Cesar Garcia Lima - Trópico de papel

Poesia brasileira contemporânea
Cesar Garcia Lima - Trópico de papel - Editora 7Letras - 64 Páginas - Capa: Alice Garambone - Lançamento: 2019.

A poesia segura e madura de Cesar Garcia Lima tem inspiração na fina ironia de Carlos Drummond de Andrade, nosso maior poeta modernista que, não por acaso, é citado em alguns poemas deste livro. De fato, Trópico de papel tem como base aquele mesmo sentimento de inadequação do indivíduo diante de uma sociedade sem valores, a mesma forma de descobrir o drama e a comédia nas coisas simples do cotidiano, a expressão do universal na visão do particular, aspiração de toda obra literária.

Destaquei três poemas que compartilham dessa visão existencial de Drummond sobre a vida (e a morte), seja no bem-humorado Indulgências onde o artista aceita um marcador de livro como pagamento, na rara e sofrida beleza de Um corpo que cai ou na crítica social presente em Vale-transporte da poesia. 

Convido o leitor a conhecer mais sobre Cesar Garcia Lima, repetindo a oração da simplicidade que o poeta nos ensina: "Senhor, / fazei de mim / qualquer um / à maneira de São Francisco de Assis / com moedas imersas / na fonte dos desejos / as janelas abertas / aos aromas das estações / e os animais lambendo as patas / depois do jantar." (Oração a qualquer um)

INDULGÊNCIAS

Sou pai de livros
e por isso estou vendendo
estes poemas para me ajudar

Vinte poemas de amor
para me publicarem

Vinte poemas de natureza
para me lerem

Dez poemas de liberdade
para me respeitarem

Aceito marcador de livro

UM CORPO QUE CAI

O corpo abandonado é sinal da desimportância
do vivo tornado morto.
O corpo ao sol prolonga uma sirene de dor.
O corpo ancorado no playground é insígnia
alardeada de que nós, inquilinos da carne,
teremos o mesmo fim.
O corpo tatuado no cimento é uma pista
da angústia grisalha, visível da janela.
O corpo calado rouba a cena
de quem quer continuar vivo
e vê-lo convertido em pequena notícia de jornal.
O corpo ensanguentado é uma risada sem freio,
chama atenção para si,
é tragédia que nos ignora e paralisa.
O corpo, coberto dos pés à cabeça espatifada,
incentiva nossa culpa
de algo que poderíamos ter feito.
O corpo, à espera dos bombeiros
é memória transformada em espetáculo palpável.
Seria mais confortável vê-lo emoldurado na TV
ou no cinema.
O corpo dobrado nos faz duvidar de Deus
e querer, ao mesmo tempo, o seu conforto.
O corpo, visível mesmo depois de retirado,
nos dá ânsia de fugir da paisagem
do prédio cinza de onde veio
e adivinhar a história que caiu
e as que lá permaneceram.

VALE-TRANSPORTE DA POESIA

Ao incontrolável desejo
De ser lido
Sobrepõe-se o alívio
De ser esquecido.
A compreensão não se mede
Ao acaso da mídia,
Ao relutar acadêmico.
Importa que Suely,
Profissão balconista.
Doméstica por circunstância,
Peça ao patrão
As obras completas de Drummond
Para guiar seu trajeto
Da Baixada Fluminense
Aos corações de Copacabana.

Sobre o autor: Cesar Garcia Lima nasceu em Rio Branco (AC) em 1964. Poeta, jornalista e professor, participou do grupo Cálamo, de criação e pesquisa literária, em São Paulo. É autor dos livros de poemas Águas desnecessárias (Nankin, 1997) e Este livro não é um objeto (edição do autor, 2006). Vive no Rio de Janeiro.

Comentários

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Postagens mais visitadas deste blog

As 20 obras mais importantes da literatura brasileira

20 grandes escritoras brasileiras

As 20 obras mais importantes da literatura portuguesa

As 20 obras mais importantes da literatura francesa

As 20 melhores distopias da literatura

As 20 obras mais importantes da literatura italiana