Isabor Quintiere - Rituália

Literatura brasileira contemporânea
Isabor Quintiere - Rituália - Editora Caos & Letras - 144 Páginas - Arte de Capa: Eduardo Sabino - Diagramação e Ilustração: Cristiano Silva - Lançamento: 2023.

Os contos de Isabor Quintiere apresentam um estilo próprio com base em influências da literatura fantástica, do realismo mágico e até mesmo da ficção científica, porém não se enquadrando em nenhuma dessas categorias. Talvez a referência mais próxima para entender o trabalho da autora seja a escola literária argentina do fantástico, consagrada por Jorge Luis Borges, Adolfo Bioy Casares, Julio Cortázar, Silvina Ocampo e, mais recentemente, Samanta Schweblin. De qualquer forma, além do estilo, o leitor encontrará em Rituália uma característica que une a obra de todos esses autores, a busca pela representação daquela coisa que existe dentro de nós e que não tem nome mas, como já dizia José Saramago, é o que verdadeiramente somos.

Uma característica marcante de Isabor Quintiere é a de construir mundos paralelos ao nosso cotidiano, regiões nas quais o leitor é envolvido em uma espécie de terror psicológico, sem saber exatamente o limite entre a realidade e a ilusão. Em "Os novos residentes" por exemplo, o protagonista cego mora sozinho em uma grande casa na qual conhece os mínimos detalhes por meio do toque de suas mãos, mas ruídos estranhos e pequenas alterações nos ambientes o fazem constatar que há algo muito errado com a sua residência segura até então. Já em "Atrás da porta", conto inical do livro, pai e filha convivem em harmonia até que os questionamentos da menina sobre a ausência da mãe, que vive isolada e incomunicável em um dos cômodos, perturbam a rotina.

"Ali está ela: Gilvânia, há duas décadas rainha absoluta da praça do Centro. Chega logo cedo, quando mesmo o sol ainda luta para despertar, e se instala em seu pequeno palco quadrado feito de cimento, com o corpo e as roupas tingidos de bronze. Tão logo o comércio dá indícios de abrir e o povo começa a se avolumar nas proximidades, ela já está a postos na pose do dia: ora representa uma senhorinha humilde, apoiada em sua bengala, ora senta-se e parece contemplativa, ora ousa mais e deixa os braços erguidos para o céu com um sorriso permanente no rosto. Independentemente da performance escolhida, os passantes se alegram ao vê-la e, como se cumprindo uma rotina, sempre tentam detectar todos os seus mínimos movimentos – em vão, pois Gilvânia se aperfeiçoou na arte de ser estátua. Dela não se vê escapar qualquer suspiro." (p. 107) - Trecho do conto Estátua!

No entanto, o leitor pode ser surpreendido por um delicioso conto como "Vagarosa", no qual é narrada a biografia de uma inusitada protagonista chamada Dorotéia, na verdade uma tartaruga que sobrevive a gerações de uma mesma família, alheia à extinção de sua própria espécie. Já no ótimo e bem-humorado "O verbo", o mundo  está a um passo da catástrofe quando Volkof, um jovem comum da antiga União Soviética, que mal sabe manter os cadarços amarrados, precisa se decidir sobre o lançamento de mísseis balísticos intercontinentais em resposta a um suposto ataque nuclear durante a Guerra Fria: "Uma única palavra surge no quadro de horror que se desenha no painel, uma incontestável e dominante, a pior palavra da história linguística, a palavra-pária: LANÇAR."

"Josélia Segunda não tinha nada de precioso na vida além da memória do dia em que o mar brotou do chão rachado de sua terra. / Havia sido um ano terrível, onde o verde rapidamente cedeu seu lugar à secura e os únicos pássaros que se via sobrevoar aquela terra esquecida por Deus eram urubus. Não se ouvia o mugido das vacas ou os cascos das cabras, agora todas se desfazendo por intermédio dos vermes. Josélia Segunda, a mais velha dos cinco filhos de Sebastiana e José Bento, percebia os ossos de seus irmãos ficando cada dia mais nítidos sob a pele e chegava a temer que saltassem para fora, ficassem expostos à sujeira e ao vento. Ela não teria conhecimento médico suficiente para colocar os ossos de volta na pele se isso acontecesse, e então? O que seria do menorzinho, Agnaldo, por exemplo? Iria morrer com o esqueleto todo pra fora? Quando expôs esse temor ao pai, ele riu uma risada seca, respondeu que todo mudo morre com o esqueleto pra fora e passou o resto do dia calado, sem olhar para os filhos." (p. 125) - Trecho do conto O fazedor de dilúvios

Em "A serenata dos procariontes", encontramos um exercício de ficção científica fora dos padrões normais, no qual um "planeta de microcoisas" pode representar a esperança de um futuro para o universo: "Os nativos não serão capazes de se alegrar com os ritmos cósmicos que um dia, há milhares de anos, despertaram algo nos pés e nas palmas das mãos dos homens. Esses seres não poderão conceber a ideia de pés ou palmas das mãos, muito menos de homens; serão capazes apenas de manterem-se vivas, como máquinas orgânicas, mas é assim que tudo mais de engenhoso geralmente começa: mantendo-se vivo."  Seja qual for o estilo, Isabor Quintiere sabe como manter o domínio narrativo e a atenção do leitor. Um livro recomendado e uma autora para se acompanhar nos próximos anos.

"Em uma data incalculável, porque já não existirá alguém para calculá-la, um objeto cortará a atmosfera de um exoplaneta não-classificado e cairá com um baque surdo em algo que aqui chamaríamos de praia, mas que ali não possuirá nome, como todas as demais coisas não possuirão. Naquela terra sem nomes e sem países, o objeto afundará na areia e passará alguns longos dias e algumas longas noites inteiramente só. Não será difícil; já estará bem acostumado à solidão. Ali, ao menos, ainda repousará na companhia do som das ondas. Ele terá passado os últimos milhares de anos envolto por silêncio, exceto pelas músicas que repetirá infinitamente para si mesmo e para quem, naquele grande mar negro, puder estar ouvindo." (p. 137) - Trecho do conto A serenata dos procariontes

Literatura brasileira contemporânea
Sobre a autora: Isabor Quintiere nasceu em João Pessoa, na Paraíba. Graduada e mestra em Letras pela UFPB, é autora do livro de contos "A cor humana", publicado em 2018 pela Editora Escaleras. Isabor encontra inspiração para sua prosa principalmente na literatura fantástica latino-americana e na ficção científica. Desde sua estreia, tem publicado contos em coletâneas e revistas diversas, atuando também como roteirista de histórias em quadrinhos com "Jogo de Sombras" (2021). Em 2019, recebeu o Prêmio Odisseia de Literatura Fantástica por seu conto "Madres", que foi transformado pela autora em roteiro e adaptado para o cinema após seleção no Prêmio Aldir Blanc de 2020.

Onde encontrar o livro: Clique aqui para comprar Rituália de Isabor Quintiere

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

20 grandes escritoras brasileiras

As 20 obras mais importantes da literatura brasileira

As 20 obras mais importantes da literatura portuguesa

As 20 obras mais importantes da literatura francesa

As 20 obras mais importantes da literatura dos Estados Unidos

As 20 obras mais importantes da literatura japonesa