Caio Bulla - afiado, asfixiado, aficcionado

Poesia brasileira contemporânea
Caio Bulla - afiado, asfixiado, aficcionado - Editora Folheando - 80 Páginas
Capa de Gyzelle Góes - Lançamento: 2022.

Certos livros já nos surpreendem a partir do título, como é o caso da antologia de poemas de estreia de Caio Bulla, uma obra inspirada por poetas tão distintos quanto Paulo Leminski e Carlos Drummond de Andrade. Contudo, Caio soube, assim como seus mestres, encontrar a própria forma de falar dos mesmos e antigos questionamentos, coisas como o amor, a vida e, por que não, a morte; derradeira asfixia que irá privar o nosso organismo do processo repetitivo de inspiração e expiração. A literatura é sempre um exercício de redenção, principalmente em tempos sombrios, como resume o autor em seu prefácio: "[...] percebi ser preciso transformar constantes desalentos em matéria para a construção de uma sociedade cujo fim último não seja a morte, mas sim a igualdade, o bem-estar de todos, o respeito a justiça e a equidade social".

Os poemas foram reunidos em duas grandes partes: asfixiado e aficionado. Na primeira, são apresentadas diferentes percepções sobre a ansiedade de sobreviver em um país sem empatia, "o mundo é um atentado com muitos suspeitos", no qual os dias se transformaram em uma rotina burocrática on-line de redes sociais. Só nos resta aprender surpresos como, às vezes, é preciso "sangrar para parar de sangrar". Já em aficionado, os poemas são mais leves e falam de paixão, de "olhos-luz que me cegam" e outros versos afiados como este: "os pequenos objetos e os grandes monumentos me lembram você". Deixo alguns exemplos do trabalho de Caio Bulla, com a certeza de que, como no poema dedicado a Paulo Leminski, "distraídos venceremos".

meu silêncio me denuncia

serei muito tempo
mas meu tempo já se foi 
o grito que não dei hoje 
a força da minha falta 
matou tanto ontem 
tanto antes
quanto sempre 

é preciso 
cortar a carne 
como é respirar 
fundo 
atingir órgãos vitais 
sangrar para 
parar de sangrar

tatuagem

os jovens tatuados com a vontade de mudar o mundo
são os futuros velhos de camisa manga longa
para esconder aquele desenho imundo

data de validade
Pau-lo-ei (à La Minski)

distraídos
venceremos

merrecas

dá-me uma alma em branco
estou de partida
em meu peito mora o solavanco
das passagens de ida
me fazendo um louco saltimbanco
de modo suicida

tudo foi dito como pôde ser
dito em silêncio
silencioso grito

mínimo
eu desisti nos mínimos detalhes
de toda sapiência humana
eu, que começo uma jornada
trêmulo, inseguro
dando incertas sem precedentes
sem previsões

dizem de mim, me comparam
frio e forte
ah, sim, doce ironia
sou o frio das asas de Ícaro
ou um Sansão de peruca

eu sei
ser consciente da minha loucura
ainda me faz ser tão louco assim?
sou um louco que não cabe em mim
eu vomito uma corda sem fim
amarrada a um mundo
mundo este que (a)cabe, enfim [...]

sem título

seus olhos são olhos de nunca antes
e do que está por vir
são estes olhos olhos retirantes
aqueles que o porteiro informa 
acabaram de sair
olhos dos quais a única norma 
é não ter regra pra existir
seus olhos são a peça que me prega
esta pressa inútil de fugir
porque seus olhos, ou o jeito que me olha
são olhos que me dão asas
e ao mesmo tempo são gaiola
são olhos-luz que me cegam
mas também me fazem ver
que a gaiola é minha casa

Poesia brasileira contemporânea
Sobre o autor: Caio Bulla nasceu em 1991, em Maringá-PR. Graduado em Direito, é servidor público na cidade de Palmas. Lançou o livro de estreia, afiado, asfixiado, aficionado, pela Editora Folheando: "Os poemas não são, necessariamente, organizados por ordem cronológica. Compreendem, ainda, a possível maior forma de resiliência: o amor." Caio tem poemas publicados no blog Poesia na Alma, no portal Mirada Janela Cultural e nas revistas Toró, Aboio, Sucuru e Variações.

Onde encontrar o livro: Clique aqui para comprar afiado, asfixiado, aficcionado de Caio Bulla

Comentários

Caio Bulla disse…
Muito obrigado pelo carinho com a leitura e crítica do livro, Alexandre. Fiquei muito feliz com as palavras destinadas ao meu livro. Agradeço também este fundamental trabalho que realiza, difundindo cultura nesses tempos em que resistentes como você são tão necessários. Grande abraço!
Alexandre Kovacs disse…
oi Caio, obrigado pela visita e comentário generoso! Desejo boa sorte com a divulgação do livro e muito sucesso na literatura. Grande abraço

Postagens mais visitadas deste blog

As 20 obras mais importantes da literatura brasileira

As 20 obras mais importantes da literatura dos Estados Unidos

As 20 obras mais importantes da literatura portuguesa

As 20 obras mais importantes da literatura francesa

As 20 obras mais importantes da literatura japonesa

20 grandes escritoras brasileiras