Cesar Garcia Lima - Bastante aos gritos

Poesia brasileira contemporânea
Cesar Garcia Lima - Bastante aos gritos - Editora 7Letras - 124 Páginas - Ilustração de capa: Danilo de S'Acre, Retrato de homem em rosa, 2020 - Lançamento: 2021.

Em tempos sombrios a poesia nao pode silenciar, seja exercendo o papel de oposição às fake news, fenômeno recorrente nas redes sociais, como no oportuno poema "Fez que nius" que nos lembra como a política verde e amarela às vezes dá vontade de gritar: "excelências prontas para defender / a própria mediocridade / em dinheiro vivo"; ou no contraste entre a dura realidade cotidiana e a lembrança do pai, eternizado na ausência, como nos sensíveis versos de "Duplo", memórias de um passado já distante: "bem antes desses dias nublados, / em que o mal se confunde / com mandato".

"Bastante aos gritos" é o criativo título do quarto livro de poemas do acreano Cesar Garcia Lima, poeta, professor e jornalista, dividido em cinco partes: “Agora interminável”, “Nome aos boys", “Personas”, "Versão impressa”"As cidades da memória” e “Autorretrato em fuga”, cada uma dessas partes reunindo poemas independentes na forma e conteúdo, mas sempre comprovando que o lirismo e a ironia não são incompatíveis ao fazer poético, principalmente quando é necessário falar sobre verdades incômodas.

Por exemplo, em "Agora Interminável" a realidade se impõe quando o poeta escreve versos sobre a exploração trabalhista dos entregadores de aplicativos, o título "Slave eats" nos alerta que escravo também precisa comer: "Paulo Roberto está com fome / e não tem como pagar / o que carrega." Já em "As cidades da memória", o poeta demonstra como as cidades mais lindas são aquelas que não existem na realidade, mas sim transformadas pela memória, como é o exemplo de "Roma Termini": "palavras cruzadas onde é proibido fumar / e todos fumam / falam da guerra e de como fugir / e é impossível a escuta / quando os trens dão partida / e os alto-falantes não param de gritar"

Fez que nius
(Agora Interminável - p. 24)

Se você ler
sobre política
verde e amarela
e der vontade de gritar
entrar no texto
fazer justiça
com as próprias mãos
lembre-se:
é tudo fez
fez que nius
elas estão em todo lugar
há vários investidores
interessados
devedores patriotas do fisco
atrizes cientes de seu patrimônio em gado
e botox
excelências prontas para defender
a própria mediocridade
em dinheiro vivo
cartórios carimbando sua vida
em looping
maridos infiéis piscando
para meninas distraídas porque
é Brasil galera
terra da felicidade
mame-o ou deixe-o

Slave eats
(Agora Interminável - p. 26)

Paulo Roberto está retirando
seu pedido que 
custa mais caro
do que deveria.
Paulo Roberto está de bicicleta.
Paulo Roberto está a caminho.
Paulo Roberto é jovem, negro,
carioca.
Paulo Roberto arrumou
esse trabalhinho de entregador
e não vai ter carteira azul
nem verde amarela.
Um parente de Paulo Roberto
foi escravizado na África
e assim sua jornada sem fim
começou.
Paulo Roberto está com fome
e não tem como pagar
o que carrega.
Previsão máxima de chegada:
09:15 p.m.
00:00 minuto de distância.
Encontre Paulo Roberto na porta.
Seu pedido foi entregue.

Roma Termini
(As cidades da memória - p. 89)

A maior de todas as coragens
é o ócio 
um trem esperando para partir
a ferroviária de Roma
cheia de gente correndo
como piolhos nos cabelos da minha avó
mentir é tão fácil
quanto percorrer a segunda classe
a bêbada o cego com cachorro
o japonês com seu guia de turismo
os mochileiros o rapaz gordo trocando de roupa
palavras cruzadas onde é proibido fumar
e todos fumam
falam da guerra e de como fugir
e é impossível a escuta
quando os trens dão partida
e os alto-falantes não param de gritar

Duplo
(Autorretrato em fuga - p. 111)

Meu pai já não me antecede
nossas idades se igualam
na pele fina
na persistência
na capacidade de mudar de assunto.
– Você se esforça até demais, me disse ele,
bem antes desses dias nublados,
em que o mal se confunde
com mandato.
Já não me esforço tanto.
Dedico algumas horas a ele,
em seus dias tardios,
em seu ato falho de se levantar 
quando a vontade é de dormir
um pouco mais.

Sobre o autor: Cesar Garcia Lima nasceu em Rio Branco (AC) em 28 de janeiro de 1964. É autor de Águas desnecessárias (Nankin, 1997), Este livro não é um objeto (edição do autor, 2006) e Trópico de papel (7Letras, 2019), todos livros de poemas. Ainda em 2019, pela e-galáxia, reeditou Águas desnecessárias em e-book, com versões em português, inglês e espanhol. Entre 1991 e 1997, em São Paulo, participou do Cálamo, grupo de criação e pesquisa literária. Na universidade, cursou doutorado em Literatura Comparada (UERJ), mestrado em Literatura Brasileira (UFRJ) e bacharelado em Comunicação Social/Jornalismo (Cásper Líbero). Como diretor e roteirista de documentários, realizou Soldados da borracha (2010) e Onde minh' alma quer estar (2015). Vive no Rio de Janeiro.

Onde encontrar o livro: Clique aqui para comprar Bastante aos gritos de Cesar Garcia Lima

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

As 20 obras mais importantes da literatura brasileira

As 20 obras mais importantes da literatura portuguesa

As 20 obras mais importantes da literatura dos Estados Unidos

As 20 obras mais importantes da literatura japonesa

20 grandes escritoras brasileiras

As 20 obras mais importantes da literatura francesa