Ana Cristina Cesar

Correspondência incompletaAna Cristina Cesar - Correspondência Incompleta - Instituto Moreira Salles e Aeroplano Editora - 314 páginas - Publicação 1999 - Organização de Armando Freitas Filho e Heloisa Buarque de Hollanda

Este livro reúne uma seleção de cartas trocadas entre a poeta e tradutora Ana Cristina Cesar (1952-1983), ou simplesmente Ana C., e suas amigas e professoras Clara de Andrade Alvim, Heloisa Buarque de Hollanda, Maria Cecilia Londres Fonseca e Ana Cândida Perez entre 1976 e 1980, quando Ana Cristina fazia na Universidade de Essex, o seu mestrado em "Theory and Practice of Literary Translation". Os textos demonstram uma relação forte de amizade, tanto no plano intelectual e artístico quanto afetivo.

O trecho que selecionei abaixo é de uma carta para Ana Candida Perez, com quem Ana traduziu do inglês, poemas de autoras contemporâneas como Sylvia Plath e Katherine Mansfield e onde ela própria admite achar cartas e biografias mais arrepiantes que a própria literatura. Nesta carta encontramos um pouco de todo o universo de Ana Cristina: a paixão pela literatura e muitos planos para o futuro, o amor de menina pela vida e também, infelizmente, o gosto amargo da depressão que acabaria levando-a ao suicídio em 1983 com apenas 31 anos.


29/05/1980
Candida, darling,
Tua carta me consola, me aquece, sinto uma paz e não quero dizer nada, quero ficar quieta com esse calor e mais nada. Te sinto perto e terna. As teorias recuam, assim como uma sitaxe meio delirante que às vezes me ataca a cabeça em mania. Fico horas no meu quarto e gostando e inventando coisas para fazer. Entrei numa de literatura, é o meu brinquedo. Depois da Emily Dickinson, estou em fase de Katherine Mansfield, leio tudo, inclusive biografias ordinárias (que leio arrepiada, I must confess que para dizer a verdade estou achando cartas e biografias mais arrepiantes que a literatura) e fico sonhando com essa personagem. Também escrevo um caderno, quero fazer um livro que é prosa, que é quase um diário, que conta grandes coisas se passando nos quartinhos. Penso na Grécia incessantemente, e como por destino caiu nas minhas mãos a poesia do Cafavis, numa bonita tradução espanhola. Vou à Grécia sim, mas não antes e sim depois da invasão turística. Medito na paixão que não está doendo. Não estou com pudor de virar uma "literata" porque é assim que afago e cuido da paixão. Sendo assim não vou ficar "literata". Muitos sentimentos passaram, acho que talvez o que mais incomode, porque é muito insinuante, seja uma certa vergonha de perder o controle sobre o desespero. Escrevi uma carta rasgada para [...] e não tive resposta. Depois de três semanas passei dias elaborando um cartão que aliviasse o meu pathos. Agora não estou derramando, esse pathos é meu, e sinto que fiz uma viagem e voltei. Entrei numa do tal título, estou fazendo os trabalhos sem sofrimento, é muito bom ficar ocupada - a não ser que faça sol, mas esse recuou por uns dias. Às vezes tenho grandes ânsias de outras terras, mas não gosto de viajar para nowhere sem ninguém à vista. Estou transando leve com o Chris de quem reclamei. Aliás não era dele que eu devia estar reclamando e sim da minha depressão, meu corpo querendo outra coisa. Estamos transando leve, moramos na mesma casa. Ele é bonito como um Apolo e tem duas coisas que gosto num homem, uma certa brutalidade, uma fraqueza que me dá a segurança de eu poder dizer o que me passa na cabeça, e um gosto pela sacanagem, um olho sacana, uma coisa meio devassa. O mais engraçado é que tudo isso era absolutamente insuspeitado, me espanto. Mas de leve. Estávamos cada um pro seu lado, em andares diferentes, e naturalmente vamos cada um pro seu lado, esse é um pressuposto de leveza (...).

