Quem diria, 2018 foi o ano da poesia no Brasil

Literatura brasileira

2018 acabou sendo o ano da poesia no Brasil, com prêmios importantes que refletiram uma produção consistente, principalmente pela atuação das editoras independentes e mesmo autores independentes, como foi o caso de Mailson Furtado que levou o prêmio Jabuti de livro do ano. O que dizer, quando até a prosa andou flertando com a linguagem poética no elogiado livro de estreia de Aline Bei. Segue uma seleção em ordem cronológica dos destaques nesta categoria, publicados no Mundo de K em 2018. Clique nos links para ler os textos completos.


Literatura brasileira
Aline Bei - O Peso do Pássaro Morto
Resenha publicada em 18/03/2018

Livro vencedor do Prêmio São Paulo de Literatura 2018, categoria autor estreante. Ao utilizar o efeito da distribuição das palavras na página impressa, a autora obtém um inusitado elemento de ritmo narrativo. Uma técnica que guarda algumas semelhanças com o trabalho de Matilde Campilho, no entanto surpreende aqui ao extrapolar o formato tradicional do poema e assumir a condução completa do romance. O livro foi o vencedor do prêmio Toca de Literatura, organizado pela oficina de criação literária de Marcelino Freire e lançado no ano passado em coedição pelas Editoras Nós e Edith.

Literatura brasileira
Rita Balduino - O feito afaga o gesto 
Resenha publicada em 11/10/2018

A forma e o conteúdo são partes inseparáveis neste livro da artista visual e poeta Rita Balduino. Um conjunto composto por sete livretos independentes que exploram a relação das palavras não somente com a diagramação na página, mas também com a gramatura da folha ou a transparência do papel, conforme o efeito desejado pelo poema. Um projeto de extrema sensibilidade da autora e executado com muita atenção pela Editora Patuá. Cada livreto guarda um conceito próprio a ser explorado pelo leitor por meio dos estímulos visuais.  
Literatura brassileira
Nuno Rau - Mecânica Aplicada
Resenha publicada em 12/10/2018

O carioca Nuno Rau foi um dos finalistas do Prêmio Jabuti 2018, categoria Poesia, com esta coletânea de poemas, Mecânica Aplicada, que insinua no título e na capa uma improvável conexão entre a cultura e a máquina. Bem, posso garantir, por experiência própria, que engenheiros e arquitetos não são insensíveis ao apelo da arte e que também ocorre muitas vezes da poesia se inspirar nas ciências exatas, mesmo que seja para subverter os mecanismos da realidade e encontrar um sentido – por meio da subjetividade da palavra – que justifique a existência do homem no mundo.

Literatura brasileira
Mailson Furtado - à cidade
Postagem publicada em 09/11/2018

Livro vencedor do do Prêmio Jabuti 2018, o mais tradicional troféu literário do Brasil, na categoria Poesia e também escolhido pela organização como livro do ano. A obra "à cidade" foi publicada de forma independente, o que pode inspirar outros autores sem contratos com editoras. O próprio autor diagramou, editou e ilustrou a capa do volume. O livro é dividido em quatro partes — presente, pretérito, pretérito-mais-que-perfeito e futuro do pretérito —, com cenas cotidianas de uma cidade semelhante à sua, mas não há referência direta. Os versos falam de crianças acordando e indo para a escola, passeios na praça, ruas movimentadas e noites de boemia. 

Literatura brasileira
Adriane Garcia - Garrafas ao Mar
Resenha publicada em 02/12/2018

Neste seu quarto livro de poemas, a mineira Adriane Garcia trabalha com o espanto provocado pelas metáforas no curto espaço de manobra de seus poemas. Ela consegue encontrar a palavra desconcertante e exata, chegando até a essência da ideia, tateando imagens e sensações na imprecisa região do inconsciente. A linguagem é sempre coloquial e direta em Garrafas ao Mar, me fazendo lembrar da citação de um grande poeta brasileiro, Ferreira Gullar, que afirmava: "O poema tem que ser um relâmpago. Ele tem que iluminar a tua cara, bater na tua cara como uma coisa vital".
Literatura brasileira
Marília Garcia - Câmera Lenta 
Postagem publicada em 07/12/208

Livro vencedor do Prêmio Oceanos 2018, Sinopse da Editora: "Depois de Teste de resistores, Marília Garcia dá continuidade à sua pesquisa sobre o processo poético. Na última parte de Câmera lenta, ela se dedica a uma profunda análise sobre as hélices do avião e sobre a vontade de decifração. O poema, aqui, é o lugar para experimentar, exercitar o pensamento 'ao vivo' e testar procedimentos novos, sempre em aberto. Para Italo Moriconi, que assina a orelha, trata-se de uma 'poética desbravadora, sofisticada, antenada'."

Comentários

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Postagens mais visitadas deste blog

As 20 obras mais importantes da literatura brasileira

As 20 melhores distopias da literatura

As 20 obras mais importantes da literatura portuguesa

As 20 obras mais importantes da literatura italiana

20 grandes escritoras brasileiras

Chico Buarque - Prêmio Camões 2019