Tadeu Sarmento - A vida se ilumina

Literatura brasileira contemporânea
Tadeu Sarmento - A vida se ilumina - Editora Caos & Letras - 184 Páginas - Projeto gráfico: Cristiano Silva - Capa: Eduardo Sabino - Lançamento: 2022.

A vida se ilumina é uma coletânea de contos que têm o futebol como elo de ligação e nos quais são revisitados alguns dos eventos mais dramáticos da história da humanidade sem, contudo, perder a leveza e o tom bem-humorado. Deve ter sido forte para o autor a tentação de escolher uma epígrafe para este livro de Nelson Rodrigues – nosso maior cronista esportivo e um dos poucos escritores nacionais que ousaram utilizar o futebol como inspiração na literatura –, mas Tadeu Sarmento soube escapar ao óbvio ululante e optou por uma frase que simboliza a liturgia que envolve o esporte mais popular do mundo: "O futebol não é uma questão de vida ou de morte. É muito mais importante que isso." (William "Bill" Shankly, jogador e técnico escocês).

Em A invenção de Ramirez o protagonista-narrador se recupera de ferimentos em um hospital da Cruz Vermelha em 1936, no início da Guerra Civil Espanhola, e faz amizade com Alejandro Campos Ramirez, que se tornou poeta, influenciado por Federico Garcia Lorca. Além de poeta, Ramirez é um apaixonado por futebol e logo passa a organizar partidas entre os pacientes. Os dois personagens perdem o contato após a vitória dos franquistas em 1939, para se reencontrar somente muitos anos depois quando o protagonista, estabelecido como ferreiro e carpinteiro, recebe uma encomenda inusitada do velho amigo: um invento que ficaria conhecido no mundo inteiro como "pebolim" ou "totó", inspirado no tênis de mesa, e que traria um pouco de alegria aos jovens inválidos da guerra.

"Um mês depois e Ramirez se cansou de ler para nós, decidindo organizar partidas de futebol no pátio do hospital. Alimentar o corpo, fazer circular o sangue e não apenas o espírito, ele dizia, embora deixasse claro que, desde seu encontro com Lorca, não acreditasse em nada que fosse imaterial: espíritos, anjos, demônios ou Deus. Nem no ar, perguntei, brincando, Ramirez olhou para mim dando a entender que tivesse dito algo estúpido, sem levar em conta meu bom humor no dia e passando a impressão de que tinha mais o que fazer que ficar ouvindo gracinhas. Em seguida pediu licença e saiu. Foi falar com a enfermeira-chefe sobre os jogos e ela, a princípio não viu problema algum na proposta, desde que os doentes mais graves não fossem convocados. De qualquer modo, precisaria consultar o diretor-chefe, que era quem poderia dar palavra final sobre o assunto. Ele vai aceitar, disse Ramirez para mim, alegando já tê-lo visto pelos corredores, fazendo embaixadinha com uma bola de meia. É aquele que usa um tapa-olho, perguntei. Ramirez balançou a cabeça afirmativamente. E por que não foi direto falar com ele? Precisamos respeitar hierarquias, isso aqui é uma guerra, foi o que respondeu. [...]" - Trecho do conto A invenção de Ramirez (pp. 19-20)

Já no conto O trabalho liberta, o cenário é o terrível campo de concentração de Auschwitz em 1943, durante a Segunda Grande Guerra. Uma surpresa aguarda o diretor do campo, Rudolf Höss, oficial alemão da SS nazista, organizador do tradicional jogo de boas-vindas "guardas versus prisioneiros" para os infelizes que sobreviviam aos trens de carga e ali chegavam, pensando estar apenas em um campo de trabalhos forçados. Em outras narrativas da coletânea, são ex-jogadores, "heróis de outrora do Clube", que voltam a ser protagonistas ao relembrar o passado como no asilo descrito em Elefantes, onde o pai do narrador algumas vezes ainda consegue escutar os gritos de uma torcida que, apesar da decadência do corpo e da proximidade da morte, ainda resiste em suas lembranças.

