Júlio César Bernardes - Onde as verdades nascem

Literatura brasileira contemporânea
Júlio César Bernardes - Onde as verdades nascem - Editora Patuá - 132 Páginas - Capa e Projeto Gráfico: Roseli Vaz - Ilustrações: Dani Olivie - Lançamento: 2022.

Em regiões não precisamente localizadas no tempo e no espaço, porém longe dos grandes centros urbanos brasileiros, os contos de Júlio César Bernardes em seu livro de estreia oscilam entre o realismo mágico, o fantástico e o regionalismo, não se enquadrando de fato em nenhum desses estilos. Na verdade, o autor assume a sua vocação de bom contador de histórias, uma posição carente na nossa literatura atual que algumas vezes se descuida do entretenimento do leitor na busca por renovação e utilização de técnicas experimentais. Nas narrativas de Onde as verdades nascem identificamos alguns dos desafios de um país que precisa resolver suas antigas questões históricas para equilibrar desenvolvimento econômico e justiça social.

No conto de abertura, As Pestes de Aciratuba do Oeste, Cassandra é uma vidente que prevê a devastação da cidade por um incêndio de proporções colossais. Em pouco tempo, todos comprovam o acerto da profecia quando o cerco das chamas provoca outras catástrofes, como a invasão de insetos, serpentes e animais em fuga, assim como a interrupção do fornecimento de alimentos e remédios para o município. Em meio ao caos, os cidadãos se arrependem de terem ridicularizado Cassandra, passando a implorar à vidente, juntamente com as autoridades locais, que ela utilize os seus dons premonitórios para a salvação de todos. O conto de inspiração bíblica nos faz refletir sobre as queimadas que assolam a região Centro-Oeste e a falta de ações governamentais para preservação ambiental.

"Que apesar de ser boa vidente podiam ignorá-la, mesmo caso tratasse dos fatos mais óbvios, era coisa que Cassandra, pela experiência, deveria saber. Mas acontecera só uma vez e seu histórico de premonições concretizadas, desde então, apenas crescera, engordando-lhe a reputação e o bolso, melhores remédios para a frustração. E antevia, com efeito, o porvir, de quem quisesse e qualquer que fosse, mirando búzios, palmas de mão, borras de café, cartas e tudo mais que pudesse não fazer sentido. A fortuna habita o que não tem rumo, dizia, enigmática, e toda errância é estrada pro além, como todo rio dá no mar. Por isso seu recurso predileto era também o mais inconstante: a fumaça. Deleitava-se com a dança inebriante que subia da fogueira de sua sala, aquela vida enorme e sem corpo cuspida pela palha e pelo bagaço de cana, volteando como uma cortina cujas frestas deixavam entrever fragmentos da posteridade. Fora na fumaça que ela vira as coisas mais fantásticas e as mais fúnebres, e foi na fumaça que viu, naquela tarde, o fogaréu impiedoso que circundaria e devastaria a pequena cidade de Aciratuba do Oeste." (p. 10) - Trecho do conto As Pestes de Aciratuba do Oeste

Já em Josué e a Baleia, a carcaça de uma baleia azul encontrada entre as garrafas quebradas e latas amassadas espalhadas pela praia, logo se transforma em abrigo para um morador de rua. A tranquila localidade, em algum ponto do litoral brasileiro, se transforma em ponto de interesse de toda a mídia nacional e internacional, atraindo muitos curiosos. O interesse científico em analisar a ossatura da baleia é prejudicado pela presença do indesejado morador que precisa ser desabrigado, mas como se livrar de Josué sem contrariar a opinião pública? Um intenso debate se estabelece em postagens compartilhadas nas redes sociais para definir o futuro de Josué e sua inusitada residência, afinal um verdadeiro patrimônio da história natural.

"Apesar de toda a fé com que, noite após noite, ao longo de oito anos, ele rogou por um teto sob o qual dormir, e da certeza inabalável de que suas preces seriam atendidas em algum momento, jamais ocorreu a Josué que o presente divino, quando entregue, pudesse ser tão peculiar e precioso como o que encontrou naquela manhã, quando os primeiros raios de sol, já cintilando nas garrafas quebradas e nas latas amassadas espalhadas pela praia, deixaram de iluminar seu rosto curtido por terem esbarrado nas monumentais costelas de uma baleia azul. / A ossatura colossal, com vinte e sete metros de comprimento por quatro de altura, ria da insignificância das coisas terrestres, de coqueiros, palmeiras e postes, e de uma ponta a outra da baía se via sua brancura estonteante, cultivada por um século nas profundezas da Antártica. Não era à toa, pois, que um grupo considerável de turistas já se encontrasse no local, estupefato com o inusitado espetáculo, quando Josué acordou. O que não se explica tão facilmente é que nenhum dos curiosos tenha se aventurado pelo que um dia foram as entranhas do glorioso mamífero, como se reconhecessem, desde então, a natureza privada do terreno demarcado pela carcaça." (p. 42) - Trecho do conto Josué e a Baleia

Em Portal do Paraíso, um delegado investiga o misterioso aparecimento de cabeças decepadas de bonecas penduradas pelos cabelos às fiações dos postes de uma comunidade carente: "Ele vivia se perguntando por que as regiões mais pobres da cidade insistiam em apresentar os nomes mais bonitos. [...] E agora Pereira não conseguia imaginar o paraíso sem cabeças de anjos expostas, suspensas pelos cachos, igualmente loiras e alegres, recebendo os convidados celestiais." Na falta de explicação para o ocorrido, resta ao delegado interrogar Dona Nandinha, uma das moradoras mais antigas, contudo ela insiste que o fenômeno não é decorrente da ação de pessoas e insiste na sua versão fantástica: "O morro tá se livrando do que não é daqui".

"As cabeças balançavam penduradas nos postes. Entre chuteiras falsas e carcaças de pipas, os fios de nylon refletiam a luz morna das lâmpadas públicas. Os olhos vítreos contemplavam o bairro sem piscar, de cima para baixo, de baixo para cima, guiados pela brisa. Os sorrisos escancarados, que bem podiam ser irônicos, ignoravam a imperfeição do morro. Fora há uns dez dias que chegara aos ouvidos de Pereira, delegado do distrito, o primeiro relato. Ele não dera atenção, claro, pois seria absurdo mobilizar o regimento porque um garoto decidira pendurar bonecas nos fios de eletricidade. Algumas coisas a rua deve resolver por si só. Mas uma nova queixa surgiu alguns dias depois, denunciando uma dúzia de cabeças, e no dia seguinte outra, relatando já umas trinta bonecas, progressão que continuou ao longo da semana. Quando, naquela noite, Pereira resolveu visitar o local, encontrou centenas de pequenos rostos de plástico decorando as ruas." (p. 72) - Trecho do conto Portal do Paraíso

Literatura brasileira contemporânea

Sobre o autor: Júlio César Bernardes nasceu em 1993, em Jacareí-SP, e mora há dez anos em São Paulo. É formado em Relações Internacionais e em Linguística e é mestre em Sociologia pela Universidade de São Paulo. Participou da Antologia Poética LiteraturaBr, tem contos publicados em revistas digitais e foi finalista do prêmio Nascente, promovido pela USP.

Onde encontrar o livro: Clique aqui para comprar Onde as verdades nascem de Júlio César Bernardes

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

As 20 obras mais importantes da literatura japonesa

As 20 obras mais importantes da literatura francesa

As 20 obras mais importantes da literatura italiana

20 grandes escritoras brasileiras

As 20 obras mais importantes da literatura dos Estados Unidos

As 20 obras mais importantes da literatura brasileira