Inês Pedrosa - Fazes-me falta

Literatura portuguesa
Inês Pedrosa - Fazes-me falta - 221 páginas - Editora Objetiva, Selo Alfaguara - Lançamento 2010.

Inês Pedrosa, jornalista e escritora, nascida em Coimbra, em agosto de 1962 é um dos nomes mais importantes da literatura contemporânea portuguesa. Fazes-me falta foi lançado originalmente em 2002 e tornou-se sucesso de público e crítica em Portugal onde vendeu mais de cem mil exemplares, apesar de não ter as características normalmente encontradas em um best seller, muito pelo contrário.

O romance é estruturado na troca de monólogos entre um homem e uma mulher que relembram, cada um a seu modo e conforme o próprio entendimento, o relacionamento passado a partir de um evento marcante: a morte inesperada da mulher. Na verdade, ela tem certa vantagem na narrativa porque consegue observar todo o tempo o comportamento do antigo parceiro mesmo depois de sua própria morte, como na excelente passagem: "De quem é esta morte encenada em caixão? De onde vem esta febre fria que me sela a boca? Luto para fugir desta caixa onde me expõem e me lamentam. Se ao menos soubessem rezar. Pai Nosso, eu não quero já o céu. Aos vivos, incomoda-os o cheiro dos mortos. Por isso o sufocam em flores, incenso, velas, tudo o que possa manter esse cheiro longe do corpo concreto, ainda carne, ainda quente. No lugar dos mortos, é o medo que enjoa e entontece. O medo que os vivos têm de mim agora, do futuro que lhes anuncio, vestida para enterrar. Esse medo cria ondas de calor, ondas enevoadas, que a luz das velas, a baba dos sussurros amplia.".

O relacionamento dos protagonistas com todos os acertos, enganos, encontros e desencontros, tem uma particularidade: não vive da paixão e do desejo, mas sim da amizade. No entanto, mesmo a amizade parece nada significar quando ela não consegue seguir a sua "morte" e ele não entende mais a sua "vida" sem ela. Inês Pedrosa descreve com perfeição este sentimento no seguinte trecho de um dos monólogos da mulher: "Tu eras tão mulher como eu, eu era tão homem como tu e cada um de nós tinha sexo, claro, tudo entre nós era sexo, sexo sublime, sem ranger de molas, desgaste de corpos, sem o melancólico ritual do frenesi e do repouso que reduz a paixão a cinzas."

O mais surpreendente nesta original alternância da narrativa entre o homem e a mulher é a forma como Inês Pedrosa dá credibilidade à fala masculina ou feminina. Assim é que  a mesma ideia da amizade sem paixão é descrita, desta vez pelo homem, na seguinte passagem: "Enroscaste-te em mim e começaste a coçar-me as costas, muito devagar. Dormimos muitas e muitas vezes assim — e nunca, nem por um segundo, pensamos em fazer aquilo a que os inocentes chamam sexo. Falávamos muito disso, sim — desse ato a que as pessoas vão chamando sexo ou amor consoante as conveniências e as circunstâncias. Esse ato que as pessoas vão repetindo até à mais exaustiva solidão.".

Inês Pedrosa conseguiu, com muita poesia, escrever um romance sobre perda e solidão que é difícil de se esquecer e que, certamente, irá te pegar desprevinido(a) quando descobrir o quanto de igual existe nesta relação de paixão e amizade entre um homem e uma mulher.
1 comentário
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Postagens mais visitadas deste blog

As 20 obras mais importantes da literatura brasileira

Sara anda mais bonita, um conto de Valéria Martins

Jacques Fux - Nobel

Andrea Dip - Em nome de quem?

Alex Andrade - Antes que Deus me esqueça

As 20 melhores distopias da literatura