"Falaremos agora apenas do pai. Ele lê jornais do dia anterior, pega emprestado de um amigo que tem a assinatura. É desse jeito que o mundo só lhe fere com notícias de ontem. Ambos (pai e amigo) moram em um asilo para antigos ídolos do futebol, com eles, outros jogadores aposentados, pertencentes a um tempo no qual, infelizmente, não se fazia fortuna nos gramados. O asilo é mantido com um fundo aberto entre sócios da velha guarda do Central em honra aos heróis de outrora do Clube. Aos heróis que insistem em não morrer, pelo menos. Mas o pai não é velho o suficiente para estar lá. Só é velho o bastante para insistir em não morrer. Ele insiste, mas sem nenhum heroísmo. Outro dia o vi, da janela do ônibus, andando na rua. É lento e deslocado, um fantasma de campeonatos distantes, dos quais participou quando novo. Caminha com a dignidade de quem traz no bolso fotografias de amigos mortos. E traz. Vez ou outra diminui o passo, hipnotizado pelo grito de uma torcida que só existe em suas lembranças. Está no asilo porque o alcoolismo desconhece times ou classe social. [...]" - Trecho do conto Elefantes (pp. 89-90)

A vida se ilumina, que empresta o título à coletânea, é um dos melhores contos do livro, livremente inspirado na biografia sobre o glorioso Catraca, Futebol e Cachaça (Cafuca), time formado pelo pai do autor e alguns dos colegas da faculdade de engenharia em 1970, um enredo que fala de perseguição política no anos do regime militar e um personagem misterioso e temido chamado Sueco que costumava reagir com violência às decisões dos juízes. Ao longo do livro, alguns personagens retornam em outros contos, como é o caso do lendário cronista esportivo Aramis Pelotas ou de Laura, uma "maria chuteira de primeira categoria". O futebol – está definitivamente provado – é uma grande inspiração literária que Tadeu Sarmento aproveitou com muita originalidade.

"Naquele tempo, os cartões vermelho e amarelo sequer existiam, de modo que as marcações eram feitas na base do apito e das advertências verbais, ou seja, apitei e adverti o puto por duas vezes seguidas; na terceira, que equivaleu a um encontrão maldoso com outro jogador, não deu outra: o brutamontes estava expulso e eu estava morto. Só que não foi bem assim que aconteceu. Para minha surpresa, e contrariando a expectativa de todos, inclusive dos meus joelhos trêmulos, o gigante acatou minha decisão e deixou o campo mastigando a própria língua e procurando meus olhos enquanto caminhava, o que na época considerei uma tentativa de intimidação ou deboche. Fiquei a ponto de desmaiar durante o restante da partida, observando, de esguelha, os reservas do seu time ficarem, do banco e de punhos cerrados, inflamando o Sueco contra mim. Claro, estavam fazendo minha caveira, e eu só podia supor que assim que o jogo terminasse essa caveira seria rachada em mil pedaços. Bem, agora que estou no inferno o jeito é abraçar o capeta, pensei, e me tornei ainda mais severo no jogo. Minha ótima forma física e pernas longas (que me valeram entre os rapazes o apelido de 'Gazela') permitiam que eu marcasse em cima do lance e eu marcava mesmo, não deixando escapar nada. [...]" - Trecho do conto A vida se ilumina (pp. 123-4)


Sobre o autor: Tadeu Sarmento (Recife-PE), radicado em Belo Horizonte (MG), é autor de dez livros, entre romances, poesia e biografias. Ganhou o II Prêmio Pernambuco de Literatura com Associação Robert Walser para sósias anônimos, o Prêmio Governo de Minas Gerais de Literatura de 2016 com Um Carro Capota na Lua. Em 2017, conquistou o 13º Prêmio Barco a Vapor, com o juvenil O Cometa é um Sol que não deu Certo, publicado pela Edições SM. Em 2020, foi novamente finalista do Prêmio Barco a Vapor, desta vez com dois livros. Em 2021 publicou Ester ou Antígona pela Editora Uboro Lopes.

Onde encontrar o livro: Clique aqui para comprar A vida se ilumina de Tadeu Sarmento

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

As 20 obras mais importantes da literatura japonesa

As 20 obras mais importantes da literatura francesa

As 20 obras mais importantes da literatura italiana

20 grandes escritoras brasileiras

As 20 obras mais importantes da literatura dos Estados Unidos

As 20 obras mais importantes da literatura brasileira