Roberto Bolaño - A Universidade Desconhecida

Poesia
Roberto Bolaño - A Universidade Desconhecida - Editora Companhia das Letras - 832 Páginas - Tradução de Josely Vianna Baptista - Capa: Raul Loureiro - Imagem de capa: Paisagem com caminho, de Rodrigo Andrade, 2019 - Lançamento: 2021.

Roberto Bolaño (1953-2003) se tornou mundialmente conhecido após o lançamento de seus monumentais romances 2666 e Os detetives selvagens. 2666, por exemplo, foi publicado postumamente na Espanha em 2004 e alcançou um tremendo êxito editorial após a tradução americana, lançada nos EUA em 2008, eleito o livro do ano pela Time Magazine e vencedor do National Book Critics Award daquele ano, elevou o autor chileno (e que então todos imaginavam ser mexicano) à categoria de mito literário, comparado somente aos escritores da geração beat. 

Tanto sucesso na prosa ofuscou o talento de Roberto Bolaño como poeta, apesar dele ter mantido uma produção constante de poesia por toda a vida, refletindo a solidão do exílio e a aproximação da morte prematura, como fica claro no poema inédito Minha carreira literária de 1990: "[...] como uma cobra no Polo Norte, mas escrevendo. / Escrevendo poesia no país dos imbecis. / Escrevendo com meu filho nos joelhos. / Escrevendo até que a noite caia / com um estrondo de mil demônios. / Os demônios que hão de levar-me ao inferno, / mas escrevendo."

A Unversidade Desconhecida foi publicado originalmente em 2007 por autorização da famíia a partir de fotocópias de manuscritos datilografados, reunindo poemas selecionados pelo próprio autor do período entre 1978 e 1998, segundo a esposa Carolina López. Este livro, agora em uma cuidadosa versão biíngue, não poderia ser uniforme, enquanto alguns poemas merecem constar em qualquer compilação da poesia mundial recente e nos fazem chorar de emoção, outros são quase incompreensíveis, praticamente rascunhos em forma de prosa. 

No entanto, trata-se de uma obra indispensável para entendermos a obra de Roberto Bolaño, um escritor que pode ser identificado nestes versos de Os anos (p. 741): "[...] Um vagabundo / Um passaporte amassado e manuseado e um sonho / que atravessa postos de fronteira / afundado no pântano de seu próprio pesadelo / Um trabalhador temporário / Um santo selvagem / Um poeta latino-americano distante dos poetas / latino-americanos / Um sujeito que transa e ama e vive aventuras agradáveis / e desagradáveis cada vez mais longe / do ponto de partida [...]" 

Poeta chinês em Barcelona 
(Primeira parte - O romance-neve - p. 41)

Um poeta chinês pensa ao redor
de uma palavra sem chegar a tocá-la,
sem chegar a olhá-la, sem
chegar a representá-la.
Atrás do poeta há montanhas
amarelas e secas varridas pelo
vento,
chuvas ocasionais,
restaurantes baratos,
nuvens brancas que se fragmentam.

O dinheiro 
(Primeira parte - Nada de mau vai me acontecer - p. 233)

Trabalhei 16 horas no camping e às 8
da manhã tinha 2200 pesetas apesar de ganhar
2400 não sei o que fiz com as outras 200
acho que comi e bebi cervejas e café com
leite no bar do Pepe García dentro do 
camping e choveu na noite de domingo e toda
a manhã de segunda e às 10 fui atrás de
Javier Lentini e recebi 2500 pesetas por uma
antologia de poesia jovem mexicana que 
vai sair em sua revista e já tinha mais de
4000 pesetas e decidi comprar um par de
fitas virgens para gravar Cecil Taylor
Azimuth Dizzie Gillespie Charlie Mingus
e comer uma boa bisteca de porco
com tomate e cebola e ovos fritos e escrever
este poema ou esta nota que é como um pulmão
ou uma boca transitória que diz que estou
feliz porque há muito tempo eu não tinha
tanto dinheiro no bolso

Sem título 
(Primeira parte - Nada de mau vai me acontecer  - p. 297)

Agora você passeia solitário pelos molhes
de Barcelona
Fuma um cigarro forte e por
um momento pensa que seria bom
que chovesse
Dinheiro os deuses não lhe concedem
mas caprichos estranhos sim.
Olhe para cima:
está chovendo.

