Flavia Kaiser - Prece de Pescador

Literatura brasileira contemporânea
Flavia Kaiser - Prece de Pescador - Editora Pedregulho - 220 Páginas - Capa e projeto gráfico: Marília Carreiro - Ilustração de capa: Orádia Porciúncula - Lançamento: 2023.

Em seu romance de estreia, Flavia Kaiser nos apresenta uma narrativa leve em ritmo de roteiro cinematográfico, para contar as idas e vindas de uma relação amorosa complicada, como todas elas são normalmente. Os protagonistas, Diana e Gabriel, se aproximam e afastam ao longo de uma década, mostrando como esse fenômeno incontrolável que convencionamos chamar de destino, pode ser decorrente de uma série de escolhas, algumas influenciadas pelo preconceito e nem sempre conscientes, ou, simplesmente, resultado do puro acaso. No final, o sentimento verdadeiro é aquele que permanece, apesar dos erros cometidos e das turbulências da vida.

O encontro de Diana e Gabriel, ambos adolescentes estudando para o vestibular, acontece em uma ilha paradisíaca em Angra dos Reis, Rio de Janeiro. Ela, vindo passar uma temporada com a avó depois da morte trágica da mãe e ele um típico morador local, filho de pescador. Gabriel é um jovem negro que passa por muitas situações decorrentes do racismo estrutural da nossa sociedade. O preconceito do pai de Diana faz com que ela mantenha o relacionamento em segredo, o que acaba afastando o casal quando ela vai estudar em São Paulo e Gabriel no Rio. 

"Uma tarde, sozinhos entre as pedras e as flores, Diana se despiu e pulou no mar. Gabriel a observou, absorto, por alguns segundos, e a seguiu. Dentro do mar, tentou beijá-la; ela fugiu de suas mãos, jogou água nele, fingindo desdém. Depois do mergulho, deitaram sobre a pedra, um ao lado do outro. Gabriel disse, um bocado inseguro, Tenho vontade de beijar teu corpo todo, Gringa linda... E aquela voz doce fez carinho no ouvido dela, um toque macio que descia pelo pescoço, fazendo cócegas. Diana se virou para ele, apontando para a garganta, Beija aqui? Ele aproximou o rosto da orelha dela e lambeu a água de sal na pele arrepiada de seu ombro, encostou a cabeça em seu peito, ouvindo o coração palpitar acelerado; acariciou-lhe os seios, Tão macios! Diana esvaziou a mente e botou para fora o impulso, Quero tentar de novo, disse. Vamos pra minha casa, ele sugeriu, animado; ela concordou. Cataram suas roupas e saíram correndo. Só pararam na cama de Gabriel, onde ela se deitou primeiro. Pela primeira vez arriscou olhar para o corpo nu dele (tinha deliberadamente evitado até então). Ele percebeu que o rosto dela queimava, vermelho como pimentão; perguntou, Quer pegar? E ela, caindo na gargalhada, Não! Ele riu também. As risadas devem ter ajudado, porque dessa vez não houve incômodo algum; Diana levou só um sustinho ao perceber os dois corpos já perfeitamente encaixados. Gabriel!, ela sussurrou, os olhos bem abertos, se acostumando com as sensações e os movimentos, a pele úmida das costas dele. Gabriel, repetiu, e ele perguntou, Tudo bem? Ela confirmou com um sorriso." (pp. 38-9)

Diana e Gabriel se envolvem em outros relacionamentos nas suas respectivas trajetórias de vida, mas uma imprevisível torrente de acontecimentos, novamente o destino, irá aproximá-los, mesmo que esse reencontro seja envolvido por muita dor e arrependimento, pelas coisas que não podem mais ser modificadas. Apesar do tom leve do romance, principalmente na parte inicial, a autora toca em alguns temas espinhosos da nossa sociedade que precisam ser combatidos, tais como o preconceito racial, inclusive a reação ao sistema de cotas nas universidades, perseguição religiosa e a violência familiar decorrente da homofobia.

"Dois agentes se aproximaram e sinalizaram para que o carro encostasse. Os dois abriram suas janelas e os policiais se posicionaram cada um de um lado do carro. À frente surgiu um terceiro, mão na arma. Cíntia acendeu as luzes internas e esperou. O primeiro policial deu um rápido boa-noite. Tudo bem aí, moça? / Mantendo as mãos ao volante, Cíntia leu Gomes no uniforme do homem, devolveu o cumprimento e afirmou que sim com a cabeça. / Documento do veículo e habilitação, por gentileza, / Ela atendeu com um gesto lento da mão direita. / E o sujeito no banco de passageiro? / É meu namorado, ela respondeu, a voz oscilando. / O segundo policial, ao lado de Gabroel, deu uma risada incrédula e irônica para o colega. Bateu com o cano da arma na porta e disse, Mãos na cabeça, desce do carro." (p. 84)

Literatura brasileira contemporânea
Sobre a autora: Flavia Kaiser nasceu em Vitória, ES, em 1978. Formou-se em Letras-Inglês pela UFES (2003), onde lecionou língua inglesa para adolescentes e adultos no Centro de Línguas para a Comunidade. Concluída a licenciatura, estudou Literatura Francesa e História da Arte por um ano em Paris. Em 2004 seguiu para a Dinamarca, onde vive até os dias atuais. É mestranda em Língua Inglesa pela University of Nottingham desde 2021. Além de ler e escrever, Flavia ama a vida ao ar livre e pode ser encontrada peregrinando por alguma floresta ou vilarejo de interior, praticando essas atividades todas ao mesmo tempo. Prece de Pescador é seu romance de estreia.

Onde encontrar o livro: Clique aqui para comprar Prece de Pescador de Flavia Kaiser

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

20 grandes escritoras brasileiras

As 20 obras mais importantes da literatura japonesa

As 20 obras mais importantes da literatura francesa

As 20 obras mais importantes da literatura brasileira

As 20 obras mais importantes da literatura portuguesa

As 20 obras mais importantes da literatura dos Estados Unidos