Simone Teodoro - Também estivemos em Pompeia

Poesia brasileira contemporânea
Simone Teodoro - Também estivemos em Pompeia - Editora Patuá - 120 Páginas
Ilustração, Projeto gráfico e Diagramação de Leonardo Mathias - Lançamento: Julho/2019.

Em seu terceiro livro de poemas, depois de Distraídas Astronautas (Patuá, 2014) e Movimento em Falso (Patuá, 2016), Simone Teodoro volta a expressar o sentimento do poeta em permanente estado de inadequação em seu tempo e espaço, tristeza e solidão. Afinal, como não ser triste "Quando os brutos / chupam o tutano das costelas dos mansos / em mesas fartas?", ou ainda "Quando os simples / são atirados em compactadores de lixo / quando o chorume é o cheiro do mundo?" (O Baú I, p.45). No entanto, a literatura é uma forma de resistir.

Lendo os poemas de Simone, escuto os ecos dos gritos de outras mulheres no passado que também souberam transformar a dor em poesia, mulheres como Sylvia Plath, Elizabeth Bishop, Ana Cristina Cesar e Hilda Hilst, assim como a influência da tradição poética nas raízes do simbolismo francês nos versos de mestres como Rimbaud, Verlaine e Baudelaire. Não é pouca coisa. Adriane Garcia lembra, na apresentação do livro, como escrever sobre a dor pode significar também uma forma de libertação, que assim seja então.

          Exortação a uma Loba Filhote

          Não chore
          pequena Loba
          pelos teus pássaros apodrecidos

          Nem enlouqueça quando os vermes
          violarem o azul de teu verão mais bonito

          É da natureza dos muros
          existirem para atrair o musgo
          assim como o sentido da chuva
          é engendrar a lama
          para decompor a vida

          Apenas golpeie

          com punhos
          ou rosas
          golpeie

          Não se esquive de causar assombro
          como um trecho de sinfonia

          E acima de tudo
          goze
          pequena Lobo

          como se
          inteiro
          um sol ardesse
          em teu
          útero

Não se espante com as múltiplas referências que podem abranger desde uma conversa com Drummond, intercalada com uma canção de Morrissey no mesmo poema (Cheiro forte de ferro e náusea, p. 59), até uma homenagem ao grande prosador surrealista (e tão esquecido) Murilo Mendes: "Nunca soube andar só, Murilo / Minha existência tem sido / um tropeçar contínuo / em linhas emaranhadas de / mapas desfeitos" (Mapa para Murilo Mendes, p. 97). 

É difícil interromper a leitura do livro que guarda uma estrutura encadeada em cinco partes, até chegar ao poema final: Também estivemos em Pompeia (p. 115). Uma poesia rica de imagens e metáforas que nos surpreende e ensina, como o pulo de um gato quântico e bailarino.

          E pelos ares lá vai o gato

          E pelos ares lá vai o gato

          Sobrevoa os cumes do meu delírio

          Unhas em riste

          Atravessa a fímbria
          da noite antiga
          que adorna minha tristeza

          (Que nome de vento

          batizou seus ossos?)

          E pousa

          Sinuoso paraquedista
          arrepiada envergadura de coluna inflada

          Pousa o silêncio

          no telhado
          que mesmo partido
          jamais se moverá
          sob a eletricidade de suas patas

          (Que o gato aterrisse

          também
          suave assim no meu peito
          Que o veludo do gato vede
          esta assassina sinfonia de colisões)

          E quando eu estiver caindo

          que o gato
          (quântico bailarino)
          me ensine
          a insultar o abismo
          com um passo de dança.

Em Tennessine (p. 33), a poeta nos alerta como somos brilhantes "na tarefa de empilhar rancores", assim como "na organização das decepções / e na contabilidade diária das perdas" quando, na verdade, deveríamos saber "que luz é só uma pausa / Porque o fim / é logo ali". Lindo não é mesmo? Uma mensagem importante para tempos sombrios, nos quais só a luz da poesia, mesmo que momentânea, pode nos salvar. Simone Teodoro escreveu um livro muito oportuno, forte e engajado com a liberdade e a felicidade.

Poesia contemporânea brasileira
Sobre a autora: Simone Teodoro nasceu em Belo Horizonte em 1981. Define-se como uma leitora compulsiva de poesia, mestra e doutoranda em Literatura Brasileira pela UFMG. Há textos seus publicados em algumas revistas literárias eletrônicas brasileiras, como Mallarmagens, Germina e na portuguesa Incomunidade. Publicou também no Suplemento Literário de Minas Gerais e no jornal O Relevo. Participou da exposição Poesia agora, que esteve em cartaz no Museu da Língua Portuguesa em 2015. Mantém o blog Cálida Poesia cobrindo a sua produção poética no período de 2006 a 2016. É autora dos livros de poemas Distraídas Astronautas (Patuá, 2014) e Movimento em Falso (Patuá, 2016). Simone é poeta, guarda pássaros na garganta e alguma pólvora dentro dos ossos.

Comentários

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Postagens mais visitadas deste blog

As 20 obras mais importantes da literatura brasileira

As 20 obras mais importantes da literatura portuguesa

As 20 obras mais importantes da literatura italiana

As 20 obras mais importantes da literatura francesa

20 grandes escritoras brasileiras

Vencedores do Prêmio Jabuti 2019