História do Pranto - Alan Pauls

Literatura argentinaAlan Pauls - História do Pranto - Editora Cosac Naify - 85 páginas - Publicação 2008 - Tradução de Josely Vianna Baptista.

O argentino Alan Pauls utiliza neste seu último e curto romance o contraste entre as experiências de um menino hiper-sensível de 4 anos, filho de pais separados, e a realidade brutal da história da esquerda argentina dos anos 70. Alan Pauls mistura todo o tempo as sensações e experiências de vida do protagonista em diversas épocas e situações, mas sempre partindo do ponto de vista das lembranças de uma criança. Assim não sabemos nunca até que ponto as distorções da sua memória confundem sonho e realidade. O autor utiliza blocos narrativos, ao estilo de Saramago, unindo parágrafos em longas sequências de digressões. A sensibilidade do pequeno protagonista é destacada pelo seu interesse na fragilidade humana que tem como constatação, em sua mente infantil, a fraqueza do Super-Homem diante da kriptonita, lembrança da nossa vulnerabilidade: "Se existe algo realmente excepcional, isso é a dor" nos ensina o protagonista e também no seguinte trecho: "A dor é sua educação e sua fé. A dor o torna crente. Acredita apenas, ou sobretudo, naquilo que sofre".

Alan Pauls em entrevista à revista Cult On-line define a estratégia narrativa do protagonista:

"O herói da novela não é exatamente um menino, é um mutante. Às vezes tem 4 anos quando começa a frase, 12 quando está no meio e 25 quando completa. Tudo que há no menino aparece sempre culto, interpretado e até fingido desde o presente, mas tudo que se passa agora, quando tem 30 anos ou mais, aparece de algum modo profetizado desde o passado. Esse vai e vem entre tempos distintos foi o que mais me interessou a escrever o livro. Creio que é assim,indo e vivendo, recordando e esquecendo, antecipando e deformando, como experimentamos nossa própria vida".

Comentários

Leila Silva disse…
Parece interessante...
acho que tenho algum livro dele aqui. Vou ver.
abraço
Kovacs disse…
Leila Silva, gostei muito e achei um trabalho de extrema sensibilidade literária. Vale a recomendação.
Djabal disse…
Já havia lido algo deste autor, e não me dei bem. A história não me atraiu. Agora, com o seu comentário, tive entusiasmo para uma nova tentativa. Quem sabe? Agradeço a oportunidade e a calma, com que você nos dá a sua opinião. Quando quero alguma coisa de útil e agradável, lembro de visitar seu blog. Um grande abraço.
Kovacs disse…
Djabal, a gentileza do comentário revela muito bem a sua alma de poeta que reconhecemos também nos textos surpreendentes da sua página. Só posso responder que tenho mesmo muita sorte com esses amigos que aparecem por aqui!
Anônimo disse…
Kovacs, depois de O passado, fiquei com traum do Alan Pauls, será que vale o risco de comprar esse livro, o que vc acha? :)
um abraço,
clara lopez
Kovacs disse…
Clara Lopez, posso garantir que é uma obra de grande valor. Apesar de contar com apenas 85 páginas, este livro consegue descrever, na visão de um menino de 4 anos, alguns sentimentos comuns escondidos em nosso inconsciente. Vale uma segunda chance para Alan Pauls.
Iza disse…
o Idelber do "Biscoito fino e a Massa" gosta muito desse autor, nunca li nada está me dando vontade de conhecer melhor.
Um abraço
Kovacs disse…
Izabella, recomendo começar com "História do Pranto". Obrigado pela visita e comentário.
Maria Augusta disse…
Este livro parece que não é fácil de ser lido, com estas indas e vindas entre as fases da vida do protagonista, mas parece muito interessante, também porque trata de uma época conturbada da história argentina.
Obrigada pela dica.
Abraços.
Kovacs disse…
Maria Augusta, realmente é um livro bem difícil e que exige concentração, apesar de contar com apenas 85 páginas. Longos blocos narrativos com várias digressões ao estilo de Saramago.
Anônimo disse…
Kovacs, tô estreando por aqui. Estava a procura de um livro interessante pra ler e vou comprar esse. Com seus comentários é difícil não querer ler. Estou acabando de ler A Cura de Schopenhauer de Irvin D. Yalom. Você já leu? Estou gostando muito, já estou pensando até em me aprofundar mais em Schopenhauer.
Abraços,
Paula Sachi
Kovacs disse…
Paula Sachi, bem vinda ao meu mundo e espero que goste de Alan Pauls. Quanto a "A Cura de Schopenhauer" de Irvin D. Yalom, infelizmente não posso opinar. Ah, essa interminável e sempre crescente lista de livros não lidos que nunca acaba (ainda bem). Volte sempre!
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Postagens mais visitadas deste blog

As 20 obras mais importantes da literatura brasileira

As 20 obras mais importantes da literatura portuguesa

As 20 obras mais importantes da literatura francesa

As 20 obras mais importantes da literatura italiana

As 20 obras mais importantes da literatura dos Estados Unidos

As 20 melhores distopias da literatura