Luiz Eduardo de Carvalho - Quadrilha

Literatura brasileira contemporânea

Luiz Eduardo de Carvalho - Quadrilha - Editora Patuá - 260 Pág. - Ilustração, Projeto gráfico e Diagramação de Leonardo Mathias - Lançamento: 2020.

Neste seu mais recente lançamento, depois do criativo romance epistolar Xadrez (Editora Patuá, 2019), no qual dois jogadores-personagens trocam cartas com lances de uma partida que dura seis anos, cobrindo o período coincidente com o final dos governos militares e o início da transição para a abertura política no Brasil, Luiz Eduardo de Carvalho apresenta desta vez um romance de formato mais tradicional, contudo também com um contexto histórico e algumas peculiaridades narrativas.

A cidade de São Paulo e suas transformações ao longo do tempo, assume um papel de protagonismo neste livro, desde a expansão da cafeicultura na segunda metade do século XIX, passando pela chegada dos imigrantes e a fase de industrialização e crescimento econômico no século XX, até a confusa situação atual, época de estagnação e indefinição política. Todas essas mudanças resultaram na gente simples da Vila Tupi, um grupo de famílias de classe média morando em "oito decadentes e reformados sobrados nos quais aconteceram tantas histórias que nenhuma escrita daria conta de narrar".

Em Quadrilha, toda a ação ocorre em um único dia, 24 de junho de 2019, festa de São João, quando "pulamos a fogueira do antigo paganismo celta em nome de um santo cristão", um exemplo, entre muitos, do sincretismo tão característico de nossa cultura, cada vez mais ameaçado pelo preconceito e intolerância religiosa. Na organização para a noite de comemorações, que acontecerá na pequena Vila Tupi, como todos os anos, familiares e amigos alternam o foco da narrativa em cada capítulo, revelando aos poucos uma rede de interesses e relacionamentos que fica clara aos poucos até o final que reserva algumas surpresas.

A expectativa para a festa de São João deste ano é particularmente maior porque na edição anterior houve uma conturbada discussão política que terminou em pancadaria geral com a "evaporação do bom-senso" entre os presentes, após o controverso impeachment da presidenta, fato avaliado por muitos como golpe, a prisão do ex-presidente e os primeiros meses do "novo governo brasileiro que, empossado há seis meses, ainda se apresentava hesitante no tocante às resoluções fundamentais e somente destemido em decretos polêmicos, como o da ampliação da posse de armas [...], num cenário em que todos os direitos conquistados estavam à mercê de arautos da barbárie que se instalaram nos ministérios e repartições do Planalto Central e repetiam sandices intermináveis nos microfones da mídia nacional e mundial."

É curioso como o autor construiu a estrutura do livro com dezenas de personagens e narrativas independentes, impossíveis de se resumir em uma única resenha, compondo um painel maior que dá coesão à história como um todo. Destaque para alguns personagens que mereciam maior espaço nas tramas multifacetadas do romance, como o pastor Tito que multiplica os dízimos da comunidade de Jacarezinho financiando o tráfico de drogas, a paixão proibida entre os primos Matheus e Laertinho e a manipuladora Magali, viciada em sexo, péssima influência para a vizinha adolescente Nenê que tem os hormônios à flor da pele.
"O dia nascia incerto, mas previsto: era São João, em pleno sábado e com festa noturna. Névoa fria pela manhã e sol aberto durante o dia. Frio intenso. À noite, poderia até gear, com luar e estrelas num céu limpo, sem nuvens, que se destacaria em qualquer parte, menos no coração radioativo da megalópole. São Paulo exilara, há décadas, qualquer vestígio de natureza, incluindo o horizonte e a própria abóboda celeste que, de noite, apenas reflete as luzes da cidade e, de dia, resta coberta de gases, fuligem e poeira em suspensão, como uma semissólida cúpula ocre a reter a energia carregada no solo abafado. Lugar alijado de referências naturais, exceto quando algum desmoronamento ou alagamento vem lembrar que ali também já houve relevo e hidrografia. De resto, hoje há ladeiras onde havia pirambeiras dos morros, avenidas sobre os córregos, marginais para automóveis nas laterais dos rios Tietê e Pinheiros, contidas por concreto. Tudo aprisionado. Todos aprisionados, sem natureza, e com muito poucas referências que a substituam." (p. 19)
Sobre o autor: Luiz Eduardo de Carvalho sempre atuou na intersecção entre Cultura, Educação e Política e emprestou da Comunicação Social as ferramentas para as pontes. Estudou Farmácia e Bioquímica e Letras na USP e formou-se em Comunicação Social na ESPM, licenciado em Língua Portuguesa pela Uninove. Foi professor, teatrólogo, jornalista, publicitário, assessor político. Sempre militou pela Cultura. Desde 2015, dedica-se exclusivamente à Literatura e já recebeu dezenas de prêmios, entre eles o Oliveira Silveira de 2015 (Sessenta e Seis Elos), dois de Incentivo à Publicação em 2018 e 2019 (Evoé, 22! e Um Conto de Réis – e de Rainhas, respectivamente), e o Prêmio Cidade de Belo Horizonte de 2016 (Xadrez). Publicou também O Teatro Delirante (2014 – poesia erótica e lírica), Retalhos de Sampa (2015 – poesia), ambos pela Editora Giostri, Sessenta e Seis Elos (2016 – romance) pela Fundação Palmares MinC e Xadrez (2019 – romance) pela Editora Patuá.

Comentários

sonia disse…
Minha admiração pelo autor, ao ler sua extensa formação cultural e lucidez quando descreve a coberta impermeável que nos impede de viver numa natureza livre de tanta toxidade!!!
Alexandre Kovacs disse…
Sonia, e como ele bem descreve a ausência da natureza: "São Paulo exilara, há décadas, qualquer vestígio de natureza, incluindo o horizonte e a própria abóboda celeste [...]".

Postagens mais visitadas deste blog

As 20 obras mais importantes da literatura brasileira

20 grandes escritoras brasileiras

As 20 obras mais importantes da literatura portuguesa

As 20 obras mais importantes da literatura dos Estados Unidos

As 20 obras mais importantes da literatura francesa

As 20 obras mais importantes da literatura japonesa