Carine Mendes - Ponto Cego

Literatura brasileira contemporânea
Carine Mendes - Ponto Cego - Editora Patuá - 160 Páginas - Projeto gráfico e diagramação: Luyse Costa - Ilustrações, capa e projeto gráfico: Gabriela Ferreira Mendes - Lançamento: 2021.

Carine Mendes nos apresenta uma obra de caráter experimental que desafia o leitor a lidar com o próprio esgotamento da palavra, explorando a prosa e a poesia, assim como recursos gráficos e ilustrações. O romance, se é que podemos chamar assim, tem como base as múltiplas identidades de um ser em formação, a partir de alguns poucos personagens que nunca se definem completamente: Luíza, Luís e um misterioso narrador onisciente e onipresente, isolados em um vasto espaço negro, chamado de Lugar Nenhum, o ponto cego do mundo, uma região na qual os personagens estão todo o tempo protegidos pela escuridão mas, por outro lado, forçados a enfrentar os seus próprios conflitos.

O livro de inspiração beckettiana em sua complexidade de interpretações, é dividido em quatro partes: fusão, espelhose, difração e desespelho, todas relacionadas à interação entre as personagens, o narrador e o estranho lugar onde convivem. Luíza representa as ambiguidades de uma maternidade que extrapola os conceitos tradicionais, de certa forma romantizados, principalmente do ponto de vista da mãe. Já Luís é a própria metáfora do crescimento e das dificuldades na formação de uma identidade. No espelhamento e na confusão intencional entre os personagens reside a chave da narrativa.

"Durante dias Luíza esmiuçou aquele pequeno lugar de mundo que lhe foi designado. Era difícil dizer o prazer e o medo mobilizados nessa investigação tátil. Era como se Lugar Nenhum fosse um corpo e Luíza fosse o sangue pulsando em todo lugar, invadindo, apropriando-se. Ela entrou e saiu por todas as reentrâncias, por todas as superfícies, por todos os vazios, o único lugar em que ela não conseguiu entrar foi o quarto ao final do corredor. Aquele cômodo a espreitava e Luíza podia sentir uma espécie de perigo emanando pelas frestas da porta, talvez fosse impressão ou apenas curiosidade. No entanto, mesmo ali onde tudo podia ser tocado e mapeado existia um lugar impenetrável e isso a deixava em estado de angústia crônica, a qualquer momento algo desconhecido poderia simplesmente escancarar a porta e implodir seu mundo incorruptível. Era algo com o qual Luíza teria que conviver por enquanto, ela sabia que em algum momento descobriria o que havia lá dentro, ainda que desejasse jamais ter descoberto." (p. 32)

É preciso se deixar levar pela beleza da prosa poética da autora nessa narrativa não linear, na qual "começo, meio e fim se tornam imprecisos como sempre foram e nós perdemos as ilusões trazidas pelo dia de que tudo seja assim concreto, linear, transparente. A noite pesa, pesa tanto que só as custas de muito se diluir ela nos é possível e por mais que luz não haja, há sempre a escolha do descontorno e do entregar-se à fluidez." Afinal, a literatura não deve obedecer a uma linearidade que é impossível de ser encontrada na vida real, sempre fragmentada e confusa.

Oh espelho!
Promessa vítrea
da identidade fragmentada,
espelho
a imobilidade aquosa
de uma essência etérea?
Responde-me,
pelos teus cortes!
Pronuncia
alguma sentença temporária
na certeza dessa imagem ilusória
que me dê
angústia, tormentas, perguntas.
O teu silêncio impassível
erige contornos entre nós.
Não te dás contas disso?
Preferiria antes a solidez despedaçada
à tua fluida indiferença.
Se assim o queres,
não me atormentes mais
com a língua muda
dos teus reflexos,
nem me venha obtuso
alardear uma falsa polidez.
Parto-te.
Partes-me.
Partimo-nos.
Adeus.

Seja por meio da prosa ou da poesia, o livro exige a participação do leitor, como bem resumido pela própria Carine Mendes na apresentação: "o leitor é convidado a reunir, significar e subverter a linearidade textual para (des)construir peça por peça", seguindo este caminho, a obra surpreende pela coragem em propor com a sua "prosa imagem" novas alternativas estéticas para a literatura contemporânea no esforço sempre renovado de contar boas histórias.

"Luís andava em cismas e segredos a esgueirar-se pelas quinas, não queria ser ouvido ou surpreendido, ao menos não mais do que andava ele mesmo a se surpreender, estava agora pelos 10 buliçosos anos. Sentava-se muitas vezes ao fundo do abrigo e perscrutava aquela excrescência a manifestar-se por entre as pernas. Estava curioso por experimentar as sensações concentradas, vindas não se sabe de que adjacências. Acordava e sentia a elevação, atiçada antes mesmo dos saberes e a tomar-se de vontades próprias. Tocava, manipulava, despertava de maneiras outras, intensas e únicas. Seus pensamentos convergiam em uníssono para as sensações de de atrito, intumescência e contato com o jato aguado. Pegava o esguicho nas mãos e pela primeira vez na vida sentia algo muito próximo de uma repulsa. Tentava se controlar e se satisfazer pela perícia, mas esta só fazia o favor de aumentar-lhe as ânsias. [...]" (p. 89)

Sobre a autora: Carine Mendes nasceu em Maceió/AL, local onde atualmente reside. A autora é mestre e doutora em Psicologia Clínica pela Universidade de São Paulo e atua como professora de Psicologia, psicoterapeuta e escritora. Um primeiro poema aos 12 anos abriu-lhe as portas de um mundo a ser explorado a partir da letra e da palavra-sentimento. No entanto, seu percurso de escrita sempre foi permeado pelos desafios de estimular, separar e conciliar a escrita acadêmica e literária. Nesse embate entre diferentes linguagens e diferentes palavras-efeito, optou-se por sustentar a escrita sobretudo em todavia, o que transforma Ponto Cego no reflexo da busca incessante por reinvenção.

Onde encontrar o livro: Clique aqui para comprar Ponto Cego de Carine Mendes

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

As 20 obras mais importantes da literatura brasileira

As 20 obras mais importantes da literatura portuguesa

As 20 obras mais importantes da literatura dos Estados Unidos

As 20 obras mais importantes da literatura japonesa

As 20 obras mais importantes da literatura francesa

20 grandes escritoras brasileiras