Tomas Rosenfeld - Vão livre

Literatura brasileira contemporânea
Tomas Rosenfeld - Vão livre - Editora Reformatório - 180 Páginas - Imagens de capa e interna: Tânia Ralston - Design e editoração eletrônica: Negrito Produção Editorial - Lançamento: 2019

Um jovem casal holandês, Kees e Karin, decide assumir um inusitado desafio, doar todo o dinheiro acumulado na curta carreira profissional de Kees, então com trinta e quatro anos, e iniciar uma nova vida fora da Holanda com as duas filhas pequenas, reservando apenas os recursos necessários para a compra de uma casa em São Paulo. Ao longo do romance ficará mais claro para o leitor os motivos que levaram a essa mudança radical, assim como os perfis psicológicos e as diferentes aspirações dos personagens em uma estrutura de narrativas alternadas em primeira pessoa.

O fato é que toda a família deverá enfrentar as barreiras de adptação aos costumes brasileiros e as dificuldades do aprendizado de uma nova língua, particularmente para as crianças na escola, e uma nova divisão de responsabilidades para o casal, porque Karin quer mais tempo para desenvolver o seu lado profissional como designer de joias que havia abandonado devido à criação dos filhos pequenos. O autor utiliza como fio condutor de todo o romance o projeto e a construção de uma nova casa no Brasil, ideia de Kees como uma tentativa de resgate do relacionamento. Todo o processo de concepção dos espaços residenciais e as diferentes etapas da obra funcionarão como símbolo e motivação para a reconstrução de uma vida em comum.
"O 'projeto casa' como eu chamava para mim mesmo, era uma aventura. Um caminho para explorar os limites físicos do mundo, a possibilidade de ir a qualquer canto e lá fincar raízes. A ideia de construir uma casa, o espaço íntimo por excelência, em uma terra estranha. De criar um lar em um solo hostil. Havia calor e frio, o desejo de sentir a brisa do novo e o acolhimento quente do lar, e energias masculinas e femininas. Construir uma casa juntos era ainda uma busca por desvendar os mistérios de Karin; entender o que emana do conjunto, da obra acabada, a partir da sua constituição, de suas partes. Como se eu pudesse deitá-la nua sobre uma mesa e observar cada parte do seu corpo, os poros, cada pelo nascendo, o espaço entre os dedos. Construir juntos era um ato de intimidade extrema." (p. 24)
O projeto dos sonhos de Kees e Karin era de que a casa fosse uma expressão de liberdade e ao mesmo tempo de proteção, "uma casa aberta, sem muitas paredes e vista para a natureza", obviamente uma área afastada da região metropolitana de São Paulo. Surgiu então a inspiração de um cartão postal do Masp fixado em uma antiga geladeira de Amsterdam que os fez lembrar do grande espaço vazio sob o edifício, ao mesmo tempo um abrigo do sol e da chuva e também uma abertura para a cidade. Liberdade e proteção.
"Reconheci em uma foto de página dupla o Museu de Arte de São Paulo. A dureza do concreto e o vermelho das colunas que emolduram o bloco central. O olhar percorreu a vista, a passagem, o fluxo preservado pelo imenso vão livre: a suspensão do edifício envidraçado em uma ficção de leveza. O edifício com seus mais de setenta metros de vão, de concreto sem apoio. / A imagem do Masp era uma memória antiga quase esquecida. Correspondia a uma espécie de ideal inconsciente e nunca realizado dos meus pais. Quando falavam no edifício seus olhos brilhavam um pouco tristes. O prédio representava tudo o que um casal de arquitetos europeus poderia querer construir no estrangeiro. Queriam, como a arquiteta italiana do Masp, radicar-se em um país distante e gritar por liberdade. Erguer uma obra brutal e leve, com oito metros de suspensão, um espaço simbólico de resistência a ditadores como Costa e Silva e Suharto. Os arquitetos modernistas haviam separado o que antes andava junto: a vedação e a estrutura. Antes deles, o que dava contorno às construções e o que as sustentavam era um único elemento, as paredes. Com o advento da estrutura de concreto as coisas se separam e abriram caminho para o traço solto. A liberdade era a base da nova arquitetura e deveria também ser seu grande propósito." (p. 30)
A arquitetura é uma presença constante e um elemento de destaque no livro, utilizada por Tomas Rosenfeld como metáfora para as relações humanas. A construção da casa se revelando ao mesmo tempo "um processo irreversível de destruição do que era imaginado", uma ideia genial do autor que demonstra a impossibilidade do projeto se concretizar como concebido inicialmente, ou seja, o sonho terminando justamente quando a obra é concretizada e nunca exatamente como foi imaginada, mas não é assim com tudo em nossas vidas? Até mesmo no amor, as pessoas sempre se revelando diferentes das nossas expectativas.
"A construção destruía a casa. Enquanto erguiam as paredes, os pedreiros colocavam abaixo o nosso sonho. O projeto perdia-se enquanto concretizava-se. A escada que imaginamos subir e a cama em que imaginei deitar depois de sair do banho não poderiam mais existir uma vez que seriam substituídas pela escada e pela cama de madeira. Era uma sensação estranha e muito pouco racional. Era óbvio que eu sabia que a casa não seria idêntica à maquete ou ao que tínhamos imaginado. Era claro ainda que haveria um longo estágio em que um terreno bonito e arborizado se veria convertido em um campo esburacado entrecortado por obstáculos verticais. Contudo, a obra não era entristecedora como um estágio intermediário, um processo a partir do qual a natureza transformava-se em cultura. A obra era triste pois era o início de um processo irreversível de destruição do que era imaginado. [...]" (p. 146)
Sobre o autor: Tomas Rosenfeld nasceu em São Paulo, em 1986. É formado em Relações Internacionais pela USP e desde 2009 trabalha com temas ligados à inovação social. Para não dizer que não falei de Flora (Editora 7Letras, 2015), seu primeiro romance, foi finalista do Prêmio São Paulo de Literatura.

Comentários

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Postagens mais visitadas deste blog

Os melhores livros e resenhas de 2019

As 20 obras mais importantes da literatura brasileira

As 20 obras mais importantes da literatura portuguesa

20 grandes escritoras brasileiras

As 20 obras mais importantes da literatura francesa

As 20 obras mais importantes da literatura italiana