Michel Laub - Solução de dois Estados

Literatura brasileira contemporânea
Michel Laub - Solução de dois Estados - Editora Companhia das Letras - 248 Páginas - Capa de Raul Loureiro / Imagem com detalhe da tela "Carteira de identidade (auto polegar direito)", 1965, de Rubens Gerchman
Lançamento: 09/10/2020

O título do oitavo e recém-lançado romance do gaúcho Michel Laub é uma referência ao improvável acordo de paz entre judeus israelenses e árabes palestinos na região do Oriente Médio, uma citação que remete ao conflito entre dois irmãos: Alexandre e Raquel Tomazzi, protagonistas muito pouco confiáveis e, cada um ao seu próprio modo, com discursos radicais de violência e ódio. A obra está inserida em um contexto incontornável e reproduz, em seu microcosmo, o sistema político polarizado que hoje divide a nossa sociedade, não há como evitar a comparação. 

O livro apresenta três vozes narrativas, Brenda Richter, cineasta alemã que perdeu o marido, assassinado em um passado recente no Brasil e prepara um documentário sobre a violência; aparentemente ela representa uma postura mais humanista e de sensatez. Os entrevistados são os dois irmãos: Raquel, uma artista performática de cento e trinta quilos que produz vídeos sexuais nos quais é agredida e humilhada e Alexandre, chamado de "miliciano" pela irmã, empresário que atua em um estranho e lucrativo empreendimento comercial, constituído por academias de ginástica ligadas a uma espécie de associação religiosa de inspiração evangélica na periferia de São Paulo. 

O projeto do documentário tem como base uma agressão que Raquel sofreu, no início de 2018, durante um debate sobre arte e política num hotel na capital paulista, patrocinado por um poderoso Banco nacional. Como sempre, Michel Laub desenvolveu a estrutura do romance por meio de uma forma criativa e muito bem conduzida, dessa vez como se fosse a organização do próprio documentário, com seções de "Material pré-editado", "Extras/Material a inserir" e "Material bruto", variando as vozes narrativas, as entrevistas cobrem o período dos anos noventa, a partir do Plano Collor, que foi a causa da ruína da família, até as eleições que definiram o governo atual.

"Isso tem tudo no YouTube. Um cara na equipe, Ibrahim Eris. Presidente do Banco Central. Chamavam ele de o Turco. O Plano Collor foi em março de noventa, fizeram um bloqueio de todas as contas por dezoito meses, deixaram cada um tirar só um troco de feira, aí botam para explicar. O Turco diz regra aplicado. Juros pro rata temporis. Você não sabe se ri ou chora, na entrevista um não fala português, a ministra é uma débil mental... O nome da ministra era Zélia Cardoso de Mello, sabe como eles decidiram quanto cada cidadão podia tirar da conta? Esses caras. Num sorteio. Botaram os números num papelzinho e jogaram para cima. [...] O meu pai soube do Plano Collor em casa. O Jormal Nacional começa às oito e pouco.É o jornal mais importante daqui, eles apoiavam o governo. Todos os canais apoiam o governo porque são apoiados pelos bancos. Todos os ministros que deixam o cargo vão trabalhar num banco. O jornal mostrou a entrevista do Turco, ele disse que não tinha confisco nem calote, nós estamos dando um chance para o sociedade brasileira, aí o meu pai ouve isso e levanta... Ele pega a tevê. Era uma tevê de tubo grande, nem sei como ele teve força para carregar. Ele ia jogar a tevê contra a parede, mas perdeu o equilíbrio. [...]" - Trecho do depoimento de Alexandre

Na verdade, nada é o que parece inicialmente na trama e o leitor só percebe aos poucos as verdadeiras motivações dos personagens à medida em que as três vozes narrativas, Alexandre, Raquel e Brenda, interagem e se contradizem. Raquel foi uma vítima de bullying na adolescência e sofreu uma violenta e covarde agressão no evento em São Paulo, mas também é um "poço de ego ressentido e vingativo", na provocação lançada por Brenda, que acaba perdendo a sua postura de imparcialidade e empatia no decorrer da produção do documentário.

"Dá para dizer um monte de coisas sobre aquele dia. Seis de fevereiro de dois mil e dezoito. A não ser que você ache que é questão de sorte e azar, um mero acaso esse homem vir falar comigo antes de eu subir no palco, e seiscentas pessoas verem o que ele fez comigo em cima do palco, e não ter nenhum segurança nas primeiras filas, nem nas filas do meio, nas do fundo, nenhuma das seiscentas pessoas se deu ao trabalho de tentar encontrar um enquanto eu apanhava. [...] O homem que me bateu usou uma barra de ferro. A barra de ferro era preta. Quer mais algum detalhe? Esse foi o primeiro golpe, na altura do peito. A barra tinha uma ponta, como se fosse um prego na parte lateral, é essa a cicatriz que você viu. Como ninguém fez nada quando a surra começou, ele criou coragem para dar um segundo golpe no rosto. O golpe foi amortecido porque eu botei a mão na frente, se não fosse isso talvez eu estivesse morta, e mesmo assim teve força para entortar o meu nariz, esse que você viu também. [...]" - Trecho do depoimento de Raquel 

Em uma recente entrevista sobre Solução de dois Estados, Michel Laub respondeu da seguinte forma ao ser questionado se o futuro do Brasil é se tornar uma nação de Alexandres e Raquéis:  "Sim, mas também uma nação de gente que consegue olhar para eles e seguir um outro caminho. Não um caminho de meio-termo ou algo assim, porque o isentismo hoje em dia é quase sinônimo de conivência com a barbárie, mas algo próprio. A literatura pode ajudar na formação desse caminho próprio. Se eu não acreditasse nisso, não continuaria escrevendo." (ler aqui a entrevista completa para o Estado de Minas).

Sobre o autor: Michel Laub nasceu em Porto Alegre, em 1973, e vive em São Paulo. Escritor e jornalista, publicou sete romances, todos pela Companhia das Letras – entre eles Diário da queda (2011) e O tribunal da quinta-feira (2016), ambos com direitos vendidos para o cinema. Seus livros saíram em treze países e dez idiomas. Recebeu os prêmios JQ-Wingate (Inglaterra), Transfuge (França), Bravo Prime e Jabuti (segundo lugar), entre outros.

Onde encontrar o livro: Clique aqui para comprar Solução de dois Estados de Michel Laub

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

As 20 obras mais importantes da literatura brasileira

As 20 obras mais importantes da literatura portuguesa

20 grandes escritoras brasileiras

As 20 obras mais importantes da literatura dos Estados Unidos

As 20 obras mais importantes da literatura francesa

As 20 obras mais importantes da literatura japonesa