John Banville - O Violão Azul

Literatura inglesa
John Banville - O Violão Azul - Editora Globo, Selo Biblioteca Azul - 272 Páginas - Tradução de Cassio de Arantes Leite - Lançamento: 20/10/2016.

O irlandês John Banville já é um nome consagrado na literatura contemporânea em língua inglesa, tendo vencido o Man Booker Prize em 2005 com o romance "O Mar" e os prêmios Franz Kafka (2011), PEN Award irlandês (2013) e Princesa das Astúrias (2015) pelo conjunto da obra, sendo repetidamente apontado como favorito ao Nobel de Literatura. 

"O Violão Azul", lançado originalmente em 2015, é um romance que comprova o rigor estilístico de Banville, assim como o cuidado de artesão com que escolhe cada palavra na condução do texto, neste caso uma narrativa confessional em primeira pessoa à partir do personagem Oliver Otway Orme, renomado pintor que se define logo de início como um "colecionador de bugigangas negligenciadas", ou seja, ele tem o hábito de roubar coisas de pouco valor. Ao mesmo tempo em que resume a prática como um vício constrangedor, Oliver não esconde um certo orgulho no domínio da "refinada arte da gatunagem", essa dicotomia ou flexibilidade de caráter do protagonista é que nos apresenta, logo de início, a grande oportunidade ficcional de um narrador nada confiável, no qual podemos — e devemos —  questionar todas as suas afirmações, tornando a leitura instigante.
"Agora, quanto ao tema da gatunagem, por onde começar? Confesso ficar constrangido com esse vício — vamos chamar de vício — pueril e, francamente, não sei por que o admito, a você, meu confessor inexistente. A questão moral aqui é delicada. Assim como a arte utiliza seus materiais absorvendo-os plenamente na obra, conforme assevera Collingwood — uma pintura consome a tinta e a tela, ao passo que a mesa é para sempre a madeira de que é feita —, do mesmo modo o ato, a arte, de roubar transforma o objeto roubado. Com o tempo, a maioria das posses perdem sua pátina, tornam-se baças e anônimas; roubadas, saltam de volta à vida, assumem o lustro da singularidade outra vez. Nesse sentido, o gatuno não estará fazendo um favor às coisas por intermédio de sua renovação? Acaso não empresta novo realce ao mundo polindo sua prata desdourada? Quero crer que terei apresentado os comentários preliminares de meu caso com força e persuasão suficientes, não?" (Pág. 22)
O hábito incomum de Oliver não parece causar maiores transtornos no seu cotidiano até que ele se apaixona por Polly, esposa do melhor amigo, Marcus, e decide "roubá-la" também — como sempre, tratando-se deste narrador, os sentimentos apresentam características muito peculiares e devem ser avaliados com ceticismo. O tom bem-humorado do romance vai ficando cada vez mais carregado de sarcasmo à medida em que a relação entre Oliver e Polly é descoberta por seus respectivos pares, outros problemas do protagonista acabam vindo à tona, transformando aos poucos a comédia em drama, fatos como a sua incapacidade de continuar pintando e as marcas decorrentes da morte da filha quando pequena.
"Polly não é nenhuma grande beldade. Ao dizer isso, não estou faltando com o cavalheirismo, assim espero; é melhor começar sendo franco, uma vez que pretendo seguir nesse tom, até onde sou capaz de franqueza. Claro que eu a achava, acho, absolutamente adorável. Tem formas generosas, mais para grandinha nas cadeiras — imagine a metade inferior delicadamente arredondada de um violoncelo tamanho infantil —, com um harmonioso rosto em forma de coração e cabelos castanhos, um pouco rebeldes. Seus olhos são realmente notáveis. Cinza-pálidos, parecem quase translúcidos e, conforme a luz, assumem um brilho de madrepérola. Exibem leve estrabismo, o que cria um eco encantador com a ligeira sobreposição de seus dois perolados dentes incisivos. Porta-se de um modo geral com placidez, mas seu olhar pode ser surpreendentemente penetrante, e seu tom, por vezes, é capaz de provocar uma ferroada e tanto, uma ferroada e tanto. Quase sempre, porém, conserva uma expressão cautelosa para um mundo onde não se sente inteiramente à vontade. Está sempre ciente de sua falta de verniz social — é uma moçoila do campo, afinal, ainda que sua família seja da fidalguia rota —, em comparação a minha composta Gloria, por exemplo, e é insegura em questões de etiqueta e comportamento apropriado. Foi um tanto comovente observar, naquela noite do Clockers, como a ocasião é informalmente chamada, o modo como, ao início de cada prato, relanceava rapidamente em torno da mesa e verificava qual talher o resto de nós escolhia antes de ousar levar a mão à faca, ao garfo ou à colher. Talvez seja aí que o amor comece, não em acessos súbitos de paixão, mas no reconhecimento e simples aceitação de, de - alguma coisa, sei lá o quê." (Pág. 12)
O núcleo limitado de personagens, formado por dois casais amigos (Oliver e Gloria, Marcus e Polly) permite ao autor aprofundar e explorar as nuances psicológicas de cada um com riqueza de detalhes. O texto é carregado de erudição com muitas citações a outras obras de literatura, à começar pelo título, uma referência ao poema "The man with the blue guitar" de Wallace Stevens, assim como uma seleção cirúrgica e original de substantivos e adjetivos, o que torna o livro um desafio para qualquer tradutor, Cassio de Arantes Leite se saiu muito bem na tarefa.
"Eu nunca teria imaginado que a criança ficara conosco tempo suficiente para fazer sua presença, ou antes sua ausência, ser tão fortemente sentida. Ela era tão nova, se foi tão cedo. Sua morte provocou um amortecimento geral em nossas vidas, a de Gloria e eu; alguma coisa em nós morreu junto com ela. Não é bem uma surpresa, sei disso, e não é bem uma exclusividade nossa; crianças morrem o tempo todo, levando consigo parte do eu de seus pais. Nós  e nesse caso acho que posso falar tanto por Gloria como por mim , nós tínhamos a impressão de estar diante da porta da casa sem a chave, batendo e batendo sem escutar nada ali dentro, nem sequer o eco, como se a casa toda houvesse sido enchida até o teto com areia, com barro, com cinzas." (Pág. 104)
Postar um comentário
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Postagens mais visitadas deste blog

As 20 obras mais importantes da literatura brasileira

Vencedores do Prêmio Jabuti 2018

As 20 obras mais importantes da literatura portuguesa

As 20 obras mais importantes da literatura italiana

As 20 melhores utopias da literatura

20 grandes escritoras brasileiras