Adriane Garcia - Garrafas ao Mar

Poesia contemporânea brasileira
Adriane Garcia - Garrafas ao Mar - Editora Penalux - 164 Páginas - Capa e Projeto Gráfico: Micaelle Britto e Murilo Guerra - Prefácio de Alberto Bresciani - Lançamento: 2018 (Ler aqui um trecho em pdf disponibilizado pela Editora).

Neste seu quarto livro de poemas, a mineira Adriane Garcia trabalha com o espanto provocado pelas metáforas no curto espaço de manobra de seus poemas. Ela consegue encontrar a palavra desconcertante e exata, chegando até a essência da ideia, tateando imagens e sensações na imprecisa região do inconsciente. A linguagem é sempre coloquial e direta em Garrafas ao Mar, me fazendo lembrar da citação de um grande poeta brasileiro, Ferreira Gullar, que afirmava: "O poema tem que ser um relâmpago. Ele tem que iluminar a tua cara, bater na tua cara como uma coisa vital"

A poesia de Adriane é isso, um relâmpago, mas também um pedido de socorro, como são as garrafas lançadas ao mar em busca de uma improvável salvação. O poeta aqui é visto como náufrago que ainda tem esperança, um "cavalo perdedor" que fala sobre a vida nas grandes metrópoles, muitas vezes violenta, vazia e triste, mas que pode se transformar em luz ofuscante no encantamento de um poema, afinal "As estrelas brilham é no breu" ou ainda, como também nos ensina a autora, "Quem aposta em cavalos vencedores / Não aposta nada".

Carrossel

Eu aposto em cavalos perdedores
Porque muitos só
Vencem
Depois de uma aposta

Eu sou um cavalo perdedor
E por isso
Muita vezes
Tive que 
Chegar na frente

Quem aposta em cavalos vencedores
Não aposta nada.

É irresistível a comparação do ato de lançar garrafas ao mar com a navegação virtual que vivenciamos hoje nas redes sociais, ferramentas que foram criadas pretensamente com o objetivo de aproximar as pessoas e atingem resultado oposto na prática. O poeta sabe que a solidão pode matar e que "Vida é coisa difícil / De carregar sem voar / Dentro", neste livro, até o desespero de um voo suicida se transforma em poema.

Voo do décimo oitavo andar

A mulher que pulou do
Prédio
Nunca mais morreu

Se não tomo os remédios
Penso na mulher do prédio
Se tomo os remédios
Penso na mulher do prédio

Vida é coisa difícil
De carregar sem voar
Dentro.

Foi bom ter recolhido essa garrafa do mar agitado e em dia chuvoso. Nesta época tão difícil em que vivemos, coitado de quem já não entende a poesia e não tem mais esperança de ser feliz. É preciso continuar sentindo a Inadequação de "Saber que há flores / Estando onde só há / Deserto." E, no final, descobrir a mensagem mais importante, viver é o que realmente importa: "E que importa o verso / Quando todas as luzes giram / Um carrossel dentro da gente?".

Garrafas ao mar

Pedi socorro por tantos dias quantos foram
Os de minha vida
Também encontrei garrafas
Às quais não abri

No fim, soube que o mar morria
E que encontraram baleias mortas
Abarrotadas de mensagens no estômago
Talvez, algumas delas fossem minhas

Sim, eu tive baleias na infância.

Adriane Garcia é formada em História pela Universidade Federal de Minas Gerais e se especializou em Arte-Educação na UEMG. Seu primeiro livro, Fábulas para adulto perder o sono (Editora Biblioteca do Paraná e Confraria do Vento, 2013), venceu o Prêmio Paraná de Literatura em 2013, na categoria poesia. Publicou também: O nome do mundo (Editora Armazém da Cultura, 2014) e Só, com peixes (Editora Confraria do Vento, 2015). Seu livro mais recente é Garrafas ao mar (Editora Penalux, 2018).
Postar um comentário
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Postagens mais visitadas deste blog

As 20 obras mais importantes da literatura brasileira

Os melhores livros e resenhas de 2018

As 20 melhores distopias da literatura

As 20 obras mais importantes da literatura italiana

As 20 obras mais importantes da literatura portuguesa

20 grandes escritoras brasileiras