André Luiz Pinto - migalha

Poesia brasileira contemporânea
André Luiz Pinto - migalha - Editora 7Letras - 72 Páginas - Posfácio de Tarso de Melo - Coordenação Editorial: Isadora Travassos - Lançamento: 2019.

A poesia de André Luiz Pinto reflete a estranheza e o desconforto de uma época sem heróis, um mundo globalizado, contudo estéril de ideias e ideais. Fazemos parte, querendo ou não, de uma geração que pensa construir uma "revoluçao sem sair da poltrona", por meio de uma rebeldia que se limita a postagens de repúdio nas redes sociais. E assim ficamos, cada vez mais conectados, ironicamente solitários e isolados, ou alguém ainda duvida disso?

Esta é a dolorosa matéria-prima com a qual o poeta escolheu trabalhar: a insignificância e a violência de um tempo sem esperança, opção que fica clara em um estilo minimalista de versos curtos, mas que o leitor não se engane com a pretensa simplicidade, a surpresa vem quando menos se espera, como no poema que empresta o título ao livro: "Fiz como você pediu / cortei o poeta / em versos / e os espalhei / em um prédio abandonado / numa caixa d'água vazia / pra ninguém saber".

Ironia? Sem dúvida, mas sem cicuta.
Cada um sonha com a revolução que merece
Revolução sem sair da poltrona.
Amor em não sair do lugar.
Um post em repúdio à ação da polícia.
Sonho (apenas sonho) com muitas formas de rebeldia.

Politizado sim, "Está verde e amarelo / como vômito e pus" e sempre com um olhar crítico sobre a sociedade, "De que adianta abrir persianas / se a paisagem se esquadrinha por grades?" ou ainda no poema Sugestão: "Depois de levar o filho ao zoológico, não esqueça de o levar também a uma prisão. / Assim o garoto terá uma visão completa das espécies esquecidas.", mas, por vezes, a abordagem do poeta se torna pessoal, na urgência da superação necessária "para curar a vida", como no poema abaixo.

Pensa que está livre, sossegado
no entanto só depois descobre
a casa foi construída na areia
Os fantasmas serão encarados, sozinho
em meio à maré cheia
Despedidas não te livram do fracasso
emoções não marcam hora.
A razão talvez seja: entender que acabou 
e que a saudade pode ser saudável
e que superar pode ser necessário
para curar a vida

O caráter hermético demanda algumas vezes mais de uma leitura para completa percepção dos poemas que parecem se acomodar, vencido o desconforto inicial do leitor. Não é uma poesia fácil, longe disso, tanto na técnica aplicada quanto na escolha dos temas. Afinal, por que devemos ler livros assim? Não sei responder a esta pergunta, mas continuo lendo e só posso garantir que é um belo exemplo de literatura.
 

Os latidos
dos cães pela rua
a neblina que cobre a cidade
De que adianta abrir persianas
se a paisagem se esquadrinha por grades?
Com a cidade cercada por nuvens
talvez seja mais simples
é o frio que continua queimando
o mofo que chega no quarto
nódoas de vazio

Sobre o autor: André Luiz Pinto da Rocha nasceu em 1975, Vila Isabel, Rio. Doutor em Filosofia pela UERJ, leciona na FAETEC e SEEDUC. Casado com Cristina Melo, pai de Tales Melo da Rocha. É autor de: Flor à margem (1999), Um brinco de cetim / Um pediente de de satén (Maneco, 2003), Primeiro de Abril (Hedra, 2004), ISTO (Espectro Editorial, 2005), Ao léu (Bem-te-vi, 2007), Terno Novo (7Letras, 2012), Mas valia (Megamíni, 2016), Nós os Dinossauros (Patuá, 2016).

Comentários

Cinthia Kriemler disse…
É mesmo um livro inquietante. Único. Dedo na ferida aberta. Primeiro uma sensação de surpresa e depois a certeza da nossa inércia cômoda.
Alexandre Kovacs disse…
Resumiu muito bem Cinthia, obrigado pelo comentário!
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Postagens mais visitadas deste blog

As 20 obras mais importantes da literatura brasileira

As 20 obras mais importantes da literatura portuguesa

20 grandes escritoras brasileiras

As 20 obras mais importantes da literatura italiana

As 20 obras mais importantes da literatura francesa

As 20 melhores distopias da literatura