Tiago Germano - Catálogo de pequenas espécies

Literatura brasileira contemporânea
Tiago Germano - Catálogo de pequenas espécies - Editora Caos & Letras - 216 Páginas - Projeto Gráfico: Cristiano Silva - Arte de Capa: Eduardo Sabino - Lançamento: 2021.

Com notável domínio da técnica narrativa e uma ironia bem-humorada, Tiago Germano nos mostra a violência, o absurdo e o ridículo da condição humana em uma época na qual o nosso comportamento se aproxima tanto da natureza animal naquilo que ela tem de mais selvagem e, portanto, nos nivelando a outras espécies pretensamente menos evoluídas. De fato, alguns representantes da espécie conhecida como Homo sapiens não têm feito bom uso de suas características como o raciocínio abstrato, a linguagem e a resolução de problemas complexos.

Os vinte contos desta antologia são divididos em duas partes: Taxonomia,  reunindo narrativas de caráter mais lírico e reflexivo sobre o indivíduo e Cadeia alimentar que tem como base aspectos da nossa vida contemporânea, incluindo a crise política e social, o avanço da igreja evangélica e a pandemia, mas as narrativas têm em comum a convivência de personagens humanos com animais domésticos ou selvagens em um contexto de aparente normalidade.

No conto Le Gran Circus Moscowum menino de nove anos percebe a movimentação no terreno baldio próximo da sua casa quando chega à cidade um circo que irá mudar a rotina familiar e os tradicionais almoços à base da insólita farofa de formigas tanajuras, especialidade do seu pai. Logo, as crianças e a mãe ficam fascinados com o grande Dimitriov e os trapezistas cossacos, assim como a magia do circo, apesar do elefante magricela.

"Meu irmão e eu notamos que, enquanto os palhaços corriam de um lado para o outro do picadeiro, às vezes se embarafustando no meio da multidão e escalando as arquibancadas, meia dúzia de homens sem camisa se penduravam naquelas estruturas de metal enferrujado e amarravam nelas cordas, testando sua resistência com puxavantes que ameaçavam derrubar toda a lona esburacada do circo. Eles eram grandes e musculosos e nós apontamos para eles chamando a atenção da nossa mãe, que tentava conter a minha irmã agora rachando o bico com as peripécias dos palhaços e seu entra-e-sai no fusca sem porta. Ela nos explicou que aqueles deviam ser trabalhadores do circo, preparando o palco para o próximo número. Numa porção pouco iluminada do picadeiro, vimos os homens estenderem uma rede de proteção muito fina, quase invisível, e dois balanços muito longos, como que feito para gigantes, sendo empurrados no ar por figuras meio disformes, que emanavam brilhos de lantejoula no ponto mais alto que conseguíamos enxergar." - Trecho do conto Le Gran Circus Moscow (p. 35)

A lei do mais forte é uma das melhores narrativas e resume com muito humor a questão entre o caráter doméstico e selvagem de homens e animais. O conto é inspirado no próprio cão do autor, César, para quem o livro é dedicado, um daschund mal-humorado que passa por algumas transformações de personalidade por ter que morar em um pequeno apartamento, até o dia em que enfrenta, acompanhado por seu dono, um perigoso husky siberiano da vizinhança.

"A alguns metros de mim, o dachshund encarava o husky siberiano a alguns metros dele, um clichê de faroeste canino, os rabos levantados, a velocidade do mundo em volta diminuindo, a atmosfera daquela tarde de sol se concentrando na curta distância entre os dois. Tudo parou e continuou no mesmo instante, e os dois cachorros avançaram ao mesmo tempo, um no pescoço do outro. As patas de trás se apoiaram no chão de terra batida e as patas da frente se atracaram como os braços de dois pugilistas que se agarram. O dachshund foi derrubado imediatamente, e eu vi seu corpo tombar e sumir embaixo do husky siberiano. Ouvi seu berro desesperado, entrecortado pelo rosnar ameaçador do outro animal que lhe enfiava os dentes sem clemência. Consegui me erguer e corri até eles, penetrando naquela nuvem de poeira e cravando minhas unhas no couro branco e felpudo do outro cão, que reagiu virando instintivamente a cabeça, investindo agora contra mim. O dachshund escapou de baixo dele e tentou ainda me defender. Em meio ao ataque mútuo, aos gritos e latidos que explodiam pelo bairro, a dona do husky siberiano finalmente surgiu com uma guia na mão, uma imagem banal em meio à carnificina." - Trecho do conto A lei do mais forte (p. 124)

Outro conto de destaque na antologia é Continência – difícil de resumir em um único trecho – fazendo um paralelo entre os efeitos da eleição de Jair Bolsonaro no cotidiano de uma família brasileira comum a partir de uma foto do sobrinho do narrador-protagonista de 13 anos que sorri para a câmera, batendo continência, e a tragédia da família Kennedy na imagem icônica do pequeno John Kennedy Jr., então uma criança de três anos, batendo continência no dia do enterro de seu pai, o presidente norte-americano John Kennedy, em novembro de 1963.

Sobre o autor: Tiago Germano é autor do romance A Mulher Faminta (2018) e da coletânea de crônicas Demônios Domésticos (2017), indicada ao Jabuti e vencedora do Prêmio Minuano de Literatura. É mestre e doutor em escrita criativa pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS), e foi bolsista do Programa de Internacionalização da Capes na School of Literature, Drama and Creative Writing da University of East Anglia, na Inglaterra, por onde passaram escritores como o Nobel Kazuo Ishiguro e Booker Prize Ian McEwan. Nasceu em Picuí e mora atualmente em João Pessoa, onde é cofundador da escola de escrita Edícula Literária.

Onde encontrar o livro: Clique aqui para comprar Catálogo de pequenas espécies de Tiago Germano

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

As 20 obras mais importantes da literatura brasileira

As 20 obras mais importantes da literatura portuguesa

As 20 obras mais importantes da literatura dos Estados Unidos

As 20 obras mais importantes da literatura japonesa

20 grandes escritoras brasileiras

As 20 obras mais importantes da literatura francesa