Stefan Zweig - Maria Stuart

História, biografia
Stefan Zweig - Maria Stuart - Editora Record / José Olympio - 364 Páginas - Tradução de Lya Luft -  Capa de Túlio Cerquize - Lançamento: 01/01/2018.

Stefan Zweig (1881-1942), austríaco de origem judaica, exilou-se no Brasil após a ascensão de Hitler, vindo a se suicidar em 1942, juntamente com a esposa em Petrópolis, no Rio de Janeiro, onde moravam. O título de um de seus livros de ensaio, "Brasil, país do futuro", acabou se transformando em uma das definições mais famosas para o nosso país (nem sempre de forma positiva, mas isso não é culpa do autor). Ele deixou uma extensa obra em vários gêneros, tais como: romance, poesia, teatro, ensaios e biografias de personagens famosos, tão diferentes quanto Erasmo de Roterdã, Fernão de Magalhães e Maria Antonieta. Este livro sobre a vida de Maria Stuart (1542-1587), lançado em 1935, foi um grande sucesso de público na época, principalmente pela forma apaixonada com que Zweig interpretou o perfil psicológico da sua biografada e os detalhes do contexto histórico em que ela viveu.

De fato, a trajetória de Maria Stuart simboliza em muitos aspectos o próprio século XVI, uma época violenta de conspirações, guerras e paixões, quando o regime absolutista de governo era comum em toda a Europa, um sistema no qual reis e rainhas concentravam os poderes do Estado em suas mãos a partir de um autoridade concedida por Deus. Na Inglaterra e Escócia, muitos conflitos religiosos marcaram a Reforma Protestante que lutava contra o papado e a Igreja Católica Romana. Maria Stuart, católica, tinha seis dias de vida quando se tornou rainha da Escócia devido à morte de seu pai, Jaime V, com apenas 31 anos. A Escócia daqueles tempos é um país que sobrevivia da criação de ovelhas, pesca e caça. Essa carência de recursos e fragilidade de defesa transformaram a região em uma presa fácil para as potências estrangeiras, principalmente Inglaterra e França.
"É um país trágico, rodeado de paixões fatais, escuras e românticas como uma balada, esse reino insular pequeno e rodeado de mar, no extremo norte da Europa. Além disso, um país pobre, pois aqui toda a força é destruída pela guerra incessante. As poucas cidades, que na verdade são apenas casinholas pobres agachadas em torno de uma fortaleza para se protegerem, sempre saqueadas e queimadas, nunca atingem riqueza ou sequer oferecem bem-estar aos cidadãos. Mas as fortalezas da nobreza, ainda hoje erguendo-se sombrias e imponentes em suas ruínas, não são verdadeiros castelos com pompa e magnificência; foram dedicadas à guerra, como fortalezas inconquistáveis, desprovidas da doce arte da hospitalidade." (Pág. 19)
Maria Stuart era uma descendente de Henrique VII, portanto aspirante também ao trono da Inglaterra mas, devido à instabilidade política nos dois países, ela passou a maior parte de sua infância na França, enquanto a Escócia era governada por regentes. Em mais uma guinada do destino ela acabou se tornando Rainha da França, casando com o jovem e doente Henrique II. Contudo, o casamento durou muito pouco e ela retorna viuva para a Escócia onde se casa novamente, quatro anos depois, com Lorde Darnley que morre em circunstâncias suspeitas, Maria Stuart é acusada de ter tramado o assassinato do marido com o amante, Conde Bothwell.

É difícil resumir as reviravoltas, traições e assassinatos que cercaram a vida da rainha da Escócia em sua luta pelo poder depois da morte do marido, o fato é que ela é perseguida e mantida presa pelos nobres escoceses, mas consegue fugir de forma espetacular para a Inglaterra, buscando a proteção de sua prima, a rainha Elizabeth I (1533-1603) No entanto, a sua tragédia está apenas começando porque, temendo pela ameaça política exercida por Maria Stuart, Elizabeth a mantem prisioneira durante 22 anos em vários castelos e mansões no interior do país, fazendo com que seja julgada por traição e decapitada em 1587 aos 44 anos.
"Maria Stuart e Elizabeth são talentos singulares e incomparáveis. Ao lado de suas personalidades enérgicas, os demais monarcas daquele tempo – Filipe II da Espanha, com sua rigidez monacal, Carlos IX, com seus caprichos de adolescente, o insignificante Francisco da Áustria – pareciam personagens secundários; nenhum deles chega perto da altura intelectual na qual aquelas duas mulheres extraordinárias se enfrentam. Inteligentes – e muitas vezes inibidas por caprichos e paixões femininas –, ambas desenfreadamente ambiciosas, desde o começo da juventude se prepararam especialmente para sua alta posição. A postura de ambas era modelar no sentido da representação externa, a cultura das duas estava repleta de valores humanistas. Cada uma delas fala fluentemente além da língua materna, latim, francês e italiano. Elizabeth, além disso, ainda o grego, e as cartas das duas superam em muito em expressão aquelas de seus melhores ministros – as de Elizabeth mais coloridas e cheias de imagens do que as de seu inteligente secretário de Estado Cecil, as de Maria Stuart mais buriladas e singulares do que as simplesmente diplomáticas de Maitland e Moray." (Pág. 78)
É um fato peculiar que dois dos soberanos mais poderosos da Europa nesta época tenham sido duas mulheres, Maria Stuart na Escócia e Elizabeth na Inglaterra. Os seus destinos sempre estiveram ligados porque qualquer aliança política ou casamento poderia desequilibrar o poder de seus países para um dos lados. Duas adversárias que nunca se encontraram pessoalmente, mas travaram um combate mortal que marcou a história. Após a morte de Elizabeth, o filho de Maria Stuart a sucedeu no trono como Jaime I, unificando os reinos de Escócia, Inglaterra e Irlanda. As duas rivais descansam eternamente, lado a lado, na abadia de Westminter em Londres, na cripta dos reis da Inglaterra com suas imagens esculpidas em pedra.

Comentários

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Postagens mais visitadas deste blog

As 20 obras mais importantes da literatura brasileira

As 20 obras mais importantes da literatura portuguesa

20 grandes escritoras brasileiras

As 20 obras mais importantes da literatura italiana

As 20 melhores distopias da literatura

As 20 obras mais importantes da literatura francesa