Ney Anderson - O espetáculo da ausência

Literatura brasileira contemporânea
Ney Anderson - O espetáculo da ausência - Editora Patuá - 176 Páginas - Ilustração, Projeto gráfico e Diagramação: Leonardo Mathias - Lançamento: 2020.

Esta antologia de contos, livro de estreia do escritor, jornalista e crítico literário Ney Anderson, vem com um invejável e duplo certificado de qualidade: uma elogiosa apresentação de Raimundo Carrero, assim como um prefácio de Luiz Antonio de Assis Brasil, dois dos mais conhecidos e renomados escritores e mestres de escrita criativa em oficinas literárias no nosso país. Neste livro, o Recife é apresentado como uma cidade sombria e chuvosa, cenário de histórias no gênero fantástico onde os personagens sofrem com a violência urbana e o próprio vazio existencial em um constante espetáculo da ausência no qual a vida se transforma às vezes.

Um corpo de mulher boiando no rio Capibaribe ou a misteriosa morte de um escritor que havia deixado um romance inédito em estilo hiper-realista, são exemplos de conexões entre os contos sutilmente deixadas pelo autor e que despertam a curiosidade, fazendo com que as narrativas apresentem diferentes pontos de vista ou interpretações e nem sempre uma única explicação.

Ney Anderson, que também escreve resenhas literárias, faz uma ótima estreia ao utilizar as suas próprias experiências e memórias na construção geográfica e ficcional dos contos, contudo sem cair na armadilha da autoficção, um perigo bem destacado por um dos personagens, professor de escrita criativa, durante uma aula: "[...] muitas vezes o escritor iniciante se coloca como modelo, aí começa a falar de si próprio e vira aquela merda de autoficção. Pouquíssimos escritores conseguiram algo realmente interessante trabalhando dessa forma. Mas são exceções." trecho de Por onde caminha o rascunho? (p.80).

Máscara rasgada
(um conto de Ney Anderson)

 Atravessou a Avenida Conde da Boa Vista à procura de divertimento. As esquinas guardavam segredos que poucos conheciam. Esperava encontrar algo novo, especial. Só via bêbados, putas, mendigos e alguns poucos ambulantes recolhendo as suas mercadorias. Subiu as escadas da sexy shop, comprou camisinhas de várias cores e formas, algemas e uma máscara.

 Entrou no bar mais próximo e sentou na mesa mais afastada. O garçom se aproximou enxugando a testa.

 – Vai beber alguma coisa?

 – Uma cerveja, por favor.

 O bar estava vazio, olhou para os lados. Os olhos atentos e as mãos suadas. Ninguém conhecido, graças a Deus. O garçom colocou a cerveja na mesa. Estava geladíssima. Bebeu com cerimônia. Não podia se dar ao luxo de tomar cervejas sempre. Levantou-se e foi ao banheiro. Olhou-se no espelho, lavou o rosto e organizou os cabelos. Ao retornar para a mesa, notou alguém encostado no balcão. Um rapaz jovem. Olharam-se por alguns segundos. Sorriram. Sentou à mesa e tomou mais alguns goles de cerveja. Percebeu o rapaz saindo do bar. Foi atrás. O carro estava com a porta do passageiro aberta. Entrou.

 – É perigoso ficar aqui sozinho, posso te dar uma carona?

 Ele balançou a cabeça afirmativamente.

 O rapaz arrancou pela avenida vazia e chegou até o endereço poucos minutos depois. Prédio novo, flores artificiais no hall de entrada. O porteiro cochilava, enquanto na tevê passava um programa evangélico.

 O apartamento estava sobriamente decorado, como ele observou atentamente. Poucos quadros, um pequeno aparador com livros e garrafas de bebida, a tevê em cima de um móvel moderno e o sofá de dois lugares. O rapaz perguntou se ele queria beber mais alguma coisa. Depois de alguns copos e conversas jogadas fora eles mudaram de cômodo.

 Acordou no meio da madrugada. Olhou ao lado, o jovem rapaz ainda estava dormindo. Levantou-se. As camisinhas no chão, a máscara rasgada. Vestiu-se e saiu. Já com o dia clareando, pegou o primeiro táxi que apareceu. Desceu na Avenida Guararapes.

 Andou. Devagar. Andou.

 A igreja já podia ser vista. Colocou as mãos nos bolsos. Retirou o terço. As algemas ainda estavam lá. Abriu a pesada porta de madeira. Fez o sinal da cruz. Rezou. Preparando-se para celebrar uma missa de sétimo dia.

Sobre o autor: Ney Anderson (Recife-PE, 1984) é jornalista, escritor e crítico literário. Tem contos publicados em diversas antologias. Entre elas, Contos de Oficina (Editora Bagaço,2007-2008-2009-2010), Livrinho de Papel Finíssimo (2011) e Carrero com 70 (Cepe Editora – 2018). Participou ainda da antologia Os novos escritores pernambucanos do século XXI (Diário Oficial de Pernambuco, 2008). Desde 2011 mantém o site Angústia Criadora, especializado em resenhas literárias. Já colaborou com artigos críticos para os jornais O Estado de S. Paulo e Estado de Minas. É também colunista de literatura da rádio CBN Recife. O espetáculo da ausência é o seu primeiro livro.  

Comentários

sonia disse…
Este comentário foi removido por um administrador do blog.

Postagens mais visitadas deste blog

As 20 obras mais importantes da literatura brasileira

20 grandes escritoras brasileiras

As 20 obras mais importantes da literatura portuguesa

As 20 obras mais importantes da literatura dos Estados Unidos

As 20 obras mais importantes da literatura japonesa

As 20 obras mais importantes da literatura francesa