Alessandro Barbero - Dante: A biografia

Biografia
Alessandro Barbero - Dante: A biografia - Editora Companhia das Letras - 432 Páginas - Tradução de Federico Carotti - Capa de Riccardo Falcinelli - Lançamento: 2021.

A Divina Comédia, escrita por Dante Alighieri (1265-1321) é uma das obras mais importantes da literatura universal, um poema épico dividido em três partes: Inferno, Purgatório e Paraíso, escrito no dialeto florentino, em oposição ao latim, e que se tornou a matriz do que entendemos hoje por língua italiana. No entanto, o que mais surpreende nesta biografia é a atuação política e militar do "poeta supremo", como Dante costuma ser chamado hoje, que foi exilado em janeiro de 1302 após um confronto violento entre duas facções políticas rivais de Florença na época: os "Brancos" e os "Negros", uma divisão do partido então no poder, os Guelfos.

O livro começa com uma descrição detalhada da batalha de Campaldino (1289) onde lutaram florentinos contra o exército da região de Arezzo. A participação nesta batalha demonstra que Dante, apesar da dedicação aos estudos e do talento nato para a poesia, não vivia fora do contexto político da época, "era jovem como todos os outros – e ser jovem significava também ir à guerra quando a pátria assim exigia". Como descreve o autor, não podemos ter certeza disso, mas de acordo com a biografia de Leonardo Bruni de 1436, Dante estava entre os 150 cavaleiros que foram escolhidos para ficar à frente dos demais, "seriam os primeiros a se lançar à carga, caso se decidisse pelo ataque, ou os primeiros a sofrer a investida, caso fosse o inimigo a atacar."

"Dante nasceu e viveu até os 35 anos numa cidade que, para a época, era enorme: com seus 100 mil habitantes, era uma das maiores metrópoles da Europa. Seus mercadores operavam em todas as cidades do mundo cristão e seus banqueiros administravam as finanças do papa, isto é, da mais colossal organização multinacional existente no mundo. Os lucros eram vertiginosos, os enriquecimentos rapidíssimos, a mobilidade social mais importante do que em qualquer outro lugar, e, apesar disso, a ganância, a inveja e o medo entre os florentinos, em vez de se aplacar, tornavam-se sempre mais ferozes, envenenando o convívio coletivo: é compreensível que quem vivia às margens de tais contatos, mergulhado nos livros e se contentando em viver comodamente de rendas, como Dante, visse com desprezo os protagonistas dessas relações. A questão, no entanto, é mais complicada do que isso, e ao longo da vida Dante expressou ideias contraditórias sobre a nobreza, isto é, sobre a importância de ter antepassados: eram diversas de acordo com o momento, a ponto de fazer pensar numa evolução de suas ideias a esse respeito e, ainda mais, conforme estivesse abordando a questão em termos teóricos ou falando muito concretamente sobre si e sua família." (pp. 24-5)

Na Florença do século XIII, ter um sobrenome era a comprovação de que se pertencia a uma família conhecida e influente. "Ter sobrenome era como ter brasão: não era para qualquer um e atestava uma posição social elevada. Reconhecia-se de pronto a identidade de quem pertencesse a uma família com sobrenome: era, de todo modo, alguém mais importante do que um Buonaiuto do finado Ponzio qualquer." No entanto, não significava pertencer à nobreza, nem algum tipo de privilégio jurídico. Os Alighieri podiam se orgulhar de ter sobrenome havia quatro gerações.

Dante conheceu Beatriz Portinari, a filha de Folco di Ricovero Portinari aos nove anos e ela teria apenas oito anos, embora não se tenha certeza da veracidade desse encontro. Ele voltaria a vê-la somente aos dezessete anos em um encontro casual na rua, nessa ocasião ela já era casada com Simone de' Bardi que pertencia a uma famíla de grandes banqueiros de Florença. Beatriz morreu aos 25 anos. Esta estranha paixão, que nunca se concretizou, transformou-se em um amor platônico, marcando para sempre a obra de Dante.

"É o próprio Dante que relata, na 'Vida nova', o encontro entre ambos. Ele estava para completar nove anos e ela acabava de completar oito: estamos, portanto, na primavera de 1274. Dizemos que ele 'relata', mas não é verdade, pois não apresenta nenhuma cicunstância, a não ser que Beatriz usava um vestidinho vermelho-sangue e que ele se apaixonou por ela naquele mesmo instante. Devemos acreditar nessas afirmações e, em especial, na idade dos dois protagonistas? Dante apresenta a 'Vida nova' como um capítulo extraído do livro 'livro de minha memória', mas os estudiosos se perguntam, e com razão, se o autor de uma obra que, para todos os efeitos, é literária e, digamos, até um romance, precisaria, ao se introduzir como personagem, respeitar fielmente os fatos nos quais se inspirara. A importância do número 9 na simbologia dantesca pode nos fazer desconfiar das idades e, portanto, da data: nunca saberemos se, afinal, ele não teria inventado inclusive o fato de tê-la encontrado pela primeira vez quando ambos eram crianças." (p. 75)

O historiador Alessandro Barbero utilizou não somente documentos, cartas e certidões que sobreviveram à passagem do tempo, mas também outras biografias famosas sobre Dante escritas anteriormente, como as de Boccaccio e de Leonardo Bruni, assim como trechos de livros do poeta florentino, principalmente da obra-prima Divina Comédia e dos tratados: Sobre a línguagem do vulgar, Monarquia e Convívio, além da autobiografia Vida nova. 

Sobre o autor: Alessandro Barbero leciona história medieval na Universidade do Piemonte Oriental, em Vercelli. Venceu o prêmio Strega em 1996 com o romance histórico Boa vida e guerras alheias do fidalgo Mr. Pyle. Entre suas obras estão: O dia dos bárbaros: 9 de agosto de 378; Dizionario del Medioevo e Medioevo: Storia di voci, racconto di immagini, ambos com Chiara Frugoni; e Donne, Madonne, mercanti e cavalieri: Sei storie medievali.

Onde encontrar o livro: Clique aqui para comprar Dante: A biografia de Alessandro Barbero

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

As 20 obras mais importantes da literatura brasileira

As 20 obras mais importantes da literatura portuguesa

As 20 obras mais importantes da literatura francesa

As 20 obras mais importantes da literatura japonesa

As 20 obras mais importantes da literatura dos Estados Unidos

20 grandes escritoras brasileiras