Sérgio Fantini - Quarenta

Poesia brasileira contemporânea
Sérgio Fantini - Quarenta - Editora Pulo - 114 Páginas - Projeto Gráfico e Capa de Jão sobre fotos de Ricardo Laf - Lançamento: Maio/2019.

Era uma vez uma época, antes da internet e redes sociais, na qual os recursos de autopublicação e divulgação eram praticamente inexistentes fora do circuito das grandes editoras. Durante a década de 1970, muita poesia foi publicada por meio de fanzines ou em pequenas edições de baixo custo, datilografadas e mimeografadas, o que permitiu a circulação de textos originais e o surgimento de um movimento que passou a ser conhecido como geração mimeógrafo, ou poesia marginal, por ter se desenvolvido à margem do sistema de publicação tradicional.

O poeta mineiro Sérgio Fantini foi um desses desbravadores da poesia marginal no Brasil e este livro resgata quarenta anos da sua produção poética desde 1979, com uma seleção de poemas de seus oito livros e memórias sobre uma época pré-internet que acaba se confundindo com a história do nosso país nas quatro últimas décadas. Fica flagrante, ao longo da leitura, o amadurecimento da técnica em cada livro, mas a emoção sempre esteve lá, pulsando em cada verso, desde a primeira publicação, No lar dos inseguros (1979): "Eu grito. / Meu grito é mudo / e todos somos uma só mudez. / Somos mudos e encarnamos o silêncio. / Um silêncio bastante parecido com a estupidez."

Tenho vontade de morrer
cada vez que não te tenho
e minto
achando belo o que é feio
e achando linda essa saudade

Tenho vontade de morrer

cada vez que não te tenho
e sinto
sinto muito mesmo não te ter
e penso se a vida não seria mais colorida
se você estivesse comigo

Tenho vontade de morrer

cada vez que não te sinto
e tenho que relembrar
que já tive um dia
você em meus braços

(Tínhamos o vento

companheiro incansável
que penteou tantas vezes
e por tantos caminhos
nossos cabelos)

Quero morrer toda vez que não te tenho

e essa saudade me machuca a todo instante
– saudade de você

Quero morrer sempre que não te tenho

porque essa saudade vem como pedra
e atinge em cheio minha cabeça
porque essa cantiga vem como faca
e rasga profundo meu coração

Tudo fica como é

eu não te tenho e morro
e morro toda vez que não te tenho

As novas gerações de poetas ganham, portanto, uma boa oportunidade de conhecer um pouco mais sobre esse tempo romântico no qual escrever e divulgar poesia era ainda mais difícil do que é hoje. O próprio Sérgio Fantini explica o processo de divulgação boca a boca na introdução, A estrada da poesia (até aqui chegamos): "Até 1982, os leitores recebiam com prazer e surpresa a novidade que éramos levando-lhes nossos livros autorais, mas, com a chegada às ruas de poetas que tinham com esse público uma relação apenas comercial e inamistosa, o acolhimento se perdeu. Passei a fazer uma quantidade menor de exemplares sem a preocupação de vendê-los. Isso significou abandonar uma prática quase diária de sair de casa com uns vinte livros na capanga e rodar bares do Maletta no Centro, filas de cinema e teatro. Não havia lucro, o máximo que conseguia era pagar algumas cervejas ou garimpar sebos no dia seguinte. Porém, melhor que cervejas e livros era o contato com as pessoas. [...]"

O poema Depoimento, incluído no livro Bakunin, publicado em 1983, representa muito bem esse espírito do poeta maldito que escreve versos tão lindos quanto: "Quero ser sincero / como a lua que nunca é igual / mas é sempre a mesma." para concluir com a provocativa e perturbadora declaração: "Não tenho classe, moral, educação / e se entrei no sistema, foi sem querer. // Sou como o pássaro que caga em pleno voo / despreocupado / com o rumo que a merda possa tomar." Poesia que se preza é assim, não tem rédeas e nem cartão de ponto.

DEPOIMENTO 

Não sou santo

nem tenho queda pra anjo.
Meu forte não é bondade ou concessão.
Não sou simpático
nem faço questão de sê-lo.
Não tenho inimigos
mas não será por medo
ou sentimento medíocre parecido
que deixarei de tê-los.
Quero ser sincero
como a lua que nunca é igual
mas é sempre a mesma.

Fantasiar as palavras

encobrido-as com a seda do medo
ou amaciando-as com o algodão da meia verdade?
Não sou bonzinho.

Quero ser pornográfico

enquanto não quiserem que eu seja pornográfico.
Sou teimoso feito mula.
Pasto em hora errada.
Ser gentil é puxar saco com classe.
Não tenho classe, moral, educação
e se entrei no sistema, foi sem querer.

Sou como o pássaro que caga em pleno voo

despreocupado
com o rumo que a merda possa tomar.

Comentários

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Postagens mais visitadas deste blog

As 20 obras mais importantes da literatura brasileira

As 20 obras mais importantes da literatura portuguesa

As 20 obras mais importantes da literatura italiana

As 20 obras mais importantes da literatura francesa

20 grandes escritoras brasileiras

Vencedores do Prêmio Jabuti 2019