Chico Buarque - Estorvo

Literatura brasileira contemporânea
Chico Buarque - Estorvo - Editora Companhia das Letras - 208 Páginas - Edição comemorativa de 30 anos - Capa e projeto gráfico de Raul Loureiro - Lançamento: 2021

Esta é a edição comemorativa de 30 anos da publicação de Estorvo – primeiro romance de Chico Buarque e vencedor do prêmio Jabuti 1992 de romance do ano –, concebida como parte da campanha de lançamento de Anos de chumbo e outros contos. Portanto, graças à estratégia de marketing da editora, Estorvo ganhou um caprichado acabamento gráfico em capa dura e seleção de textos críticos da época de Benedito Nunes, Roberto Schwarz, Sérgio Sant'Anna, Marisa Lajolo, Augusto Massi e José Cardoso Pires, além de referências sobre o romance na imprensa nacional e internacional, revistas acadêmicas, teses e dissertações. 

É interessante revisitar o livro com a isenção crítica de três décadas de afastamento, sem a inevitável pressão sobre o prestigiado músico e compositor para provar suas qualidades como escritor, de forma a percebermos como ainda permanece a sensação de uma obra moderna e desafiadora. De fato, a impressão de rompimento provocada na época do lançamento foi praticamente unânime na imprensa especializada, como resumiu Marisa Lajolo no Estado de S. Paulo: "Em Estorvo, a diluição de sentidos e o embaralhamento de tempos e espaços apagam de vez qualquer hipótese de happy end e criam um mundo inóspito, labiríntico, instável, sem saída..."

O romance tem início diante de um olho mágico e uma visita indesejada de um personagem do qual muito pouco se sabe, mas que provoca a fuga do narrador-protagonista em uma sequência de eventos que misturam alucinação e realidade. Em uma espécie de pesadelo, o narrador circula mais de uma vez pelos mesmos locais: o sítio da família, o condomínio da casa da irmã, o apartamento da ex-mulher, se envolve com traficantes de drogas e nada parece fazer sentido na sequência de ações dissociadas do tempo e do espaço. A crítica de Augusto Massi é muito precisa quando afirma que "Chico escreveu um romance realista, em sintonia com técnicas e recursos antirrealistas".

"Para mim é muito cedo, fui deitar dia claro, não consigo definir aquele sujeito através do olho mágico. Estou zonzo, não entendo o sujeito ali parado de terno e gravata, seu rosto intumescido pela lente. Deve ser coisa importante, pois ouvi a campanhia tocar várias vezes, uma a caminho da porta e pelo menos três dentro do sonho. Vou regulando a vista, e começo a achar que conheço aquele rosto de um tempo distante e confuso. Ou senão cheguei dormindo ao olho mágico, e conheço aquele rosto de quando ele ainda pertencia ao sonho. Tem a barba. Pode ser que eu já tenha visto aquele rosto sem barba, mas a barba é tão sólida e rigorosa que parece anterior ao rosto. O terno e a gravata também me incomodam. Eu não conheço muita gente de terno e gravata, muito menos com os cabelos escorridos até os ombros. Pessoas de terno e gravata que eu conheço, conheço atrás de mesa, guichê, não são pessoas que vem bater à minha porta. Procuro imaginar aquele homem escanhoado e em mangas de camisa, desconto a deformação do olho mágico, e é sempre alguém conhecido mas muito difícil de reconhecer. E o rosto do sujeito assim frontal e estático embaralha ainda mais o meu julgamento. Não é bem um rosto, é mais a identidade de um rosto, que difere do rosto verdadeiro quanto mais você conhece a pessoa. Aquela imobilidade é o seu melhor disfarce, para mim." (pp. 11-2)

Um dos personagens importantes no romance é o amigo não nomeado, assim como todos os outros, que ele associa ao corpo de um professor de ginástica assassinado: "Os pés do morto ficaram descobertos" que remete à seguinte passagem: "Só não consigo lembrar dos pés do meu amigo. Vivíamos descalços, e não me ocorre ter olhado alguma vez aqueles pés". Como em tantas outras passagens do romance, é o leitor que deve encontrar algum sentido nas cenas relacionadas e muitas vezes recorrentes, mas algumas pistas são claras sobre a relação homossexual na amizade do passado que foi interrompida pelo casamento frustrado.

