Juliana Leite - Humanos exemplares

Literatura brasileira contemporânea
Juliana Leite - Humanos exemplares - Editora Companhia das Letras - 248 Páginas - Capa de Alceu Chiesorin Nunes e Ale Kalko - Imagem de capa: Janela (2000) de Eduardo Berliner - Lançamento: 2022.

Depois do premiado livro de estreia, Entre as mãos, Juliana Leite consolida o seu nome na cena literária contemporânea com este mais recente lançamento, um romance muito recomendado que lida com temas difíceis como a solidão e a proximidade da morte de forma sensível e até mesmo bem-humorada, trabalhando sempre com a emoção sem cair na armadilha do clichê sentimental. Esta é a história de Natalia, uma idosa centenária que acumulou uma "coleção de ausências" ao longo da vida e passa os dias sozinha no apartamento à espera dos telefonemas da filha que mora no exterior. Todos os amigos queridos já morreram, cada um a seu tempo.

Vicente, o companheiro de toda a existência, também ficou pelo caminho e se tornou uma imagem no porta-retratos. Natalia descobre o valor das lembranças e o fato curioso de que a vida depois de certo tempo começa a acontecer mais no passado do que no presente: "Sempre há muito o que falar sobre a juventude, é impressionante como seguem acontecendo coisas nesse período da vida mesmo depois que tudo já passou há tanto tempo." A partir das lembranças afetivas de Natalia, a autora relembra também momentos difíceis da história do país como os anos da ditadura militar e a repressão política que forçou Vicente a se esconder.

"Ela abre os olhos para mais um dia e já não pode impedir a si mesma de se sentir um pouco livre, ela se sente assim, como alguém que dormiu numa rede fresca e acordou livre para escolher o que fazer em uma manhã comum. Quem olha de fora percebe que seus ossos despertaram firmes sobre a cama, mais ou menos firmes, e isso sim é uma surpresa. A quantidade de ossos que uma velha possui é um espanto, um assombro, porque afinal alguns humanos como ela sumiram, muitos já sumiram e até agora por algum motivo ela permaneceu, ela se sente assim, como alguém que permaneceu, por enquanto. / Como ainda não se apagou, como ainda existe mais ou menos como antes, membros, pele, pulmão, ela pode até confundir um pouco as coisas, achar que isso significa que é uma velha de sorte. Mas logo todos esses pensamentos se apagam porque está na hora de se levantar para passar o café, pronto, já está na hora de ela se vestir e fazer o de sempre, o de todos os dias, e a sorte não costuma ter nada a ver com isso." (p. 9)

Natalia e Vicente trabalharam como professores até a aposentadoria e aprenderam, na prática, a importância de evitar "a morte dos fatos, dos acontecimentos concretos pertencentes à história", mesmo aqueles mais terríveis, como destacado no texto: "a memória não precisaria sobreviver apenas aos mortos, mas também ao esquecimento dos vivos". Contudo, sempre há o risco não do esquecimento, mas do perdão: "Ela até perdoa algumas pessoas, especialmente se essas pessoas já estiverem mortas. É mais fácil perdoar os mortos do que os vivos nessas lembranças, afinal os mortos despertam muita benevolência, já os vivos nem sempre."

"Vicente está bem ali olhando do porta-retratos e concordando comigo. Ele foi por tantos anos um homem vivo que muitas vezes me esqueço de que ele já morreu e acabo agindo como se o homem ainda estivesse por aqui, tomando banho ou lendo revistas no banheiro. De vez em quando preciso me lembrar de que, é mesmo, ele já morreu. Agora Vicente mora dentro do porta-retratos, mora na fotografia em que ainda é um jovem Vicente em um verão em Petrópolis. Em vários momentos levo o porta-retratos pra cá e pra lá, do quarto para a sala e da sala para a cozinha enquanto espero o telefone tocar. Nessas horas fico contente por mim mesma, aliviada; vejo minhas mãos segurando o objeto onde está Vicente, vejo o homem tão amado ainda perto do meu corpo e digo, ah, aí está uma tarde em que essa velha não se sente competamente sozinha. Digo isso e percebo que a velha concorda comigo, ela aproxima ainda mais os dedos do rosto de Vicente." (p. 21)

A recente pandemia não é citada diretamente, mas sim como uma "ameaça exterior" que isola as pessoas e impede a visita anual da filha que mora no "oceano superior".  Com raro domínio das técnicas narrativas, Juliana Leita alterna entre primeira e terceira pessoa, passado e presente, sem interferir no ritmo e leveza do texto. Um romance imperdível com personagens inesquecíveis, daquele tipo que provoca arrepios de emoção ao longo da leitura, principalmente no final, quando percebemos que a partir de um determinado ponto de nossas existências "o passado é o único futuro, o único lugar onde alguns encontros ainda acontecem."

"Sentada na sala do apartamento, a velha que hoje se acostumou a ser uma viúva, que talvez já possa até mesmo se dizer experiente, hoje ela se sente mais à vontade para fazer em voz alta algumas perguntas a Vicente, perguntas de toda sorte, por exemplo se o homem ainda tem fé lá onde vive nesse instante, não fé em Deus, a velha não se refere a isso, mas sim nos gatos, nas aves, ou até mesmo fé na humanidade. A velha se interessaria em saber se a essa altura o homem tem uma fé invertida, terráquea, emitida desde um lugar mais alto para este lugar aqui, mais embaixo. Ela gostaria de saber se a fé é uma coisa que acontece em todas as direções, com os mortos tendo fé nos vivos, e também gostaria de saber se os mortos ficam mesmo na parte de cima, lá onde nos acostumamos a imaginá-los, ou se ela vem olhando para o lugar errado desde sempre." (p. 194)

Literatura brasileira contemporânea

Sobre a autora: Juliana Leite nasceu em 1983, em Petrópolis, Rio de Janeiro. Seu romance de estreia, "Entre as mãos" (2018), recebeu os prêmios Sesc e APCA, foi finalista do prêmio Jabuti, prêmios São Paulo e Rio de Literatura e semifinalista do prêmio Oceanos, além de ter sido publicado na França e tido os direitos vendidos para o cinema. Mestre em literatura comparada, foi selecionada para a residência artística da revista Triple Canopy, de Nova York. Seus textos foram publicados em veículos como a revista Época, o jornal francês Libération, entre outros.

Onde encontrar o livro: Clique aqui para comprar Humanos exemplares de Juliana Leite

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

As 20 obras mais importantes da literatura brasileira

As 20 obras mais importantes da literatura dos Estados Unidos

As 20 obras mais importantes da literatura japonesa

As 20 obras mais importantes da literatura francesa

As 20 obras mais importantes da literatura portuguesa

20 grandes escritoras brasileiras