Marcos Alexandre Faber - Por dentro de Rita Hayworth

Literatura brasileira contemporânea
Marcos Alexandre Faber - Por dentro de Rita Hayworth - Editora Reformatório - 74 Páginas - Design, editoração eletrônica e capa: Karina Tenório - Lançamento: 2023.

O mais recente lançamento do escritor, professor, poeta e músico pernambucano Marcos Alexandre Faber é uma novela narrada em primeira pessoa por Rita Hayworth (1918-1987), mas não uma personagem representando a glamourosa atriz norte-americana em carne e osso e sim uma imagem dela em um pôster na parede de uma cela. Em uma criativa construção literária de intertextualidade, esta cela pertence a Andy Dufresne, na prisão de Shawshank, retratada no filme "The Shawshank Redemption" estrelado por Tim Robbins e Morgan Freeman e lançado no Brasil como “Um sonho de liberdade” em 1994, livremente inspirado em "Rita Hayworth and Shawshank Redemption", uma novela escrita por Stephen King e publicada em 1982.

Na trama original, o banqueiro Andy Dufresne é condenado a duas prisões perpétuas na Penitenciária Estadual de Shawshank pelo suposto assassinato de sua esposa e do amante dela. Lá, ele fica amigo de outro detento, Ellis Boyd "Red" Redding, que promove contrabandos na prisão e consegue um pequeno martelo de geólogo e depois um pôster de Rita Hayworth a pedido de Andy, instrumentos que serão utilizados no seu plano de fuga, após mais de vinte anos encarcerado injustamente. Na obra de Marcos, todo o protagonismo vai para a imagem de Rita Rayworth que, apesar de também aprisionada na sua condição de papel e tinta, acaba se apaixonando pela personalidade franca e gentil de Andy Dufresne, logo percebendo a sua inocência.

"Em 1949, quando cheguei a Shawshank, eu pensava que já tinha visto tudo na vida e na arte. Três casamentos, três dezenas de filmes, uma mudança de nome e uma transformação radical que me fizeram um mito. / Lembro bem quando aportei. Eu vim como uma encomenda, por 2,50 dólares mais comissão, e desde o início foi diferente de tudo. Ao sair do tubo com meus 1,30 metros, me senti como um gênio libertado da lâmpada para atender aos pedidos do seu dono. E tudo que eu queria era satisfazer logo qualquer capricho ou fetiche para ser esquecida. Nesta hora pode começar um longo processo de violência e abusos. Não foi o caso. / Ao me tirar do casulo, Andy Dufresne, prisioneiro 81433, não me olhou nos olhos. Na verdade, ele olhou através de mim. Parecia longe, distante, como quem tem um plano inacessível. / Foi a sua mão delicada que, ao me pôr na parede, me disse a primeira coisa sobre ele. Uma mulher sempre olha nas mãos de um homem e as dele eram macias com dedos longos de pianista e unhas aparadas, diferente das encaliçadas dos mecânicos e dos lavradores de batata e cebola do Oregon, presenças mais vulgares na penitenciária e que eu conhecia tão bem." (pp. 19-20)

O que mais surpreende na estratégia ficcional de Marcos, além da convincente narrativa na voz feminina, já bem-sucedida em sua novela anterior, "A leitora de poesia", foi a humanização da imagem de Rita Hayworth, transformada de objeto sexual em um ser humano completo, certamente um desejo da mulher e mito Rita Hayworth – nascida Margarita Carmen Cansino – que talvez trocasse de bom grado os tapetes vermelhos e flashes dos paparazzi pela chance de um único e verdadeiro amor: "Eu não sabia que existiam homens desta espécie. Por que eu perdi tanto tempo procurando em lugares errados? Estes seres não fazem cinema, nem frequentam as festas da Broadway. A indústria é um lugar de perversão, não cabem anjos como o Andy."

"Minha Virgem do Pilar, padroeira de Saragoça e de Espanha me ajude. Proteja o meu Andy. A Senhora que tem o poder da bilocação me leve ao Andy. Não o deixe só. Tu que apareceste em companhia dos anjos para Tiago quando teve dificuldade em seus sacrifícios missionários às margens do Ebro não o abandones enquanto estiver longe de mim. / Tu bem sabes que eu não tenho como pagar uma promessa, não tenho como ir à Basílica de joelhos, não posso jejuar, mas posso pedir de coração. Transporta pela mão dos anjos o Andy de volta para mim. / Não por acaso que hoje é dia 12 de outubro, as Fiestas del Pilar. Tu que tens o dom místico, me faz este milagre. Em troca te faço uma promessa, um sacrifício: Eu que havia pensado em rogar-te para ser gente, para que me transformasse em uma pessoa de carne e osso, para que eu pudesse tê-lo em meu corpo, de tudo abdico: Eu nada quero e tudo suporto, eu me conformo e me resigno com a minha condição de papel e tinta, mas proteja o Andy e o traga para mim. Deixe-me vê-lo ao menos uma vez mais. / Protege, um por um, cada fio de seus cabelos, cada um dos seus dentes e dedos. Coloca o teu manto e não deixa que nenhuma faca o perfure, que nenhuma bala o encontre. Mas sobretudo, que ele sinta vontade de voltar. Que ele não desista de viver dentro daquela cela escura, por onde não entra a luz, onde os demônios se escondem. Eu conheço por dentro a alma nobre daquele homem. Não seria justo um inocente sucumbir diante dos malvados, dos perversos do mundo. / Se eu não acreditasse em milagres, eu não teria como explicar as lágrimas que me caíram do rosto." (pp. 52-3)

Literatura brasileira contemporânea
Sobre o autor: Marcos Alexandre Faber inventou-se poeta no Recife. Aprendeu poesia pelo olhar, pelo cinema da palavra. Precisava da música ao redor e escreveu canções com os amigos. Teorizou a poesia com um doutorado na Cidade do Porto. Virou professor na Universidade e em dois estudos pós-doutorais vem esquadrinhando as relações da literatura com o cinema e com a música. Trocou o litoral pelo Sertão. Mudou de nome. Pôs o poema deitado na folha e se botou a narrar histórias. Dependente de café, prefere ler e ouvir canções em suportes como o livro e o disco de vinil. Faz do voto um ato de esperança contra o medo. Ambiciona deixar para os filhos um mundo mais justo e criativo. É autor, entre outros, de “Recife Porto” (EDUFPE, 2004), “A poesia da Geração 65” (CEPE, 2019) e “A leitora de poesia” (Reformatório, 2021).

Onde encontrar o livro: Clique aqui para comprar Por dentro de Rita Hayworth de Marcos Alexandre Faber

Comentários

Valéria Martins disse…
Ameeei ❤️ obrigada
Alexandre Kovacs disse…
Oi Valéria, fico feliz que tenha gostado!

Postagens mais visitadas deste blog

As 20 obras mais importantes da literatura francesa

As 20 obras mais importantes da literatura japonesa

20 grandes escritoras brasileiras

As 20 obras mais importantes da literatura portuguesa

As 20 obras mais importantes da literatura dos Estados Unidos

As 20 obras mais importantes da literatura brasileira