Raul K. Souza - Ligações que rasgam

Poesia brasileira contemporânea
Raul K. Souza - Ligações que rasgam - Kotter Editorial - 76 Páginas - Projeto gráfico e editoração: Bárbara Tanaka - Capa: Anderson Junqueira Correa - Lançamento: 2021.

O curitibano Raul K. Souza faz desta antologia de poemas de estreia uma autobiografia muito especial ao relembrar de ligações afetivas com amigos e também referências de outros autores como Allen Ginsberg, Sylvia Plath, Leminski e Ana C, que marcaram a sua formação de poeta, uma espécie de cartografia da memória com flashes da infância até a maturidade, ou quase, cobrindo um período de vinte anos. Enfim, ligações que rasgam ao representar uma coleção de acertos e desacertos a qual costumamos chamar de vida. O curioso é que ao citar aspectos tão particulares da sua vivência e que obviamente não temos como conhecer, Raul acaba passando veracidade, fruto da experiência ou da sensibilidade, mas que provoca identificação imediata no leitor.

Essa é a mágica da literatura, quanto mais intimista o foco, mais abrangente é a representação humana. Difícil, sem dúvida, mas é preciso continuar, me lembra Beckett em O inominável: "(...) é preciso continuar, não posso continuar, é preciso continuar, então vou continuar, é preciso dizer palavras, enquanto houver, é preciso dizê-las, até que elas me encontrem, até que elas me digam, estranha pena, estranho pecado, é preciso continuar, talvez já tenha sido feito, talvez já tenham me dito, talvez já tenham me levado até o limiar da minha história, diante da porta que se abre para a minha história, isso me surpreenderia, se ela se abrir, vai ser eu, vai ser o silêncio, ali onde estou, não sei, não saberei nunca, no silêncio não se sabe, é preciso continuar, não posso continuar, vou continuar."

O livro é dividido em quatro partes com curiosos títulos que despertam a atenção: "a primeira hora do ruído", "uma pizza e dois pathos com gelo", "m. é uma costela de gatling assada" e "use o interfone agora". Deixo com vocês alguns exemplos da poesia de Raul K. Souza.

-------

meu melhor amigo e eu
subíamos em árvore para discutir filmes,
planejar nossa aventura
na locadora mais próxima.
em 2002, tínhamos laboratório de pedaços,
sucata e milho
cantávamos as bandas e desafiávamos os outros do bairro
em nosso palco de piso, casa derrubada
e odiávamos sermos os fracos da rua sem asfalto,
odiávamos principalmente meu primo
e os colegas da escola particular do meu melhor amigo.
como poderiam saber eles o final dos animês favoritos
a última carta inovadora do yu-gi-oh!
a tendência daquilo que nem tinha chegado ao brasil 2002
onde acontecia o atual

-------

ainda se é jovem na casa

são dois

a torneira vomitou uma onda
até o quarto
a porrada veio sem força
quando acertou o ruído do anjo
no documentário que passava na sala

acordo em três cabeças
nas manhãs de quarta-feira

há vestígio de urro
e de masturbação
fora dos telhados

e um cobertor fedendo a mijo
sobre os ombros dos teus vinte anos

-------

404

houve um lugar chamado 2012 entre o seu riso encharcado e o
meu braço tímido,

houve um lugar de quatro braços tateando livros como se tatuas-
sem o ano ao redor da mateus l.,

houve uma religião, mas todas as quartas eram evitadas, porque
quarta é o pior dia para começar no quarto que era,

304

ouve esta história na janela, segura tua garrafa de bebida no peito,
o amor sobre a pia e a universidade que pula atravessa a imagem
de john coltrane,

ouve esse grupo de pesquisa, me passa seus cigarros na cama
quando eu te passo duas mãos e o sentimento do muro,

ausculta a fumaça do banco de criança incendiado como quem
arrisca de vulnerabilidade ao telefone,

204

bom dia, aqui é francieli da Lady Lázarus Ltda:

preste atenção, querida, ainda
cai um pouco da sua vida

em pouco tempo
seremos duas deitadas
na linha mais ligamento
que cartografia,

bom dia, aqui é raul da Uivando no Telhado Comunicações:

há um preço
para olhar minhas cicatrizes, há um preço
para ouvir meu coração

térreo

atenda agora
e me conta das 404 perdas,
das 404 garrafas e histórias de amor
enquanto alguém dança um samba no tapete da sala
enquanto eu busco a pizza de escorpião &
creme de pathos em virgem,
me conta da tua solidão
não vou escrever a carta, mas eu busco a caneta
encantada, a bebida mágica e o cigarro
mais barato no posto iluminado, igreja de todos
os errantes noturnos
me conta dos 404 objetos que inventamos
e se ainda existem objetos quebrados
seus ombros já carregaram o concreto
mas a alma abraça a mesa dos quase 30,
com meu pedaço de mapa
um ombro de terra
com algo que continua

Sobre o autor: Raul K. Souza é natural de Curitiba, com formação em Filosofia, largou uma especialização em Direitos Humanos para andar de bicicleta e depois também largou a bicicleta. Escreveu o Zine independente Astronautas pedem uma pizza e dois pathos com gelo (2017), produzido junto de Francieli Cunico e de Antonio Lopes. Muito crítico, pois virginiano.

Onde encontrar o livro: Clique aqui para comprar Ligações que rasgam de Raul K. souza

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

As 20 obras mais importantes da literatura brasileira

As 20 obras mais importantes da literatura dos Estados Unidos

As 20 obras mais importantes da literatura portuguesa

As 20 obras mais importantes da literatura francesa

As 20 obras mais importantes da literatura japonesa

20 grandes escritoras brasileiras