Maryse Condé - O fabuloso e triste destino de Ivan e Ivana

Literatura contemporânea
Maryse Condé - O fabuloso e triste destino de Ivan e Ivana - Editora Record - Selo Rosa dos Tempos - 238 Páginas - Tradução de Natalia Borges Polesso - Prefácio de Djamila Ribeiro - Lançamento: 2024.

A literatura de Maryse Condé tem uma forte orientação política, lidando com diferentes aspectos da diáspora negra e problemas contemporâneos, tais como: racismo, desigualdades sociais e econômicas, feminismo, migração e terrorismo. Nascida em Guadalupe, conjunto de ilhas no Caribe, considerado um departamento ultramarino da França, estudou em Paris, obtendo um doutorado em Literatura Comparada na Sorbonne e lecionando depois em várias universidades nos EUA, residiu também na Guiné Equatorial, na África. A sua obra reflete, portanto, uma visão globalizada das consequências de um pós-colonialismo que nega a hegemonia eurocêntrica como modelo civilizatório único, valorizando as contribuições culturais dos países periféricos.

Este romance, lançado originalmente em 2017 – quando a autora completou 80 anos – tem como base a história dos irmãos gêmeos Ivan e Ivana e o seu estranho amor, incondicional e subversivo. Nascidos em Dos d´Âne, um vilarejo pobre em Guadalupe, percorrem uma trajetória similar à da autora, um longo caminho do Caribe à África e à Europa. Com personalidades muito distintas, os irmãos precisam vencer, cada um ao seu modo, as barreiras do racismo e da desigualdade social. Ivana é sensível e estudiosa, porém Ivan se revolta e adota uma postura radical que o levará ao terrorismo jihadista. Os personagens são conduzidos por um destino trágico que não podem controlar, assim como a paixão proibida que sempre os manteve juntos.

"Como se obedecesse a um sinal, uma força invencível cerca os gêmeos. De onde ela vem? O que ela quer? Eles tinham a impressão de estar brutalmente virados de cabeça para baixo, obrigados a deixar a guarida tépida e plácida na qual tinham vivido por semanas. Um cheiro horrível tomava suas narinas pouco a pouco, enquanto faziam essa descida forçada, cheiro que era como uma mixórdia pútrida. O que tinha um botão entre as pernas precedendo outra, menor, menos formada e cujo sexo era cavado com uma grande cicatriz. Ele abriu passagem com cabeçadas pelo corredor apertado, cujas paredes se afastavam lentamente. / Naquele momento, um único acontecimento tinha embelezado o tempo. Estar um junto ao outro constituía em seu principal hábito. Não tinham experimentado nada a não ser estarem bem próximos e respirarem o cheiro ácido, mas agradável, que os envolvia por todos os lados. A guarida onde haviam passado longas semanas estava escura. Nenhuma luz. No entanto, era porosa para todos os barulhos. Em meio aos sons que recebiam, acabaram por reconhecer um e compreenderam que ele vinha daquela que os carregava. Doce, melodioso, sempre igual a si mesmo, derramava sobre eles sua plenitude harmônica. Por vezes, se alternava com outros, mais agudos, menos íntimos e agradáveis. De repente, surgia em alguns momentos, uma verdadeira algazarra, um concerto de sonoridades confusas e metálicas." (pp. 13-4)

Em uma entrevista recente ao Guardian, Maryse Condé declarou que uma das principais inspirações para o romance foi o assassinato de uma policial martinicana por um terrorista da República do Mali durante o ataque à redação do jornal Charlie Hebdo em Paris, 2015, por uma charge supostamente ofensiva ao Islã. Contudo, o radicalismo político e religioso que resulta em atentados terroristas é apenas um dos temas abordados nesta obra complexa e poderosa. A autora nos faz pensar sobre a fronteira entre o que é humano ou desumano nos dias de hoje, um limite muito frágil que pode ser facilmente manipulado pelo preconceito e intolerâncias de raça ou gênero.  

"Ivan e Ivana desembarcaram no aeroporto de Roissy numa manhã que, aos seus olhos ainda incendiados pelas cores do Mali, pareceu cinza e suja. Muito embora fossem os primeiros dias de setembro, ainda fazia bastante frio. Por sorte, uma de suas "mães" da vila dos Diarra tinha tricotado para eles alguns suéteres aconchegantes, infelizmente, de um chocante verde-espinafre para Ivan e de um rosa-salmão para Ivana. Hugo, um primo do Pai Michalou, que por muito tempo apertou os parafusos nas fábricas de automóveis da ilha de Seguin e agora desfrutava de uma magra aposentadoria, veio para ajudá-los. Ele tinha muito orgulho de ter um carro, um Ford de um modelo antediluviano que ainda rodava com alegria. Ao sair do aeroporto, eles rodaram ao longo de uma estrada já cheia de veículos. Depois de um túnel, entraram em Paris. Ivan e Ivana nunca tinham visto prédios tão altos e enegrecidos, maciços, formando ao longo da calçada uma formidável muralha. Plantadas em intervalos de distância regulares, as lâmpadas emitiam uma luz fantasmagórica e amarelada. Apesar de muito cedo, as ruas não estavam desertas. Já havia homens e mulheres e até mesmo crianças se dirigindo até a boca do metrô, enquanto os carros lúgubres como rabecões se impacientavam diante dos sinais vermelhos. Essa atmosfera pouco convidativa penetrava bem no fundo do coração. Ivan, que não gostava de Kidal, imediatamente sentiu que não gostaria de Paris. Por que esse epíteto de Cidade Luz que lhe fora atribuído? Se lembrou que o Pai Michalou a comparou a uma bela odalisca que fulminava aqueles que a admiravam." (pp. 149-50)

Literatura contemporânea
Sobre a autora: Maryse Condé (Guadalupe, 1934) é professora emérita de francês e filologia românica nas universidades de Columbia e Harvard. É autora de mais de vinte livros de diversos gêneros literários. Em 2018, recebeu o Prêmio New Academy de Literatura, láurea criada como alternativa ao Prêmio Nobel, suspenso naquele ano após denúncias de violência sexual envolvendo integrantes da instituição. Em 2021, foi agraciada com o Cino del Duca, principal premiação francesa destinada a reconhecer os maiores responsáveis pela divulgação de ideias humanistas. No Brasil, o Selo Rosa dos Tempos da Editora Record publicou também seus romances Eu, Tituba: bruxa negra de Salem e O evangelho do novo mundo.

Onde encontrar o livro: Clique aqui para comprar O fabuloso e triste destino de Ivan e Ivana de Maryse Condé

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

As 20 obras mais importantes da literatura japonesa

As 20 obras mais importantes da literatura francesa

20 grandes escritoras brasileiras

As 20 obras mais importantes da literatura italiana

As 20 obras mais importantes da literatura portuguesa

As 20 obras mais importantes da literatura dos Estados Unidos