Mia Couto - O mapeador de ausências

Literatura africana contemporânea
Mia Couto - O mapeador de ausências - Editora Companhia das Letras - 288 Páginas - Capa de Alceu Chiesorin Nunes - Ilustração de capa de Angelo Abu - Lançamento: 2021.

Moçambique é um país que precisa lidar com a herança de um passado recente muito violento. Depois de uma guerra de libertação que durou cerca de 10 anos, tornou-se independente de Portugal em 25 de Junho de 1975, para iniciar em seguida uma guerra civil, semelhante à de Angola, que durou até 1992, com um saldo de um milhão de mortos em combates e também pelos efeitos da destruição do país que mergulhou em uma crise econômica sem precedentes, provocando a fome e o deslocamento da população.

O mais recente lançamento de Mia Couto é um romance com referências autobiográficas no qual ele lança um olhar a estes dois períodos da história de Moçambique, a fase final da guerra de libertação colonial e os efeitos atuais da guerra civil, para contar a história de um protagonista com muitas semelhanças a ele próprio. Diogo Santiago, um intelectual moçambicano, professor universitário em Maputo e poeta, retorna depois de muitos anos à Beira, sua cidade natal, às vésperas do ciclone que a arrasou em 2019, para receber uma homenagem e promover um acerto de contas pessoal com o passado.

Contudo, citando uma das epígrafes ficcionais do livro, do também poeta Adriano Santiago, pai de Diogo, "As lembranças tornam-se perigosas quando deixamos de as falsificar", e assim a narrativa se alterna entre o ano de 1973, quando Diogo recorda passagens da sua infância e da viagem que fez com o pai até Inhaminga, onde ocorreram massacres da população local cometidos pelo exército colonial, e 2019, quando conhece Liana – filha do inspetor Óscar Campos da PIDE, polícia política da época da guerra colonial – que lhe repassa uma série de documentos da época, os quais, ao longo da narrativa, misturam realidade e ficção.

"Estou de visita à Beira, a minha cidade natal; venho a convite de uma universidade. Desde que aqui cheguei, visitei escolas, reuni com professores e alunos, falei com eles sobre o assunto que mais me interessa: a poesia. Sou professor de literatura, o meu universo é pequeno, mas infinito. A poesia não é um gênero literário, é um idioma anterior a todas as palavras. Foi isso que repeti em cada um dos debates. Nestes dias, caminhei pelos lugares da minha infância como quem passeia num pântano: pisando o chão com as pontas dos pés. Um passo em falso e corria o risco de me afundar em escuros abismos. Eis a minha doença: não me restam lembranças, tenho apenas sonhos. Sou um inventor de esquecimentos." (p. 12)

Como sempre, a prosa poética de Mia Couto é norteada por citações inesquecíveis. Para aqueles leitores que têm o costume de fazer marcações, a força do texto nos faz esquecer o senso prático e a vontade é marcar parágrafos inteiros para futuras releituras. O autor nos ensina em seus livros que sabedoria e inteligência são coisas bem diferentes e, principalmente, que viver pode ser uma coisa simples e bonita quando a poesia nos faz esquecer a violência do homem contra o homem, seja na África ou no Brasil. Recorrendo a mais uma citação deste romance: "A arte maior do poeta é saber desperdiçar oportunidades".

"Esse contato seria feito, segundo ele, o mais urgentemente possível. Vivíamos, dizia, uma nova etapa da violência da guerra colonial. As autoridades portuguesas tinham retirado lições dos anteriores massacres e decidiram apurar o método: este novo massacre seria executado lentamente, tão lentamente como se, por um lado, não chegasse nunca a acontecer e, por outro, nunca parasse de suceder. Chama-se a isso o estratagema do relógio. O ponteiro dos segundos saltita tantas vezes que ninguém repara no seu movimento. Aqueles negros massacrados são o ponteiro dos segundos: ninguém repara neles, ninguém os contabiliza. Mas são eles que fazem o tempo." (p. 89)

Permeando toda a narrativa feita a partir de diferentes vozes, em contraponto ao realismo das guerras de Moçambique, está a história de Ermelinda, mãe de Liana, a quem chamavam de Almalinda e que, juntamente com o namorado, atirou-se ao rio, os pulsos amarrados por um arame, para que se um deles se arrependesse o outro o arrastasse. O motivo, absurdo como a guerra, é que eram de raças diferentes. Apenas Almalinda sobrevive ao trágico compromisso em uma espécie de realismo mágico sempre presente nos romances de Mia Couto.

"Que a morte seja perfeita: é isso que pedimos aos que partem. Para que ninguém tenha que esquecer aquele que foi vivo. E para que ninguém tenha saudade desse que partiu. / Assim sucedeu com Almalinda: morreu tanto e tão perfeitamente que foi como se nada acontecesse. Como se, no ato de morrer, a defunta arrumasse com irrepreensível zelo a sua futura ausência. Como se ela tivesse apagado a sua vida à medida que vivia. / Os outros, os imperfeitos mortos, deixam-nos a enganosa incumbência de serem lembrados. Ninguém está realmente com eles. Nas lágrimas que lhes dedicamos comove-nos apenas o nosso anunciado desfecho. / Almalinda, retirou-se com a mesma ausência com que sempre vivera. E apenas em mim se abate essa despresença." (p. 204)

Para conhecer outros romances de Mia Couto resenhados no Mundo de K: Cada homem é uma raça, Estórias abensonhadas, Mulheres de Cinzas, O Bebedor de Horizontes, Sombras da Água, Terra Sonâmbula, Vozes Anoitecidas.

Literatura africana contemporânea
Sobre o autor: Mia Couto nasceu em 1955, na Beira, em Moçambiqe. É biólogo, jornalista e autor de mais de trinta livos, entre prosa e poesia. Seu romance Terra Sonâmbula é considerado um dos doze melhores livros africanos do século XX. Recebeu uma série de prêmios literários, entre eles o Camões, em 2013, o mais prestigioso da língua portuguesa, e o Neustadt International Prize, em 2014, além de ter sido indicado para o Man Booker International Prize, de 2015. É membro correspondente da Academia Brasileira de Letras.

Onde encontrar o livro: Clique aqui para comprar O mapeador de ausências de Mia Couto


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

As 20 obras mais importantes da literatura brasileira

As 20 obras mais importantes da literatura portuguesa

As 20 obras mais importantes da literatura dos Estados Unidos

As 20 obras mais importantes da literatura japonesa

As 20 obras mais importantes da literatura francesa

20 grandes escritoras brasileiras