Carina S. Gonçalves - Nada Acontece

Poesia brasileira contemporânea
Carina S. Gonçalves - Nada Acontece - Editora Urutau - 70 Páginas - Lançamento: 01/12/2018.

Tem vezes que nada acontece na minha vida e aposto como é assim também com você, caro leitor. Nem sempre os nossos dias são feitos de grandes vitórias ou mesmo estrondosas derrotas, guinadas do destino ou epifanias surpreendentes. Para dizer a verdade, quase nunca é assim, na maior parte do tempo permanecemos encalhados em atividades repetitivas, lutando contra prazos ou postergando decisões. Contudo, quem sabe a vida aconteça justamente em torno desse vazio, nas miudezas do cotidiano, enquanto estamos distraídos sonhando com entrevistas imaginárias que daremos quando, finalmente, publicarmos aquele livro importante e genial que escreveremos em algum outro dia, quando não estivermos tão ocupados.

Nada Acontece é uma coletânea de poemas que estavam escondidos nos locais menos prováveis: na calça com um furo na bunda, no buraco da parede ou no cachorro vira-lata, sozinho na rua. Cuidado leitor, a poesia de Carina Gonçalves parece simples, mas isso porque é feita de silêncios e sugestões, sempre com um humor sutil que se transforma em refinada ironia. Um livro para ler com atenção, sentir e pensar. O almoço, por exemplo, atividade tão banalizada é representada no poema por ações não exercidas por pessoas, mas sim por objetos que desaparecem aos poucos, ficando apenas a música dos verbos, quem nunca vivenciou uma cena assim, comum como é toda família.

          Concerto para almoço ordinário
          de família ordinária 4'33''


          o telejornal chia
          garfo tilinta no prato de porcelana
          boca assopra
          jarra enche o copo
          suco de laranja desce pela garganta
          copo vazio toca a mesa
          tosse
       
          passa o guardanapo?
       
          faca serra o pão
          faca serra o pernil
          garfo tilinta no prato
          suco desce pela garganta
          copo metade vazio toca a mesa
          saleiro chacoalha arroz cru e sal
          colherinha de alumínio topa o vidro
          do copo cheio de suco

          pra que tanto açúcar?

          cadeira arranha o chão de porcelanato
          suco desce pela garganta
          garfo tilinta
          faca serra
          cadeira arranha o chão
          suco desce
          copo enche
          colherinha topa
          cadeira arranha
          tosse
       
          arranha
          desce
          tilinta
          serra
          chacoalha
          arranha
          desce
          enche
          topa
          arranha
          tosse
          chia


Na imaginação da poeta, até mesmo aquela desagradável e involuntária baba que escorre de nossa boca enquanto dormimos (e nada acontece) pode virar matéria-prima para mais um poema. É interessante como, mesmo com versos curtos, existe sempre uma propriedade narrativa e visual nos textos, uma característica do trabalho em prosa, aqui a serviço da poesia.

          reserva mineral
       
          o mundo se acaba

          e eu deitada
          babando
          de bruços
          de pernas
          de braços
          esticados
          de olhos
          semiabertos
          em cima do globo
          à deriva
       
          minha baba

          desenha
          uma ilha

O meu poema preferido é o que empresta o título ao livro e onde, definitivamente, o teor narrativo domina a construção, quase um texto em prosa; e algo terrível acontece, ou não? Nada é que parece neste livro, ele nos surpreende com lindas divagações: "tudo é novidade / em um cão / que não tem raça" ou "não há nada / mais fictício do que / nomes reais". 

          nada acontece

          você tem um plano
          sair do trabalho
          pegar o ônibus
          o tempo cronometrado
          chegar em casa
          alimentar sua cachorra
          passear com ela
          estar no aniversário
          às oito
          
          vai dar certo
          
          no caminho
          você pensa
          o quanto a sua vida
          é ordinária
          nada acontece
          e fantasia
          um dia
          dar entrevistas
          como escritora
          
          chega até a imaginar
          as perguntas
          como as de política
          vai dizer para o apresentador
          que pergunta reducionista!
          e que você é sempre a favor
          das minorias

          o ônibus está a dois pontos
          antes do final
          o seu destino
          e você pensa em escrever
          uma epifania
          se desanima
          porque nunca
          vai conseguir
          tem raiva de si
          por ter achado que um dia seria
          poeta
          desce do ônibus
          
          o mesmo trajeto
          passa na frente do bar
          atravessa a rua
          
          a intuição suspeita
          em cima da hora
          que é um assalto
          
          um rapaz de boné
          puxa sua bolsa
          e pela primeira vez
          você vê
          uma arma
          apontada para si
          fecha os olhos
          como em um carro caindo
          de um penhasco
          para não morrer
          com os olhos abertos

          e sente a bala
          nas suas costas
          perfurando
          o poste de luz
          o muro de concreto
          as colagens na parede
          os vasos de suculenta
          as fotos imantadas na geladeira
          
          você volta para casa
          abraça a cachorra
          que espera ser alimentada
          
          só existem você 
          e aquele animal
          que também chora
          sufocado pelos seus braços
          
          você escreve para ver se passa
          nada acontece

Carina Gonçalves nasceu e vive em Belo Horizonte. É formada em Publicidade e Propaganda, pós-graduada em Processos da Imagem e da Palavra na PUC-MG. Trabalha como redatora free-lancer e ministra oficinas de escrita criativa. É coautora (com Luciana Santos Gonçalves) do livro Seu Vicente não existe, publicado pelo selo Leme, em 2017. Este é seu livro de estreia na poesia, lançado no final de 2018 pela Editora Urutau.

Comentários

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Postagens mais visitadas deste blog

As 20 obras mais importantes da literatura brasileira

As 20 melhores distopias da literatura

As 20 obras mais importantes da literatura portuguesa

As 20 obras mais importantes da literatura italiana

20 grandes escritoras brasileiras

Chico Buarque - Prêmio Camões 2019