"Dois funcionários com jaleco do Instituto Médico Legal saem agora do edifício transportando o corpo, envolto em cobertores e lençóis, e quem está próximo, até mesmo o pessoal do bar, emudece. Chego a perceber o fluxo do silêncio, e é como um silêncio que viesse por baixo do chão, e o chão se enrolasse feito tapete que fosse abafando todos os sons até o outro lado da avenida. O corpo passa diante dos meus olhos. O primeiro funcionário, de nariz inchado, sustenta-o pelas axilas, deixando a cabeça pender como um saco. O segundo abraça-o por trás dos joelhos e, com seu passo incerto, franze e distende-o como um fole. Os pés do morto ficam descobertos, e são pés bem tratados, apenas as solas meio encardidas, mas são pés que me parecem enormes, são pés que deviam calçar quarenta e seis, quarenta e sete. O corpo é encaixado numa gaveta do rabecão. Eu esperei que pingasse sangue, mas não pingou." (pp. 53-4)

O narrador nem um pouco confiável, diga-se de passagem, é um estorvo para a família e a sociedade de uma forma geral. Por meio de uma série de referências, as suas perambulações pela cidade refletem situações sobre a violência do cotidiano no Rio de Janeiro, violência que não parece ter reduzido nos últimos trinta anos, muito pelo contrário. Um livro difícil e que ainda provoca desconforto. Fico com o resumo do saudoso romancista Sérgio Sant'Anna publicado na época: "Ponto para esse cantor e compositor de grande renome, que consegue a proeza de que não o reconheçam nesta obra, a não ser pela assinatura, e por uma das suas qualidades sempre bem observadas: o humor fino, muitas vezes cruel, mas em tudo ajustado ao drama brasileiro [...]"

"O ônibus é um calhambeque e sobe a serra superlotado. Vai passageiro em pé, perdi meu lugar na janela, meu vizinho de banco é corpulento, levo joias nos bolsos, estou sentado em pedras, mas viajo com uma sensação de conforto. Acho que é porque chove. O asfalto espelhado, o verde retinto, árvores como roupa torcida, essa estrada é minha. Numa curva intensa para a direita, sinto o ombro do meu vizinho de banco pressionando o meu, e rio por dentro. Rio porque me lembro de quando íamos para o sítio de carro com meus pais, eu e minha irmã no banco traseiro. Curva para o meu lado, e eu jogava o corpo para cima dela, fazendo 'ôôôôôôôô'. Curva para o lado dela, e era ela que caía para cá: 'ôôôôôôôô'. A lembrança me bate com tanta força que chego a sentir o cheiro da cabeça da minha irmã, que ela dizia que era do cabelo, e eu dizia que era da cabeça, porque ela mudava de shampoo e o cheiro continuava o mesmo, e ela dizia que eu era criança e confundia tudo [...]" (pp. 75-6)

Literatura brasileira contemporânea
Sobre o autor: Francisco Buarque de Hollanda nasceu no Rio de Janeiro, em 19 de junho de 1944. Compositor, cantor e ficcionista, publicou, além das peças Roda viva (1968), Calabar, escrita em parceria com Ruy Guerra (1973), Gota d’água, com Paulo Pontes (1975), e Ópera do malandro (1979), a novela Fazenda Modelo (1974) e os romances Estorvo (1991), Benjamim (1995), Budapeste (2003), Leite derramado (2009), O irmão alemão (2014), Essa gente (2019), Anos de chumbo e outros contos (2021). Em 2019, Chico Buarque venceu o prêmio Camões de literatura pelo conjunto da obra.

Onde encontrar o livro: Clique aqui para comprar Estorvo de Chico Buarque

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

As 20 obras mais importantes da literatura brasileira

As 20 obras mais importantes da literatura dos Estados Unidos

As 20 obras mais importantes da literatura portuguesa

As 20 obras mais importantes da literatura francesa

As 20 obras mais importantes da literatura japonesa

20 grandes escritoras brasileiras