Jacques Fux - Nobel

Literatura brasileira contemporânea
Jacques Fux - Nobel - Editora José Olympio - 128 Páginas - Lançamento: 02/04/2018.

Este ano fomos surpreendidos pela declaração da tradicional Academia Sueca sobre o cancelamento do prêmio Nobel de literatura de 2018 devido ao escândalo envolvendo integrantes da organização com denúncias de assédio sexual e suspeitas de corrupção. Muitas críticas já foram feitas no passado à Academia pela falta de transparência nos critérios de escolha, assim como pela influência política e econômica nos resultados em detrimento do valor literário das obras, como demonstra a concentração de laureados em língua inglesa, francesa, italiana e alemã, fato que nos faz pensar se não há também livros de valor sendo escritos em japonês, chinês, hebraico e português. Por sinal, o nosso idioma pátrio foi lembrado uma única vez, com José Saramago, em mais de cem anos.

Nesse contexto, Nobel, quarto romance (se é que podemos chamar assim, por falta de definição melhor) e mais recente lançamento do escritor mineiro Jacques Fux, parece estar no lugar certo e na hora certa, pois vem acrescentar uma nova abordagem, muito bem-humorada, diga-se de passagem, sobre o mundo egocêntrico e das vaidades exóticas dos cânones literários, ao realizar  — sem a menor modéstia — o sonho de todo escritor e se colocar como o primeiro brasileiro a ser galardoado com a prestigiosa honraria, como descrito na abertura: "Após anos de escolhas polêmicas, algumas vezes equivocadas e até vergonhosas, finalmente os nobres cavalheiros se redimiram e tomaram uma decisão acertada. Caríssimos, o vosso dever foi cumprido. Parabéns. Eu, sem dúvida alguma, sou merecedor incontestável desta premiação".

O trecho acima marca o início do tradicional discurso de agradecimento, parte integrante do protocolo da premiação Nobel, que irá se estender por todo o livro e no qual o nosso autor-protagonista transformará o "seu 'eu', real e biográfico, em um 'eu' ficcional e ventríloquo da memória e da obra dos outros", destacando passagens polêmicas da biografia de famosos laureados como Sartre, Canetti, Camus, Hemingway, Kawabata, Walcott, Coetzee, García Márquez, Vargas Llosa, Saramago e muitos outros, e sem esquecer também de alguns grandes escritores injustiçados pela Academia como: Kafka, Borges, Mishima, Nabokov e Ionesco. Como exemplo das digressões nada "politicamente corretas" de Jacques Fux, transcrevo a parte abaixo que discorre sobre a inusitada relação amorosa de Jean-Paul Sartre e Simone de Beauvoir — como é bom ler um autor que não tem medo de patrulhamentos.
"Enciclopedistas colegas, Sartre e Simone se conheceram em 1929. Jovens, ele com 24 e ela com somente vinte e um anos. Linda, cheia de vida, inteligentíssima e versátil, Simone já se tornava protagonista de todas as fábulas e camas em que atuava. Tinha um namorado, René Maheau, com quem iniciou seus primeiros jogos de corpos e de fluidos. Mas ela almejava muito mais. Seu desejo físico, intelectual e metafísico era infinito. Sua alma nunca parava de investigar as vicissitudes e os particularismos humanos. Mas isso, meus senhores, Pirros e Cíneas, já sabem. Não polemizo nada de novo. O interessante é que o encanto da bela Simone pelo horrendo Sartre nasceu justamente ao ver abaladas suas estruturas, crenças e certezas. Ela, ao colocar os olhos nesse homem-inseto-abjeto, nesse corpo torpe-impressionista — 'baixinho, caolho, vesgo, assimétrico, desarrumado e um tanto fétido' —, se apaixonou. Fetiche? Sim, mas Sartre também era muito inteligente, divertido, ambicioso e agradável. Porém foi seu exotismo antierótico que enfeitiçou a feminista." (Págs. 40 e 41)
Uma das ideias que norteia o texto de Jacques Fux é a de que os escritores que atingiram o status de "sagrados" são também humanos e, portanto, capazes igualmente de atos generosos e mesquinhos, honrosos e covardes. De fato, o bom humor da narrativa vai ficando um pouco amargo ao longo do livro, na medida em que Jacques Fux descreve os escritores suicidas como Kawabata, Mishima e Hemingway, e cita outro famoso filósofo laureado, Albert Camus, que resumiu bem a questão quando declarou que "só há um problema filosófico verdadeiramente sério: é o suicídio. Julgar se a vida merece ou não ser vivida é responder a uma questão fundamental de filosofia." Mesmo para Yukio Mishima, que executou um suicídio ritual com requintes de crueldade, o bilhete de despedida deixava uma mensagem eternamente ambígua: "A vida humana é limitada, mas eu gostaria de viver para sempre".
"Trapaceiros senhores, somos ventríloquos de uma voz que não existe e que insiste em falar sobre o que não se pode nem de longe dizer. Somos parte de uma voz que narra faltosamente o indizível. Que representa e experimenta uma falsa e ardilosa experiência. Mutismo, limitação, imobilidade. Somos uma babel de silêncios e palavras. Não há nada de novo e nem de inédito em nossas escritas. Em nossas falas, falsidades e elucubrações. Beckett nos presenteou com a afronta da existência vazia. Seguiremos, inúteis, preenchendo lacunas, silêncios e orifícios. Para nada, amigos. Textos e palavras 'para nada'" (Págs. 112 e 113)
Que me desculpem os partidários de que a literatura tem que ser uma coisa séria, a verdade é que não é fácil escrever com bom humor, o drama é sempre mais acessível à ficção. Logo, como não concordar com a escolha de Jacques Fux pela Academia Sueca, principalmente neste tumultuado ano de 2018, época na qual o nosso país luta para superar terríveis problemas de autoestima, perdemos a Copa, mas o Nobel é nosso! Finalizo esta resenha com o hilário resumo-justificativa, outra característica do protocolo: Jacques Fux é o escritor laureado neste ano (em que, na verdade, não teremos escritores laureados) "por ter performado, falsificado e duplicado a narrativa dos escritores canônicos, transformando-a em sua perturbada obra."
Postar um comentário
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Postagens mais visitadas deste blog

Penguin Little Black Classics

As 20 obras mais importantes da literatura brasileira

Albert Camus - A Morte Feliz

Geny Vilas-Novas - Fazendas ásperas

20 grandes escritoras brasileiras

As 20 obras mais importantes da literatura italiana