Umas flores no meio do caminho - "Dia D"

Carlos Drummond de Andrade

Mais uma vez é chegado o momento de comemorar o aniversário do poeta Carlos Drummond de Andrade (1902 - 1987). O “Dia D” foi criado com este objetivo no ano passado em uma iniciativa do Instituto Moreira Salles, coordenada pelo poeta Eucanaã Ferraz e pelo jornalista Flávio Moura, co-curador da homenagem a Drummond na Flip 2012. Estão previstos diversos eventos em Brasília, Belo Horizonte, Itabira, Lisboa, Paraty, Porto Alegre, Rio de Janeiro e São Paulo.

Ausência
(Carlos Drummond de Andrade)

Por muito tempo achei que a ausência é falta. 

E lastimava, ignorante, a falta.
Hoje não a lastimo. 
Não há falta na ausência. 
A ausência é um estar em mim. 
E sinto-a, branca, tão pegada, aconchegada nos meus braços, 
que rio e danço e invento exclamações alegres, 
porque a ausência, essa ausência assimilada, 
ninguém a rouba mais de mim.

Comentários

Anny disse…
Ah, que bom lembrar dele. Obrigada!
E este poema é uma pintura em palavra.

Bom fim de semana!
Anny.
Letícia Alves disse…
Drummond é muito bom!
Vamos lembrar sempre!
Grata pela lembrança!
Alexandre Kovacs disse…
Anny, obrigado pela visita!
Alexandre Kovacs disse…
Oi Letícia, obrigado por comentar!
Bia Machado disse…
Ele é o meu poeta brasileiro preferido, desculpe-me o Quintana... =)
O poema Ausência aqui mencionado, foi feito por Drummond à também poeta Ana Cristina Cesar. No livro que tenho dela intitulado "Inéditos e Dispersos", tem o manuscrito original do poeta, no qual ele diz na dedicatória: "Com o pensamento em Ana Cristina". Aliás, um dos poemas dele que mais gosto, principalmente, porque capta a identidade inquieta e libertária da nossa poeta-suicida.

Sempre bom vir aqui!

Abraços,

Fernanda
Ligia Guedes disse…
Infância
(A Abgar Renault)

Meu pae montava a cavallo, ia para o campo.
Minha mãe ficava sentada cosendo.
Meu irmão pequeno dormia.
Eu sosinho menino entre mangueiras
lia a historia do Robison Cruzoé,
comprida historia que não acaba mais.

No meio dia branco de lluz uma voz que aprendeu
a ninar nos longe da senzala - e nunca se esqueceu
chamava para o café.
Café preto que nem a preta velha
café gostoso
café bom.

Minha mãe ficava sentada cosenso
olhando para mim:
- Psiu... Não acorde o menino.
Para o berço onde pousou um mosquito.
E dava um suspiro... que fundo!

Lá longe meu pae campeava
no matto sem fim da fazenda.

E eu não sabia que minha historia
era mais bonita que a do Robinson Cruzoé.


(Alguma Poesia - O livro em seu tempo - organização Eucanaã Ferraz)
Alexandre Kovacs disse…
Bia, diputa muito difícil essa: Mario Quintana X Carlos Drummond de Andrade. Não arrisco um palpite...
Alexandre Kovacs disse…
Fernanda, se tiver tempo e interesse tenho essas postagens sobre Ana Cristina Cesar aqui no blog:

http://mundodek.blogspot.com.br/2008/08/ana-cristina-cesar.html

http://mundodek.blogspot.com.br/2007/03/sylvia-plath-ana-cristina-cesar.html#
Alexandre Kovacs disse…
Lígia, obrigado por comentar, esta poesia também é muito linda.
Eu já vi estes links, gostei muito.;D

Minha dificuldade com Ana Cristina Cesar é encontrar o motivo do seu suicídio. Talvez porque ela não era tão entregue quanto a Sylvia.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Postagens mais visitadas deste blog

As 20 obras mais importantes da literatura brasileira

As 20 obras mais importantes da literatura portuguesa

As 20 obras mais importantes da literatura italiana

As 20 obras mais importantes da literatura francesa

As 20 obras mais importantes da literatura dos Estados Unidos

20 grandes escritoras brasileiras