César Vallejo - Escalas Melografiadas e Fábula Selvagem

Literatura peruana
César Vallejo - Escalas Melografiadas e Fábula Selvagem - Editora Bandeirola - 176 Páginas - Tradução de Ellen Maria Martins de Vasconcellos - Projeto gráfico, capa, diagramação: Thaís de Bruÿn Ferraz - Lançamento: 2022.

O escritor peruano César Vallejo (1892-1938) lançou dois livros de poesia em vida: Os Arautos Negros (1918) e Trilce (1922). Depois, em 1923, publicou Escalas Melografiadas e Fábula Selvagem, obras em prosa, reunidas neste volume em tradução inédita no Brasil, projeto editorial de Sandra Abrano da Editora Bandeirola, prefácio de João Mostazo e posfácio de Antonio Merino. Ainda em 1923, após ser preso injustamente por 112 dias, Vallejo deixou o Peru para um exílio voluntário na Europa, tendo morrido na França aos 46 anos, em 1938. Hoje é considerado um dos grandes escritores da literatura hispano-americana do séulo XX, tendo consolidado um estilo fantástico que inspirou, entre outros movimentos, o realismo mágico na literatura latino-americana da década de 1950.

Os contos de Escalas Melografiadas foram escritos durante e logo após o período passado por Vallejo na prisão, a primeira parte, Cuneiformes, integralmente escrita no cárcere e constituída por uma série de narrativas curtas protagonizadas por outros prisioneiros, assim como reflexões sobre a justiça: "A justiça não é função humana. Não pode ser. [...] A justiça só assim é infalível; quando não vê através das lentes inúteis dos juízes; quando não está escrita nos códigos; quando não está a serviço dos cárceres e dos guardas. / A justiça, assim, não se exerce, não pode ser exercida pelos homens, nem pelos olhos dos homens. / Ninguém é delinquente nunca. Ou todos somos delinquentes sempre." Como bem destacado no posfácio de Antonio Merino, existe uma similaridade com o personagem de Kafka, Josef K., no clássico O processo.

"Este homem é um delinquente. Através de sua máscara de inocência, o criminoso só se denuncia. Durante sua tagarelice, minha alma o seguiu, passo a passo, na manobra proibida. Nós dois festejamos dias e noites de algazarra, munidos de bravateiros álcoois, dentaduras gargalhantes, cordas enfermiças de violões, navalhas em guarda, e crápulas até a última gota de suor e tédio. Pelejamos com a companheira indefesa que chora para que não beba o marido e para que trabalhe e ganhe os centavos ao menos para os pequenos, que para ela Deus proverá... e logo, com as entranhas ressecadas e ávidas do pileque, demos a cada madrugada o salto brutal à rua, fechando a porta sobre os beiços da prole gemebunda. / Com ele, também sofri os fugazes chamados à dignidade e à regeneração; enfrentei as duas caras da moeda, duvidei e até senti quando ele rompeu o calcanhar que lhe insinuava a meia-volta. Em uma manhã, teve pena o manguaceiro, pensou em ser formal e honrado, saiu a buscar trabalho, mas logo tropeçou com um amigo e, de novo, a bile se cortou. No final, a necessidade o fez roubar. E agora, pelo que lhe confere seu processo penal, não tardará sua condenação." - Trecho de Muro duplo (pp. 31-2)

Na segunda parte de Escalas Melografiadas, uma reunião de contos sob o título de Coro de Ventos, apresenta narrativas mais longas que tratam de temas variados. Em Além da Vida e da Morte, o protagonista retorna ao seu vilarejo natal após onze anos de ausência, lembrando da infância, os irmãos, a casa e a mãe já morta. O Filho Único é uma interessante fábula de amor platônico que se transforma em uma crítica mordaz aos dogmas da igreja. Já no ótimo Os Caynas, o argumento é a loucura, quando todos os integrantes de uma família se tornam "vítimas de uma obsessão comum, de uma mesma ideia, zoológica, grotesca, lastimosa, de um ridículo fenomenal; acreditavam ser macacos, e, como tais, viviam." A estranha obsessão se espalha por toda a cidade e, no final, a loucura e o seu tratamento se tornam temas subjetivos, na conclusão do próprio narrador que pensa ainda ser um homem e não um macaco: "E aqui vocês me têm, louco", me lembrou muito O Alienista de Machado de Assis.

