Jorge Sá Earp - As amarras

Literatura brasileira contemporânea
J
orge Sá Earp - As amarras - Editora 7 Letras - 176 Páginas - Foto de capa Nathan Dumlao / Unsplash - Lançamento: 26/03/2020.

Eusébio é um arquiteto insatisfeito com a profissão e o casamento com Aglaia, antiga amiga de infância; uma união que foi resultante apenas das pressões familiares e sociais para manter os padrões de comportamento supostamente normais de uma classe média tradicional. Afinal, apesar dos avanços na área do reconhecimento da divesidade sexual, ainda existe o preconceito contra a comunidade LGBT, o que provoca relações artificiais como a descrita aqui.

As amarras que impedem a felicidade de Eusébio bem poderiam levar o romance para um caminho trágico, mas a condução da narrativa de forma bem-humorada e em primeira pessoa, torna a leitura leve e divertida ao acompanharmos os erros e acertos do protagonista para realizar os seus desejos reprimidos. Ao começar a escrever peças de teatro, ele conhece Fabiano, um jovem ator por quem se apaixona, e acaba descobrindo a sua vocação profissional para a cenografia.
"Algumas pessoas entrando ainda, vão se acomodando nos lugares ainda vazios. Fixo o olhar ansioso na porta aberta da igreja e o céu já escuro ao fundo. As flores brancas enfeitando os recostos margeiam o corredor. Todos me olham, me analisam, vejo que uns têm uma expressão apatetada de alegria, enquanto outros fingem uma grande emoção. Não procuro minha mãe, que se estiver à beira do choro, minha vontade seria pular daqui, desse poleiro onde me botaram, sob o foco principal da cena, e agarrar o seu pescoço para um lento e doloroso estrangulamento. É ela a culpada desse casamento; foi ela quem me estimulou a casar com essa imbecil da Aglaia, urdiu todas as fibras de tecido venenoso para que eu caísse nessa armadilha; ela e meu pai, o dr. Floresta, e mais tia Carmita e tio Nelsinho. [...] Ela vem se aproximando, os dois vêm se aproximando, tio Nelsinho, vermelho, gordo, calvo, e Aglaia linda, mas aos poucos sua beleza à primeira vista adquire aos meus olhos um ar ameaçador: algo como ave que se transforma em serpente. E seus olhos antes resplandecentes adquirem um brilho amarelo como o da cobra prestes a estender a língua e com as presas cheias de veneno" (p. 19 / 21)
Nada é fácil para Eusébio – na festa de casamento ele se interessa por Inair, um dos garçons contratados, este impulso dará início a uma série de problemas para manter as aparências, principalmente quando ele é chantageado pelo rapaz. No entanto, as coisas começam realmente a fugir ao controle quando ele não resiste aos encantos de Tarcísio, seu cunhado, e parte para o assédio em uma tórrida cena no vestiário do clube. Será que existe espaço para uma frágil felicidade possível, ainda mantendo o casamento, ou o nosso protagonista terá a coragem necessária de abandonar as máscaras e assumir a sua vida paralela? 
"Via Tarcísio, o que era inevitável, nos almoços alternados de domingo. Já tinha dito: cada mês reservávamos dois fins de semana, ou melhor, os 'Domini dei', para os pais, ora os meus ora os de Aglaia. Por isso tinha de vê-lo ao redor da mesa retangular larga, juntamente com meus sogros e Heitor. Toda vez que nos encontrávamos, Tarcísio mantinha a fisionomia fechada, sem sorrisos. Por momentos mesmo, abaixava a cabeça se eu o encarava um pouco mais apenas por sociabilidade. Sim, eu ainda sentia atração por meu cunhado, mas ao mesmo tempo, o outro lado da moeda era uma Medusa lançando raios de reprovação contra o meu comportamento no banheiro do clube. Assim, a troca de palavras entre nós dois se reduzira ao absolutamente essencial ou social, como os cumprimentos de praxe." (p. 145)
Sobre o autor: Jorge Sá Earp nasceu no Rio de Janeiro em, em 1955. Cursou Letras na PUC-Rio. Como diplomata, serviu na Polônia, Holanda, Gabão, Bélgica, Itália, Romênia, Equador e Costa Rica. Contista e romancista, é autor de Ponto de fuga (romance, 1995; vencedor do prêmio Nestlé de Literatura), O jogo dos gatos pardos (2001), Areias pretas (2004), O novelo (2008), As marés de Tuala (2010), Bandido e mocinho (2012), Quatro em Cartago (2016) e A Praça do Mercado (2018), entre outros.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

As 20 obras mais importantes da literatura brasileira

20 grandes escritoras brasileiras

As 20 obras mais importantes da literatura portuguesa

As 20 obras mais importantes da literatura dos Estados Unidos

As 20 obras mais importantes da literatura japonesa

As 20 obras mais importantes da literatura francesa