Alexandra Vieira de Almeida - A negra cor das palavras

Poesia brasileira contemporânea
Alexandra Vieira de Almeida - A negra cor das palavras - Editora Penalux - 102 Páginas - Editoração Eletrônica e Capa de Karina Tenório - Posfácio de Nuno Rao - Lançamento: 2020.

Os poemas neste mais recente lançamento de Alexandra Vieira de Almeida, A negra cor das palavras, lidam com os simbolismos relacionados ao chiaroscuro, como era denominada a técnica de pintura renascentista que consistia em revelar os objetos por meio do contraste entre luz e sombra. Neste jogo de diferenças – mas que pode revelar também harmonia – a poeta destaca as palavras impressas contra a página em branco, a lua que inspira a noite dos poetas,  o amanhecer a brincar com a madrugada na floresta negra, o vinho tinto e o erotismo ácido das estrelas, companheiros da aventura da escrita e tantos outros signos.

Acontece também da negritude representar o alerta do desequilíbrio social e preconceito racial contra uma etnia em nosso país dividido em fragmentos, como neste lindo trecho do poema Navio Noturno: "O navio noturno / Não aquele negreiro / A traçar a rota do sofrimento // Mas aquele da beleza / Dos versos plenos de magia // O navio noturno leva um alfabeto / De letras coloridas / Vagando na noite esperançosa / Dos segredos // Em que os versos / Não são feitos de fel e açoite / Mas da luminosidade vaga da lua / Que reflete o sol dos mistérios [...]".

A autora afirma a sua preferência pela noite em Fim?: " [...] a noite e o dia se intercambiam / são gêmeos em sua tessitura de / versos. Mas a noite, ah a noite, / deixa-me comovida como um / elemental que percorre as frestas / das palavras explodindo as pupilas / amaldiçoando o tempo / e levando o dia nas costas / como um ferido soldado de guerra." Assim é a poesia de Alexandra Vieira de Almeida, permeada por imagens surpreendentes e ideias originais, como nos três poemas abaixo: A negra cor das palavras, Tulipa negra e O pássaro negro

A NEGRA COR DAS PALAVRAS

A negra cor das palavras,
rasgando minha pele abismal

No sono dos mortais,
encontro a imortalidade da chama
que queima o corpo da manhã

Na noite dos apaixonantes véus,
o delírio do verso esférico
como a bola da lua em cristal de espumas

Não digo o verbo de espinhos
qual sangue que fere o tempo
Digo a palavra bruta
que tece os terçóis do sol

Na languidez do mapa,
o itinerário das negras letras
a faiscar um caminho para o Paraíso.

TULIPA NEGRA

Ela era a noite
Escondia-se do sol
Em momentos de lascívia
Na soturna espera dos sentidos
A cor adestrava a vagueza da letra morta
Era cor viva não tal qual sangue
Mas absoluta na sua morbidez de vida

Latejava as duplas montanhas da sorte
Em bebericar a lua numa espera de sol
O encontro era na caverna noturna dos corcéis
Que se atropelavam feito lendas de escorpião

A flor era o segredo da noite
A faiscar bolhas de palavras
Na pele, a sonolência do sol
A sombra desaparecia, pois não era resto
Era plenitude açoitada na fonte

No longínquo mapa do toque
A vastidão do fundo do mar
Em adentrar aquele rosto escuro da beleza
Em pleno despertar das coisas eternas.

O PÁSSARO NEGRO

Ele era o barulho do vazio,
se fazendo lenda no voo da violência

Livre pelo ar,
adocicava a natureza
com sua cor bendita

Rei entre os pássaros,
não se gabava de ser peão
mas imperava no meio da floresta
com seu canto de hinos e versos selvagens

Mas o homem que não era lenda,
só escória no meio do mundo
dispara o tiro mortal
em que o vermelho da dor
era o sublime cântico da vida.

Sobre a autora: Alexandra Vieira de Almeida é poeta, contista, cronista, resenhista e ensaísta. É Doutora em Literatura Comparada pela UERJ. Trabalha como professora na Secretaria de Estado de Educação (RJ) e tutora de ensino superior a distância na UFF. Publicou os primeiros livros de poemas em 2011, pela editora Multifoco: 40 poemas e Painel. Oferta é seu terceiro livro de poemas, pela Editora Scortecci (2014). Em 2016 publicou pela Penalux o livro de poesia Dormindo no verbo. Seu quinto livro de poesia, A serenidade do zero (Penalux, 2017), recebeu elogios de vários nomes importantes no cenário literário. A negra cor das palavras (Penlux, 2020) é o seu sexto e mais recente lançamento na área de poesia.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

As 20 obras mais importantes da literatura brasileira

20 grandes escritoras brasileiras

As 20 obras mais importantes da literatura portuguesa

As 20 obras mais importantes da literatura dos Estados Unidos

As 20 obras mais importantes da literatura japonesa

As 20 obras mais importantes da literatura francesa