Nélio Silzantov - A finitude das coisas

Literatura brasileira contemporânea
Nélio Silzantov - A finitude das coisas - Editora Patuá - 240 Páginas - Capa e projeto gráfico: Roseli Vaz - Tradução de citações: Felipe Menezes - Lançamento: 2023.

Nélio Silzantov foi finalista do Prêmio Jabuti versão 2023 com o seu livro anterior, Br2466 ou a pátria que os pariu, uma coletânea de contos na qual apresentava múltiplas formas de distopia, desde a concepção clássica de um futuro controlado por regimes políticos repressivos e totalitários até chegar à realidade do tempo presente em um país bem conhecido por todos nós. Neste seu mais recente lançamento, o romance A finitude das coisas, o autor volta a se debruçar sobre um Brasil atual – porém, infelizmente, cada vez mais retrógrado –, abordando questões existencialistas de seus personagens ao contar os encontros e desencontros de quatro amigos: Simmons, Erik, Annibal e Pavarotti, tentando sobreviver em Vitória da Conquista-BA desde os anos noventa até 2013. 

Simmons, ou Jeane, é a narradora-protagonista que alterna passado e presente ao resgatar suas memórias em uma sequência não linear no tempo. Um romance de formação que mostra a construção ou desconstrução da personalidade dos jovens durante a adolescência caótica, incluindo aí generosas doses de "sexo, drogas e rock 'n' roll", até as agruras da maturidade e a inevitável finitude das coisas em uma sociedade que ainda define padrões sociais e familiares que "ignoram e deturpam os ensinamentos do deus pelo qual comungam. Como fossem jihadistas numa versão abrasileirada, transcendendo seu ódio inerente às querelas da fé para além das questões etnocêntricas, chauvinistas, xenofóbicas e ideológicas. Conterrâneos que se veem como inimigos a serem combatidos e dizimados."

"Se cada geração traz consigo os germens de sua sucessora e as cicatrizes de de ambas se tornam marcas de nascença indeléveis, me pergunto em que tipo de Frankendtein nossos antepassados nos tornaram e o que há de ser dos nossos descendentes. Família, pátria e religião. Há mais podridão no seio da santíssima tríade do que os que a romantizam queiram testemunhar. Mas aqui estamos. Apesar do nosso sangue jorrando em cada esquina, beco, alameda, rua e avenida. Aqui estamos todos, sobreviventes ou não. Memória vívida de nossos delírios. Entrega total e definitiva da nossa existencialidade. Humanos por definição. Imperfeitos. Condenados a sermos livres. Pela vontade ou pela força. Havíamos chegado até ali, apesar de nós mesmos e de todos ao nosso redor. [...]" (pp.20-1) - Trecho da primeira parte: "Como se fosse ontem"

Uma estratégia narrativa bem conduzida por Nélio Silzantov, autor que não menospreza a inteligência do leitor, é fazer com que sejam apresentadas as emoções e intenções de Erick, Annibal e Pavarotti pela percepção de uma narradora nada confiável, uma vez que Simmons, supostamente o ponto de equilíbrio do grupo, participa juntamente com os amigos de inúmeras transgressões e bebedeiras, nem sempre consciente, portanto, do que está acontecendo e das verdadeiras motivações dos personagens. O que esses jovens, à margem da sociedade, podem esperar de um futuro que se aproxima rapidamente, isolados e sem opções, a existência parece não fazer o menor sentido.

"Houve épocas em que eu temia a morte como um dos males mais horrendos. Noutras, no entanto, desejei-a como se deseja a pessoa amada. Não tenho certeza de quando e por que passei a compreender a questão nestes múltiplos aspectos: desejo e temor. Culpo o ocidente cristão sempre que alguém se presta a confabular comigo sobre o tema. O pavor, a angústia e a tristeza com que encaramos o primeiro compromisso que assumimos assim que nascemos são das piores coisas que herdamos. E me pergunto como uma criança se sente estando prestes a nascer. Segura no ventre da mãe, aterrorizada com o inesperado que se anuncia. O parto deve causar a mesma sensação de morte para os rebentos ao serem arrancados do útero. Pode-se dizer que ainda não nascemos, uma vez que a vida que conhecemos não passa de uma fecundação para outra coisa. Qualquer uma melhor que esta, assim espero. [...]" (p. 126) - Trecho da segunda parte: "A finitude das coisas"

As citações de trechos de letras de algumas bandas dos anos noventa, espalhadas por todo o romance, tais como: Alice in Chains, Megadeth, Soundgarden, Nirvana, No Doubt e L7, são um atrativo a mais, principalmente para os leitores que vivenciaram essa época (assim como eu) e conseguiram chegar até aqui. Estes sobreviventes certamente se identificarão com a citação no posfácio de "Petals" do Hole, grupo formado por Courtney Love, viúva de Kurt Cobain: "The fire burns the flesh / Destroys the past that made us old", simples assim.

"Era um domingo profano, como muitos outros vividos em 2013. Estava longe de tudo e de todos que sempre estiveram presentes em minha vida até ali. Mal sabia que, quanto mais distante, maior seria a dor quando a tua ausência corresse o risco de se tornar definitiva. Deus parecia morto ante tanta miséria, discórdia e terror. Ou pior, como se ele estivesse mais vivo do que nunca. Impiedoso como sempre. Despejando todo o seu ódio sobre a própria criação. Mais genocida e sanguinário do que o bom-deus do Antigo Testamento, apesar de muitos ainda professarem seu santíssimo nome nas praças, rádios e tevês. Arautos da renovação convertidos na face mais vilanesca do ser humano. Hipócritas! Repeti inúmeras vezes a sentença, como se tal palavra fosse um mantra. A fé tornara-se, mais do que nunca, em artigo de comércio; o ópio capaz de fazer invejar qualquer narcotraficante por tamanha eficácia de torpeza e lucro. [...]" (p. 214) - Trecho da terceira parte: "A decadência dos deuses"

Literatura brasileira contemporânea
Sobre o autor: Nélio Silzantov nasceu em 1979, em Vitória da Conquista, Bahia. É licenciado em Filosofia pela Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (UESB), mestre em Estudos de Literatura pelo Programa de Pós-Graduação (PPGLit) da UFSCar e doutorando em Educação pelo PPGE/UFSCar. É editor da Ágora Literária (Instagram, blog e podcast) com críticas sobre obras literárias contemporâneas. Estreou em 2020 com o romance "Desumanizados", publicado pela Editora Penalux; em 2022, lançou o livro de contos "BR2466: ou a pátria que os pariu", também pela Penalux, e publicou, neste ano, seu segundo romance, "A finitude das coisas", pela editora Patuá.

Onde encontrar o livro: Clique aqui para comprar A finitude das coisas de Nélio Silzantov

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

As 20 obras mais importantes da literatura francesa

As 20 obras mais importantes da literatura japonesa

As 20 obras mais importantes da literatura italiana

As 20 obras mais importantes da literatura dos Estados Unidos

Melhores seleções de livros de 2016 em um só lugar!

As 20 obras mais importantes da literatura portuguesa