"Minha mãe me convidou a ir uma noite com ela saber do estado dos parentes loucos. Não encontramos na casa nenhum deles, exceto a mãe de Urquizo, que, quando chegamos, entretinha-se em folhear tranquilamente um calhamaço de papeizinhos, à luz de uma lâmpada que pendia no centro da sala. Dado o isolamento e atraso daquele povoado, que não possuía instituições de beneficência, nem esquadrão de polícia, esses pobres doentes da cabeça saíam quando queriam à rua, e assim era comum vê-los a qualquer hora cruzar onde quisessem pelo lugarejo, introduzir-se nas casas, despertando sempre o riso e a piedade em todos. / A mãe dos loucos apenas nos enxergou, gritou agudamente, franziu as sobrancelhas com força e certa ferocidade, seguiu fazendo-as vibrar ce cima para baixo várias vezes, e atirou com um mecânico gesto os papéis que manuseava; e, se acocorando sobre o assento, com infantil rapidez rapidez escolar de quem enfrenta o professor, recolheu seus pés, dobrou os joelhos até a altura do nascimento do pescoço, e, desde esta forçada atitude, parecida à das múmias, esperou que entrássemos na casa, cravando-nos, brilhantes, móveis, inexpressivos, selváticos, seus olhos teiaranhados que aquela noite se comportavam assombrosamente como os de um macaco. Minha mãe se agarrou a mim assustada e trêmula, e eu mesmo me senti surpreendido de terrífica sensação de espanto. A louca parecia furiosa." - Trecho de Os Caynas (p. 70)

Na novela Fábula selvagem, a narrativa utiliza elementos fantásticos da cultura popular, colocando em risco a sanidade mental do protagonista, Balta Espinar, que mantinha uma existência feliz com sua jovem esposa Adelaida até que ocorre um evento de mau agouro: "Aproximou-se do pilar e puxou o prego que prendia o pequeno espelho. Viu-se nele e teve um súbito estremecimento. O espelho se estilhaçou no pavimento de cerâmica, e no ar tranquilo da casa ecoou um áspero e brevíssimo ruído de vidro e latão." A partir da quebra do espelho o comportamento de Balta muda gradativamente dominado pela personalidade de um "outro". Esta bem-cuidada edição é uma ótima oportunidade de conhecer os textos do peruano César Vallejo, um livro muito recomendado.

"Balta lembrou-se de uma coisa estranha de quando se olhou no espelho naquela manhã: vira cruzar pelo cristal uma cara desconhecida. Foi o espanto que relampeou em seus nervos fazendo-o derrubar o espelho. Passados alguns segundos dessa sensação, acreditou que alguém tinha surgido por detrás dele, e depois de se virar às costas e a todos os lados em sua busca, pensou que devia estar ainda transtornado pelo sono, pois acabara de se levantar, e se tranquilizou. Mas, agora, no meio da noite, ouvindo os prantos de sua mulher insone, a cena do espelho surgia em sua mente e o atormentava. Não obstante, reconheceu ser seu dever consolar a Adelaida. [...] No dia seguinte, a primeira coisa que fez Balta foi sair à rua e comprar um espelho. Tinha a fantástica obsessão do dia anterior. Não se cansava de olhar o cristal, pendurado na coluna. Inutilmente. A projeção de seu rosto agora era normal e não se turvou nem a mais leve estranha sombra." - Trecho de Fábula selvagem (pp. 109-10)

Literatura peruana
Sobre o autor: César Abraham Vallejo Mendoza (1892-1938) foi um poeta de tendência vanguardista, considerado pela crítica especializada como um dos maiores poetas hispano-americanos do século XX e o maior poeta peruano, tendo sido também contista, romancista, dramaturgo e ensaísta. Engajado na luta contra o fascismo que tomou conta de parte da Europa no entreguerras, Vallejo era chamado por Eduardo Galeano de "o poeta dos vencidos", tendo vivido na pobreza, sem nunca abandonar sua dedicação à escrita e à militância política. Depoimentos de Neruda, Picasso, Mariátegui, Arguedas entre os mais conhecidos, têm Vallejo como um escritor ímpar, atestando sua vida e produção literária singular.

Onde encontrar o livro: Clique aqui para comprar Escalas Melografiadas e Fábula Selvagem de César Vallejo

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

As 20 obras mais importantes da literatura japonesa

As 20 obras mais importantes da literatura francesa

20 grandes escritoras brasileiras

As 20 obras mais importantes da literatura italiana

As 20 obras mais importantes da literatura portuguesa

As 20 obras mais importantes da literatura dos Estados Unidos