homem revoltado” e “Diário de viagem” .   Ótima oportunidade para reler alguns dos maiores clássicos do século XX ou conhecer os títulos menos divulgados da bibliografia de Camus, Prêmio Nobel de Literatura de 1957. É o caso deste "O Exílio e o Reino" , único volume de contos e último livro de ficção publicado antes de sua morte prematura em um acidente de carro no ano de 1960. O volume reúne seis contos, ambientados na África, Europa e Brasil, que refletem o

As 20 obras mais importantes da literatura dos Estados Unidos

Imagem
Não há como negar a influência cultural europeia, particularmente inglesa, na formação da identidade literária dos Estados Unidos. No entanto, tanto na poesia quanto na prosa, os escritores norte-americanos (detesto o adjetivo pátrio "estadunidense") logo encontraram formas próprias de expressão. Esta independência cultural já é nítida no século XIX e consolida-se no século XX por meio da absorção e transformação da herança clássica europeia a partir de elementos de outras culturas, principalmente africana, um fenômeno que se refletiu claramente na música popular, com o nascimento do Jazz, Blues e o Rock. Na literatura não foi diferente e esta relação cronológica mostra como, de Nathaniel Hawthorne a Philip Roth, esses escritores e escritoras ajudaram a consolidar uma das literaturas mais fortes, originais e contestadoras do nosso tempo. (01) A Letra Escarlate (1850)        Nathaniel Hawthorne (1804-1864) O autor tem uma bibliografia extensa entre romances e c