Daniel Galera - Barba Ensopada de Sangue

Literatura brasileira contemporânea
Daniel Galera - Barba Ensopada de Sangue - Editora Companhia das Letras - 424 páginas - Lançamento 05/11/2012 (ler aqui um trecho em pdf disponibilizado pela editora).

Daniel Galera confirma mais uma vez a sua habilidade na criação de personagens marcantes e diálogos perfeitos neste seu quarto e aguardado romance. Um jovem nadador e professor de educação física, decide, acompanhado da cadela Beta do falecido pai, se mudar para a supostamente pacata cidade de Garopaba, localizada no litoral de Santa Catarina. O nosso protagonista (sem nome) estabelece uma série de contatos, inclusive afetivos, com a população local, enquanto investiga a violenta e misteriosa morte do avô Gaudério que se tornou uma lenda no passado da cidade. É surpreendente como o paulista Daniel Galera consegue escrever com uma autenticidade regionalista que nos faz acreditar estar lendo em todos os momentos um autor gaúcho (como já fez tão bem antes em Mãos de Cavalo).

A natureza exuberante da região do litoral sulista e a relação da cidade com o mar são elementos que Galera utiliza com perfeição na narrativa deste livro e ainda um interessante recurso para caracterizar ainda mais o isolamento social e geográfico do seu protagonista; ele sofre de um raro distúrbio neurológico que não permite memorizar o rosto das pessoas, inclusive o próprio.

O leitor é conquistado logo de início pela sensibilidade e abandono do personagem que relembra passagens de sua vida em Porto Alegre. É bom destacar que, apesar do título, este não é um romance de violência, mas sim de encontros e desencontros, de amizade e amor, destino e livre-arbítrio, coisas tão banalizadas e esquecidas nesta época de facebook (como parte do seu desligamento da vida urbana, o protagonista cancela a sua conta da rede social em um dos bons momentos do livro). Enfim, o segredo é simples, Daniel Galera sabe escrever, coisa cada vez mais rara em nossa época digital. 

A cadela Beta é inesquecível e certamente vai se juntar a outros cães famosos da literatura brasileira, como a Baleia de Graciliano Ramos em Vidas Secas.

Comentários

Bia Machado disse…
Estou esperando o meu chegar, de tanto que falaram dele não resisti... Espero que venha a capa verde! Pelo trecho em PDF, acho que vou gostar! ;)
Tati disse…
Eu também gostei muito do livro e da história, apesar de ter achado um pouco descritivo demais e um pouco menos profundo em relação aos personagens. Mas depois fiquei pensando se isso não seria proposital, por causa da doença do personagem principal... Enfim, sei que a descrição é tão rica que me deu uma vontade imensa de conhecer Garopaba e as praias do sul. Quem sabe até morar lá um dia? rsrs
Abraço!


Alexandre Kovacs disse…
Bia, a minha edição é em vermelho mesmo! Muito boa essa estratégia de marketing de lançar capas diferentes.
Alexandre Kovacs disse…
Tati, acho que todo mundo fica com vontade de morar em Garopaba depois de ler esse livro!
jair e. disse…
Kovacs: estava reticente quanto a ler/comprar este livro. Na verdade quase já tentei ler Mãos de Cavalo, só que nunca levei à frente o projeto. Mas acho que você me convenceu quanto ao Barba Ensopada de Sangue: ler Daniel Galera pela primeira vez. O Galera do nome me incomoda um pouco; não parece coisa pra valer, séria (mesmo se se tratasse de um livro de humor). Fico sempre a lembrar de papo de surfista e imaginando o Daniel mais à frente, com 70 anos ou mais, escrevendo livros com esse “sobrenome”; o que esperar? Já morei no litoral e conheço o tipo galera – claro que nem todos são iguais e nenhum era escritor: e não que fugissem dos livros, mas entravam numa livraria, digamos, somente para se proteger da chuva. Claro que isso é preconceito meu, mas como leitor e comprador de livros tenho lá meus modos de seleção. De todo modo, sua resenha valeu para que eu maneirasse um pouco a mão pesada em relação ao Daniel. Quanto ao Galera: é apelido ou "sobrenome" mesmo?
Alexandre Kovacs disse…
Jair, segundo li em uma declaração do autor, Galera não é apelido, mas sim nome próprio de origem italiana. Acho que seria um bom tópico para desenvolver em uma entrevista com o próprio. Com certeza este nome deve provocar todo tipo de reação no público leitor (positiva e negativa). Obrigado pelo comentário franco e honesto!
Unknown disse…
Gosto dos personagens masculinos dos Daniel Galera, são frágeis, angustiados, com limitações físicas e emocionais, não são os “heróis do dia”. Muito parecidos com os homens da minha geração (!!!).
Eu li "Mãos de Cavalo" e depois "O dia em que o cão morreu". Folheei “Cordilheira” mas não me empolguei , mas está na fila. Estou lendo “Barba...” e confesso que quase desisti no início, mas depois aquela busca remota e superficial do personagem foi me envolvendo. Longe de ser um Ulisses (de Joyce) a rotina quase banal do personagem de “Barba...” é capaz de prender um leitor. Hoje receio que o livro acabe, mas quero muito saber o desfecho.
Embora ainda não tenha terminado de ler “Barba...”, acho “Mãos de Cavalo” muito bom , muito preciso na escrita enxuta e uma estória super bem contada.
Anônimo disse…
Vale salientar que a autor viveu a maior parte da vida em Porto Alegre, ou seja, paulista de nascença, porém, gaúcho de formação.
Alexandre Kovacs disse…
Anônimo, muito bom o seu comentário, lendo um pouco mais sobre a biografia de Daniel Galera cheguei à mesma conclusão, ou seja, Galera é gaúcho de formação!
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Postagens mais visitadas deste blog

As 20 obras mais importantes da literatura brasileira

As 20 obras mais importantes da literatura italiana

As 20 melhores distopias da literatura

20 grandes escritoras brasileiras

As 20 obras mais importantes da literatura portuguesa

As 20 obras mais importantes da literatura francesa