e. e. cummings - análise do poema "1(a"

poesia

Somente Augusto de Campos poderia traduzir e comentar o mais experimental e moderno poeta de todos os tempos, o americano e. e. cummings (1894-1962), por sinal um precursor do uso das letras minúsculas em seu nome, assim como valter hugo mãe no início de sua carreira. Utilizo como referência para esta postagem a edição bilíngue de 1986 da editora brasiliense que reúne 40 poemas traduzidos e a análise abaixo de Augusto de Campos.

Na poesia de Cummings o aspecto visual e a composição tipográfica do poema são parte fundamental do trabalho, seja pela posição e deslocamento das palavras, sinais de pontuação, espaços em branco ou por meio do número de letras e linhas que influenciam diretamente no ritmo do poema. Todas essas características fazem da poesia de Cummings um desafio praticamente intransponível para qualquer tradutor.

O poema "1(a" ou "a leaf falls on loneliness", como também é conhecido, pode ser uma ótima introdução para a linguagem cummingsiana. Este trabalho, publicado quando Cummings tinha 64 anos no livro "95 poems", é composto por apenas uma palavra e uma frase: loneliness (solidão) e a leaf falls (uma folha cai). A palavra e a frase se opõem uma a outra como o conceito subjetivo (loneliness) e a imagem objetiva (a leaf falls), com o mesmo número de letras.

A composição é organizada em grupos de linhas, com a alternância de 1 e 3 linhas. O tipo dos caracteres "1" e "f" (principalmente no tipo com serifa , times new roman) representam uma ambivalência que é parte fundamental do contraste com "alone" (só), "one" (um) e "oneliness" (unicidade). Finalmente, como destaca Augusto de Campos: "através do recorte das linhas, o poeta representa o movimento da folha caindo — o '1' que vem da primeira linha, passando pelos 'ff' subsequentes —, rodopiando na inversão das letras 'af' (final de 'leaf') e 'fa' (início de 'fall') até desaparecer na última linha".

Bem, sem maiores introduções ou "intraduções" como brincou Augusto de Campos, vamos ao poema "1(a" ou "a leaf falls on loneliness":
l(a

le
af
fa

ll

s)
one
l

iness
Referência: Editora Brasiliense, 1986, 146 páginas - 40 poem(a)s de e. e. cummings

Comentários

Lígia Guedes, disse…
Kovacs,
Se tivesse que escolher apenas um livro... certamente teria um de poesia em mãos.
É tudo tão íntimo, intrínseco.
Apreciar o momento de criação também faz parte da beleza de uma poesia escrita independente de sua compreensão.
Lidi disse…
Olá, gostei muito do seu blog. Passo a te seguir. Abraços.
Kovacs disse…
Lígia, bonito comentário e concordo que a poesia é uma forma de expressão única.
Kovacs disse…
Lidi, obrigado pela visita e comentário gentil!
Lígia Guedes disse…
Kovacs,

Olha o que encontrei saído do forno e que lembra as controvérsias do ato de criação:

Ontem rasguei um poema. Coisa séria, gravíssima! É então para esse poema ido para os recônditos da esquecibilidade, que quero dedicar este pequeno outro, inscrevendo-o na lápide imortal do tempo.

POEMA NÃO ESCRITO

Poema não escrito:
Que tua existência efêmera não tenha passado ilesa.
Que teu tema não desenvolvido,
Talvez porque eu o tenha julgado sem dignidade,
Tome parte dos recantos onde os temas amadurecem;
No céu dos versinhos perdidos.

Que teu arranjo disforme de vocábulos
E que o instante em que a inspiração conspira
Não tenham sido em vão, mera obra do acaso,
Mas matéria viva pro crescer poético
Onde as métricas transmutam e se transformam
No solo fértil adubado de consoantes.

Poema não escrito, rasgado de tua existência:
Que teus cortes e lascas de sílabas,
As quais desunidas já não formam estrofes,
Possam além da minha memória reinventar-te
Dilatando-o em uma sobrevida outra;
Para além de significâncias e metáforas obsoletas.

Poema sem nome, que teu almejar poético
Tenha sido o maior de teus feitos.
Não nasceste para ser relegado às gavetas,
Nem tão pouco aos livros empoeirados de estantes.
Nasceste e murchaste como a flor perene,
Que mesmo breve, vale eterna o colorido instante.
(por Carla Guedes)


Desculpa o retorno mas não resisti.
Lígia Guedes
Kovacs disse…
Lígia, obrigado por compartilhar e parabéns à Carla Guedes pelo belo poema.
ulisses sebrian disse…
Olá! Tudo Bem! Meu nome é Ulisses e visitei o seu Blog.
Gostei e estou seguindo.
Também tenho 4 blogs e gostaria que você o visitasse.
E se possível entrar como seguidor. Obrigado
Os meus blogs são:
http://truquedevida.blogspot.com.br/
http://olhosdnoite.blogspot.com.br/
http://melquisarcarde.blogspot.com.br/
http://concientein.blogspot.com.br/
Kovacs disse…
Ulisses, seja bem-vindo e obrigado pela visita e comentário.
Marcos Faria disse…
Senta que lá vem a história:

Dizem que um dia Ferreira Gullar, no meio de uma palestra em que estava falando mal da poesia concreta, lançou um desafio: queria ver se alguém da plateia conseguia declamar uma poesia concreta que prestasse.

Silêncio durante alguns segundos, então alguém lá no meio se levantou e disse:

"Solitude
A folha
Cai"
Alexandre Kovacs disse…
Marcos, obrigado pelo ótimo comentário!
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Postagens mais visitadas deste blog

As 20 obras mais importantes da literatura brasileira

As 20 obras mais importantes da literatura portuguesa

As 20 obras mais importantes da literatura italiana

As 20 obras mais importantes da literatura francesa

20 grandes escritoras brasileiras

Vencedores do Prêmio Jabuti 2019