César Amorim - Decaídos: Entre Anjos e Sombras

Literatura brasileira contemporânea
César Amorim - Decaídos: Entre Anjos e Sombras - Editora Penalux - 134 Páginas - Editoração eletrônica e capa: Karina Tenório - Lançamento: 2023.

A epígrafe certeira de Edgar Allan Poe: "O terror dos meus relatos advém da obscuridade do meu coração", nos dá uma boa pista sobre o estilo fantástico ou sobrenatural que estamos prestes a acompanhar nos oito contos reunidos neste lançamento do roteirista César Amorim. Narrativas nas quais os sinais de perversão e crueldade não se enquadram exatamente na definição judaico-cristã de anjos como mensageiros de Deus, escapando ao controle moral da família e da sociedade em um universo transfigurado, o qual, no entanto, percebemos não ser tão diferente assim da nossa própria realidade. Na verdade, os anjos imaginados pelo autor estão mais próximos de Lúcifer, expulso do paraíso e normalmente identificado com o Diabo.

Os protagonistas, apesar de suas belas asas, incorporam o lado sombrio da natureza humana, que os transforma algumas vezes em psicopatas e em outras em instrumentos involuntários do mal, um destino do qual são incapazes de escapar. César Amorim, utiliza a estratégia de conectar alguns personagens entre as diferentes narrativas curtas isoladas que se transformam dessa forma em novelas, renovando o interesse do leitor. No conto de abertura, A escolhida, Regina é uma jovem com poderes paranormais que perde a mãe e as irmãs, soterradas por um deslizamento de encosta na favela. Ela passa a morar somente com o pai após a tragédia o que resulta em uma gravidez indesejável, tendo sido o incesto induzido por uma entidade diabólica.

"Eram exatamente quatro e meia da tarde quando Regina perdeu sua família. O barraco todo foi ao chão. O desabamento aconteceu diante de seus olhos. Talvez tenha ouvido, não se recordaria direito mais tarde, os gritos de sua mãe e irmãs dentro dele. Uma montanha de barro e rochas deslizou sobre ele, transformando sua casa em um amontoado de terra vermelha e pedras gigantescas. O rio vermelho do barro misturado com a água da chuva veio com força sobre os pés de Regina, parada, imóvel na ladeira escorregadia. Parada onde estava, ela só conseguia pensar em uma coisa: sua vida. Agora sim, viveria num inferno legítimo. Aquele dia vermelho não deixava dúvidas. O barro, o sangue, o seu inferno. Só o diabo suportaria o que já era insuportável. / Saindo do torpor momentâneo, percebendo que não conseguiria remover todos aqueles destroços sozinha, correu ladeira abaixo, correu muito, com muita vontade de chegar a algum lugar onde houvesse uma esperança para sua família, onde pudesse encontrar alguém que a ajudasse, que a salvasse do destino que se desenhava diante de si. / Correu, deixando no caminho o rastro de sangue que, infelizmente a acompanharia até o fim de sua curta existência." (p. 15) - Trecho de A escolhida

Já em Sr. Bovary, Abílio Peçanha é mais conhecido na crônica policial como "Psicopata da Cabeça", um serial killer que procura reencontrar o seu primeiro amor. Nesta busca, o nome da vítima pode representar a sua sentença de morte: "Quando Abílio Peçanha conheceu Clara, achou que seu nome não combinava com o dela e, para ela, era Carlos. Clara nunca soube o verdadeiro nome do namorado, nem mesmo quando estava sendo estrangulada por ele e tendo a cabeça decepada." A rotina de assassinatos continua em diversas cidades até que Abílio encontra uma mulher com nome compatível e interrompe a matança desenfreada. Após algum tempo, a violência acaba retornando, mas dessa vez as vítimas do passado virão se vingar.

"Foi tudo muito rápido. Com enorme agilidade, Abílio puxou Emma pelo pescoço e a estrangulou na frente das crianças, que, desesperadas, quando seus pés obedeceram ao clamor dos seus cérebros, correram para o quarto na tentativa de se livrarem da morte iminente. / Em vão. / Abílio foi atrás delas e, uma por uma, após desferir socos e pontapés que as mantiveram desacordadas, também as esganou. Calmamente, então, foi até a cozinha e pegou um facão bem-amolado. Como um robô, que segue meticulosamente o que foi programado, cortou os pescoços de todas, com tamanha habilidade, que deixaria um exímio açougueiro impressionado. Foi dar o último talho no pescoço de uma das gêmeas, fazendo a cabecinha loira rolar de cima dos ombros, que sentiu que não estava mais sozinho no ambiente. / Ao seu redor, apesar da intensa luminosidade do apartamento, sombras se formavam e assumiam, aos poucos, formas humanas, formas que Abílio acreditava que jamais tornaria a ver. Formas de todas as mulheres que foram suas vítimas!" (pp. 51-2) - Trecho de Sr. Bovary

No conto A beleza suprema, a jovem Ludmila carrega uma maldição que provoca a morte por onde ela passa, na verdade um lindo par de asas que esconde com o sobretudo: "Quando Ludmila bateu suas asas e se afastou da sua comunidade, ela não tomou conhecimento da destruição que a sua simples existência causara. A beleza arrebatou todos aqueles que tiveram o privilégio, ou a desgraça, de olhar para a menina alada." A condição de Ludmila é na verdade uma cruel condenação à solidão porque ninguém conseguirá sobreviver à sua estonteante beleza. 

"Primeiro veio a lágrima. Apenas uma. Fortuita. Cor de sangue. Depois outras e mais outras. Em pouco tempo, dos olhos de Danilo jorrava a cor vermelha. Ele suspirou. Levantou as mãos ao céu. Depois as trouxe até seu peito. Estava em êxtase absoluto. Sua respiração tornou-se acelerada, seus lábios exibiam um sorriso indecifrável – uma mistura nebulosa de horror, dor e deslumbramento. Ludmila não se mexia, mas suas asas gigantescas balançavam graciosamente, levantando, de quando em quando, os cabelos lisos e um pouco compridos de Danilo. / Em questão de segundos, o rosto do rapaz perdeu a cor. Ficou subitamente pálido. Ele escancarou a boca, revirou os olhos, parecia que atingia um gozo tão poderoso causado pelo deslumbramento, pela beleza arrebatadora, que conduziu o pobre rapaz para a morte." (p. 111) - Trecho de A beleza suprema

Literatura brasileira contemporânea
Sobre o autor: Nascido em Natal/RN, César Amorim é roteirista e dramaturgo. Graduado em Engenharia Civil e pós-graduado em Arteterapia, foi um dos roteiristas das séries de sucesso: Tapas e Beijos, Cine Holliúdy e Chapa Quente, todas na TV Globo. Foi redator final da série Vai Que Cola, no Multishow, além de ser um dos roteiristas da série Nada Suspeitos, na Netflix, e da série B.O., já em produção, também para a Netflix. em 2023, participa de três antologias literárias.

Onde encontrar o livro: Clique aqui para comprar Decaídos: Entre Anjos e Sombras de César Amorim

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

As 20 obras mais importantes da literatura francesa

As 20 obras mais importantes da literatura japonesa

As 20 obras mais importantes da literatura italiana

As 20 obras mais importantes da literatura portuguesa

Melhores seleções de livros de 2016 em um só lugar!

As 20 obras mais importantes da literatura brasileira