Fernando Pessoa - Poesia completa de Ricardo Reis

Clássicos da literatura
Fernando Pessoa - Poesia completa de Ricardo Reis - Editora Companhia das Letras - 256 Páginas - Capa e projeto gráfico de Elaine Ramos e Julia Paccola - Lançamento: 2022.

Fernando Pessoa (1888-1935) criou heterônimos com diferentes personalidades imaginárias e estilos, sendo alguns dos mais famosos: Alberto Caeiro, Ricardo Reis, Álvaro de Campos e Bernardo Soares. As odes e poemas de Ricardo Reis guardam alguma semelhança com a poesia de Alberto Caeiro, mas podemos constatar que os questionamentos filosóficos do primeiro estão mais relacionados à brevidade da existência e à necessidade de viver plenamente cada momento: "Nada fica de nada. Nada somos. / Um pouco ao sol e ao ar nos atrasamos / Da irrespirável treva que nos pese / Da úmida terra imposta, / Cadáveres adiados que procriam. / Leis feitas, státuas altas, odes findas – / Tudo tem cova sua. Se nós, carnes / A que um íntimo sol dá sangue, temos / Poente, por que não elas? /  Somos contos contando contos, nada." (28-9-1932)

Nesta edição foram reunidas as odes publicadas em vida por Fernando Pessoa e por ele atribuídas a Ricardo Reis, assim como todas as outras odes e poemas atribuídos a esse heterônimo, disponíveis no espólio da Biblioteca Nacional de Lisboa e, na sua quase totalidade, publicados postumamente. Enriquecem este lançamento o texto de Manuela Parreira da Silva, especialista no estudo e recuperação do espólio de Fernando Pessoa, assim como um posfácio inédito, "Tenho mais almas que uma", escrito pelo poeta Paulo Henriques Britto que resume uma verdade inquestionável: "Se a obra pessoana se resumisse aos duzentos e tantos poemas e fragmentos que compõem o corpus de Ricardo Reis – o menos lido e estudado dos quatro principais poetas da constelação Pessoa –, ela já mereceria um lugar de destaque na literatura lusófona do século XX."

66
(3-11-1923)

Tão cedo passa tudo quanto passa!
Morre tão jovem ante os deuses quanto
    Morre! tudo é tão pouco!
Nada se sabe, tudo se imagina.
Circunda-te de rosas, ama, bebe
    E cala. O mais é nada.

99
(26-4-1928)

Nos altos ramos de árvores frondosas
O vento faz um rumor frio e alto,
Nesta floresta, em este som me perco
    E sozinho medito.
Assim no mundo, acima do que sinto,
Um vento faz a vida, e a deixa, e a toma,
E nada tem sentido – nem a alma
    Com que penso sozinho.

108
(26-5-1930)

Se recordo quem fui, outrem me vejo,
E o passado é um presente na lembrança.
    Quem fui é alguém que amo
    Porém somente em sonho.
E a saudade que me aflige a mente
Não é de mim nem do passado visto,
    Senão de quem habito
    Por trás dos olhos cegos.
Nada, senão o instante, me conhece.
Minha mesma lembrança é nada, e sinto
    Que quem sou e quem fui
    São sonhos diferentes.

111
(18-6-1930)

No breve número de doze meses
O ano passa, e breves são os anos,
    Poucos a vida dura.
Que são doze ou sessenta na floresta
Dos números, e quanto pouco falta
    Para o fim do futuro!
Dois terços já, tão rápido, do curso
Que me é imposto correr descendo, passo.
    Apresso, e breve acabo.

155
(13-11-1935)

Vivem em nós inúmeros;
Se penso ou sinto, ignoro
Quem é que pensa ou sente.
Sou somente o lugar
Onde se sente ou pensa.

Tenho mais almas que uma.
Há mais eus do que eu mesmo.
Existo todavia
Indiferente a todos.
Faço-os calar: eu falo.

Os impulsos cruzados
Do que sinto ou não sinto
Disputam em quem sou.
Ignoro-os. Nada ditam
A quem me sei: eu escrevo.

Clássicos da literatura
Sobre o autor: Fernando (Antônio Nogueira) Pessoa nasceu em 1888, em Lisboa. Em 1896, dois anos e meio após a morte do pai, foi morar com a mãe e o padrasto em Durban, na África do Sul, onde fez praticamente todos seus estudos – experiência que lhe deu um domínio seguro do inglês, língua na qual escreveu poemas desde a adolescência. Autor de uma obra extraordinária e múltipla, sua produção se desdobraria em muitos heterônimos, sendo Alberto Caeiro, Álvaro de Campos e Ricardo Reis os mais célebres. Sob o nome de Bernardo Soares, Pessoa escreveu os fragmentos que mais tarde seriam reunidos em O livro do desassossego. Mensagem, de 1934, foi o único livro de poesia publicado em vida com a assinatura de Fernando Pessoa. O escritor morreu em 1935, em Lisboa.

Onde encontrar o livro: Clique aqui para comprar Poesia completa de Ricardo Reis

Comentários

sonia disse…
Não podia deixar de entrar aqui para expressar minha admiração sem limites a Fernando Pessoa, quem considero como alma gêmea. Tenho o Livro do Desassossego em minha cabeceira. Já vou pela quarta releitura.
Alexandre Kovacs disse…
Que bom Sonia, fico feliz que tenha gostado. Obrigado pela visita e comentário!

Postagens mais visitadas deste blog

As 20 obras mais importantes da literatura brasileira

As 20 obras mais importantes da literatura japonesa

As 20 obras mais importantes da literatura portuguesa

20 grandes escritoras brasileiras

As 20 obras mais importantes da literatura francesa

As 20 obras mais importantes da literatura dos Estados Unidos