Erik Durschmied - Fora de Controle

história guerras
Erik Durschmied - Fora de Controle - Como o acaso e a estupidez mudaram a história do mundo - Editora Ediouro - 432 páginas - Tradução de Lólio Lourenço de Oliveira - Lançamento 2004.

Todas as guerras são absurdas e sem sentido, isto não é novidade para ninguém, mas o que certamente é muito pouco divulgado e discutido é a forma decisiva como fatores meramente casuais, erros de avaliação ou a simples postura egocêntrica de alguns generais e líderes políticos, definiram os vencedores e perdedores (se é que esses termos podem se aplicar, neste caso) e, consequentemente, boa parte da história. Nas palavras do autor: "muitas batalhas foram decididas por um capricho meteorológico, por um serviço de inteligência ruim (ou bom), por algum ato inesperado de heroísmo ou pela incompetência individual". A decisão de lançar a bomba atômica em Hiroshima em 6 de agosto de 1945, por exemplo, e não nas cidades de Kokura, Niigata ou Nagasaki se deveu à condição preferencial de nebulosidade daquele dia em Hiroshima. Esta decisão acarretou a morte instantânea de 140 mil civis.

O jornalista e historiador austríaco Erik Durschmied é, sem dúvida, uma autoridade neste assunto porque foi correspondente de guerra da BBC e CBS, cobrindo vários conflitos marcantes da história do século XX, como o Vietnã, Beirute, Irã e Iraque, só para citar alguns. Erik Durschmied ilustra o seu argumento descrevendo algumas das batalhas mais antigas da história, como Tróia e as Cruzadas, até chegar às guerras do século XX, o século que ficará marcado por duas guerras mundiais e o desenvolvimento das armas nucleares de destruição em massa. A queda do muro de Berlim, em 1989, mereceu um capítulo à parte e, como bem destacou o autor, talvez tenha sido a única batalha a ser decidida sem disparar um único tiro.

O texto de Erik Durschmied não tem a profundidade da análise política, econômica e histórica dos livros de Eric Hobsbawm, por exemplo, nem a beleza literária das descrições inesquecíveis da batalha de Waterloo de 1805 que Victor Hugo descreveu com detalhes em Os Miseráveis ou as batalhas de Napoleão no período de 1805 a 1813 que  Tolstoi utilizou como pano de fundo para seu romance Guerra e Paz mas, mesmo assim, este livro oferece uma excelente oportunidade de revisitar alguns dos eventos mais importantes da história universal de um ponto de vista objetivo e jornalístico.

Comentários

nostodoslemos disse…
Kovacs,
Sempre importante registrar a história humana, entretanto, será que temos tempo suficiente para leituras informativas, com tantas opções de literatura e tão pouco tempo?
Fazer uma faxina em nossas opções de leitura é uma necessidade, prioridade que devemos exercitar com frequência, e olha que falo de 'liberar' livros mesmo, para que novas outras possibilidades surjam.
Como disse um dia: melhor do que saber o que ler, é ter certeza do que não ler.
Alexandre Kovacs disse…
Lígia, este livro me fez pensar em como a história consegue ser muitas vezes mais fantasiosa e surpreendente do que a própria literatura.

Também como sempre digo por aqui a nossa lista de livros que merecem ser lidos é inesgotável (felizmente).
Olá , passei pela net encontrei o seu blog e o achei muito bom, li algumas coisas folhe-ei algumas postagens, gostei do que li e desde já quero dar-lhe os parabéns, e espero que continue se esforçando para sempre fazer o seu melhor, quando encontro bons blogs sempre fico mais um pouco meu nome é: António Batalha. Como sou um homem de Deus deixo-lhe a minha bênção. E que haja muita felicidade e saude em sua vida e em toda a sua casa.
PS. Se desejar seguir o meu blog,Peregrino E Servo, fique á vontade, eu vou retribuir.
Alexandre Kovacs disse…
António, obrigado pela visita e comentário.

Postagens mais visitadas deste blog

As 20 obras mais importantes da literatura brasileira

20 grandes escritoras brasileiras

As 20 obras mais importantes da literatura portuguesa

20 frases que mostram como o xadrez não é um jogo

As 20 obras mais importantes da literatura dos Estados Unidos

As 20 obras mais importantes da literatura francesa