Maya Angelou - Mamãe & Eu & Mamãe

Literatura norte-americana
Maya Angelou - Mamãe e Eu e Mamãe - Editora Record, Selo Rosa dos Tempos - 176 Páginas - Tradução de Ana Carolina Mesquita - Lançamento no Brasil: 12/03/2018.

A escritora, poeta e ativista política Maya Angelou (1928-2014) deixou um importante legado em favor da luta pelos direitos civis, fazendo da sua obra um ato de resistência contra a discriminação racial, assim como um símbolo da emancipação feminina nos Estados Unidos. Lançado originalmente em 2013, um ano antes de sua morte, esta foi a última de uma série de sete autobiografias, iniciando com I know why the caged bird sings (Eu sei por que o pássaro canta na gaiola), livro que a popularizou, publicado em 1969.

De fato, a vida de Maya Angelou é inspiradora em vários sentidos. Após a separação dos pais, quando tinha três anos, foi deixada aos cuidados da avó paterna que a criou até os treze anos. Em uma das visitas à mãe, quando tinha sete anos, ela foi estuprada. Após contar para o irmão que havia sido violentada, o agressor foi preso e, posteriormente, encontrado morto. Traumatizada e com medo da força de suas palavras, que ela acreditava terem causado a morte do homem que a violentou, ela passou os cinco anos seguintes sem falar. No processo de recuperação deste trauma, a literatura, particularmente a poesia, desempenhou um importante papel. Portanto, Maya Angelou, desde muito cedo, aprendeu a superar as adversidades com a ajuda da arte.
"Salvo uma horrível visita a St. Louis, moramos com a mãe do meu pai, Vó Annie Henderson, e seu outro filho, tio Willie, até meus treze anos. A visita a St. Louis durou pouco, mas lá fui estuprada e o estuprador acabou sendo morto. Achei que tinha sido a  responsável por sua morte, porque revelei seu nome à família. Por culpa, parei de falar com todo mundo, exceto com Bailey. Decidi que, apesar de a minha voz ser tão poderosa que podia matar as pessoas, não seria capaz de machucar meu irmão, porque o amor entre nós era grande demais. (...) Minha mãe e sua família tentaram me convencer a sair do meu silêncio, mas eles não sabiam o que eu sabia: que minha voz era uma arma letal." (Pág. 16)
Neste livro Maya Angelou divide o protagonismo com sua mãe, Vivian Baxter, com quem voltou a morar após completar treze anos, período coincidente com o retorno da sua fala. No princípio, a relação entre a mãe e os dois filhos foi difícil devido à mágoa das crianças pela separação forçada. Vivian era uma mulher independente e corajosa, proprietária de casas de apostas, muito à frente do seu tempo e não tinha tempo para os filhos pequenos. No entanto, a relação entre eles foi se tornando cada vez mais forte, especialmente com Maya, à medida em que ela se transformava em uma adolescente e encontrava apoio na mãe para vencer os preconceitos da época. Foi assim, por exemplo, quando Maya passou pela gravidez não planejada de seu único filho, Guy Bailey Johnson. O trecho citado abaixo é a abertura do livro e posiciona o leitor no difícil contexto da formação de Vivian Baxter, uma mulher negra em uma sociedade machista e racista.
"A primeira década do século XX não foi uma época muito boa para se nascer negra, pobre e mulher em St. Louis, Missouri, mas Vivian Baxter nasceu negra e pobre, de pais negros e pobres. Mais tarde cresceria e seria considerada linda. Adulta, seria conhecida como a mulher cor de manteiga com o cabelo penteado para trás. Seu pai, um trinitino com forte sotaque caribenho, descera de um navio bananeiro em Tampa, na Florida, e passou a vida inteira driblando com sucesso os agentes da imigração. Falava sempre com orgulho que era um cidadão americano. Ninguém explicou a ele que o simples fato de desejar ser cidadão não era o suficiente para torná-lo um. Em contraste com a cor escura de chocolate do seu pai, sua mãe era clara o bastante para passar por branca. Ela era chamada de octoruna, o que significava que tinha um oitavo de sangue negro. Seu cabelo era comprido e liso. À mesa da cozinha, ela divertia os filhos girando as tranças como se fossem cordas e depois sentando-se sobre elas." (Pág. 11)
A biografia de Maya Angelou muitas vezes parece a mais pura ficção. Ela foi a primeira condutora de bonde negra em São Francisco, a primeira mulher negra a ser roteirista e diretora em Hollywood, dançarina, stripper, cantora e, finalmente, professora universitária de história, além de ativista política, escritora e poeta. Todas essas passagens são descritas nesta autobiografia que evidencia a importância do amor entre mãe e filha, uma relação que foi construída ao longo da vida, sempre com muita confiança. Segundo Angelou, este livro foi escrito "para examinar algumas das maneiras como o amor cura e ajuda a escalar alturas impossíveis e erguer-se de profundezas imensuráveis". Uma história emocionante sobre duas mulheres corajosas que nunca aceitaram negociar a própria liberdade.
Postar um comentário
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Postagens mais visitadas deste blog

As 20 obras mais importantes da literatura brasileira

Vencedores do Prêmio Jabuti 2018

As 20 obras mais importantes da literatura portuguesa

As 20 obras mais importantes da literatura italiana

As 20 melhores utopias da literatura

20 grandes escritoras brasileiras