Comentários

Leila Silva disse…
Que interessante esta carta, acho que ela sabia que estava fazendo literatura.
Não tenho este livro, tenho alguma coisa de Ana C. adquirida ou recebida como presente há muito tempo. Sempre gostei. Conheço também algumas das traduções que ela fez de S. Plath, as duas tinham muito em comum.
Abraços
Clara Lopez disse…
Amo Ana C, ja li tudo dela e já escrevi sobre também. As cartas são sempre ótimas, e toda sua literatura tem um pouco isso de falar ao pé do ouvido do leitor.
um abraço,
clara lopez
Maria Augusta disse…
Quantas emoções ela passa numa carta escrita a uma amiga. Achei interessante também este modo de introduzir palavras em inglês no meio das frases, sempre faço isto (mas em francês) quando escrevo a amigos brasileiros que moram aqui na França ou já moraram.
Que pena que ela não conseguiu vencer a depressão, para as pessoas muito sensíveis deve ser mais difícil enfrentar a dureza do mundo.
Um abraço e bom fim de semana.
Kovacs disse…
Leila Silva, a carta é pura literatura e concordo também que Sylvia Plath e Ana C. tinham muito em comum. Obrigado pela visita.
Kovacs disse…
Clara Lopez, o texto confessional está sempre presente no trabalho dela e é uma característica da boa literatura. Obrigado pela visita.
Kovacs disse…
Maria Augusta, justamente o que acho interessante nesta carta é o conflito entre emoções tão diferentes, variando da expectativa com os novos trabalhos até as crises emocionais. Obrigado pela visita.
Chico disse…
Kovacs, Ana Cristina e Caio Fernando sao duas figuras que marcaram uma geracao. Eh sempre um prazer encontra-los vivos. Abracos, Chico
Kovacs disse…
Chico, boa lembrança de Caio Fernando Abreu! Segundo Jacobo Machoever do "Le Magazine Littéraire", Caio "é como uma Clarice Lispector que tivesse ouvido muito rock´n roll e consumido algumas drogas, ele escreve pequenas jóias mortuárias, marcadas pela sexualidade particularmente crua de um Brasil despido de qualquer folclore".
Ana R. disse…
Que saudade!
A Ana deixou um vazio abissal....Me sinto próxima, muito próxima.
A coragem de viver apaixonadamente....
Tem esse livrinho aqui na estante, lógico! Com a carinha dela....
Anônimo disse…
Exatamente Kovacs. Jacobo acertou.... a situacao do camarada estranhado o seu entorno, estupefacto com o absurdo, do mundo regado a rock e algumas anfetaminas. A situacao do individuo numa grande cidade, sem folclore, quase sem passado, como numa tomada do win wenders. Isso eh o que se sente lendo o Morangos mofados - e que ja nao consigo ver mais no velho Noll - , um pouco o Sergio Santanna e tambem num cara que escreveu pouco mas de quem gosto muito, um mineiro chamado, Luiz Fernando Vieira (Aprendiz de feiticeiro).

A Ana Cristina eh um capitulo a parte. Essa carta eh belissima. Meu chapa, essa mulher tinha uma capacidade de nos transportar para outros mundos onde as palavras, mesmo descrevendo coisas absolutamente mundanas, tem uma leveza quase que similar ah dos sonhos.

Grande Abraco, Chico
Kovacs disse…
Ana, muito bem comentado, pois a coragem de viver apaixonadamente é uma premissa básica de toda boa literatura. Obrigado pela visita.
Kovacs disse…
Chico, o seu comentário merece uma postagem, obrigado por enriquecer o debate. Ontem reli alguns trechos de "Morangos Mofados" e a comparação é muito apropriada.

Quanto a Luiz Fernando Vieira ainda não conheço, mas já entrou na eterna lista dos meus futuros próximos livros.
Djabal disse…
A literatura está engajada com o belo, parece que a vida fica vestida a rigor para nos mostrar alguma coisa numa situação apropriada. As cartas mostram a vida em estado puro, sem roupa, sem preparo. Numa só se antevê todo o futuro, da mesma forma que aquela moedinha que foi chamada de Zahir.
Li as traduções dela, e certamente começarei sua obra pelas cartas. Obrigado pela dica, meu caro amigo. Um grande abraço.
Kovacs disse…
Djabal, a sua contibuição é sempre marcante por aqui, fico muito agradecido.

A observação no comentário é precisa: "As cartas mostram a vida em estado puro, sem roupa, sem preparo". Acho que poderia resumir assim as cartas de Ana Cristina.
Clara Lopez disse…
Oi, Kovacs, vc está bem? Anda sumido das suas páginas...:)
um abraço,
clara lopez
Kovacs disse…
Clara, muito grato pela preocupação, mas na verdade trata-se apenas de um agravamento da velha falta de tempo crônica devido a um curso da área profissional. Espero voltar à normalidade(?) em breve.
Diego Viana disse…
Grande poetisa. É uma pena que ela não seja mais conhecida... é estranho como são os melhores artistas que se suicidam, enquanto os medíocres ficam por aí, enchendo nossas orelhas!
Kovacs disse…
Diego Viana, concordo integralmente. Obrigado pela visita sempre bem vinda!
Olá!Adorei o blog por falar do meu assunto predileto: a arte da palavra.

Estava lendo a postagem sobre Ana Cristina César e Sylvia Plath, temáticas do meu projeto da pós-graduação.

Sempre que puder abra a sua cartola de conhecimento para nós.Abraço, Fernanda
Alexandre Kovacs disse…
Fernanda e Leonardo, obrigado pela visita e comentário!
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Postagens mais visitadas deste blog

Os melhores livros e resenhas de 2019

As 20 obras mais importantes da literatura brasileira

As 20 obras mais importantes da literatura portuguesa

As 20 obras mais importantes da literatura italiana

20 grandes escritoras brasileiras

As 20 obras mais importantes da literatura francesa