A poesia latino-americana 
(Segunda parte - Manifestos e posições - p. 533)

Uma coisa horrível, cavalheiros. A vacuidade e o espanto.
Paisagem de formigas
No vazio. Mas no fundo, úteis.
Vamos ler e contemplar sua reflexão diária:
Lá estão os poetas do México e da Argentina, do
Peru e da Colômbia, do Chile, do Brasil
E da Bolívia
Empenhados em suas áreas de poder,
Em pé de guerra (permanentemente), dispostos a defender
Seus castelos da investida do Nada
Ou dos jovens. Dispostos a pactuar, a ignorar,
A exercer a violência (verbal), a fazer desaparecer
Das antologias os elementos subversivos:
Alguns velhos caducos.
Uma atividade que é o reflexo fiel de nosso continente.
Pobres e fracos, nossos poetas são
Os que melhor encenam essa contingência.
Pobres e fracos, nem europeus
Nem norte-americanos,
Pateticamente orgulhosos e pateticamente cultos
(Embora valesse mais a pena aprender matemática ou mecânica,
Valesse mais a pena arar e semear! Valesse mais a pena
Dar uma de putos e de putas!),
Pavões recheados de peidos dispostos a falar da morte
Em qualquer universidade, em qualquer balcão de bar.
Somos assim, vaidosos e lamentáveis,
Como a América Latina, estritamente hierárquicos, todos
Na fila, todos com nossas obras completas
E um curso de inglês ou francês,
Fazendo fila nas portas
Do Desconhecido:
Um Prêmio ou um pontapé
Em nossas bundas de cimento.
Epílogo: E um e dois e três, meu coração está triste, e quatro e cinco e seis,
pois se quebrou de vez, e sete e oito e nove, chove, chove, chove...

Autorretrato aos vinte anos 
(Terceira parte - Minha vida nos tubos de sobrevivência - p. 633)

Me deixei levar, saí andando e nunca soube 
para onde poderia me levar. Estava cheio de medo,
o estômago doía, a cabeça zunia:
acho que era o ar frio dos mortos.
Não sei. Me deixei levar, pensei que era uma pena
acabar tão depressa, mas, por outro lado
escutei aquele chamado misterioso e convincente.
Ou você o escuta ou não o escuta, e eu o escutei
e quase comecei a chorar: um som terrível,
nascido no ar e no mar.
Um escudo e uma espada. Então,
apesar do medo, me deixei levar, pus minha face
junto à face da morte.
E me foi impossível fechar os olhos e não ver
aquele espetáculo estranho, lento e estranho,
ainda que embutido numa realidade velocíssima:
milhares de rapazes como eu, imberbes
ou barbudos, mas todos latino-americanos,
juntando suas faces com a morte.

Retrato em maio, 1994 
(Terceira parte - Um final feliz - p. 809)

Meu filho, o representante das crianças
nesta costa abandonada pela Musa,
hoje completa entusiasta e tenaz quatro anos.
Os autorretratos de Roberto Bolaño
voam fantasmagóricos como as gaivotas na noite
e caem a seus pés como o orvalho cai
nas folhas de uma árvore, o representante
de tudo o que poderíamos ter sido,
fortes e com raízes no que não muda.
Mas não tivemos fé ou a tivemos em tantas coisas
finalmente destruídas pela realidade
(a Revolução, por exemplo, essa pradaria 
de bandeiras vermelhas, campos de pastagem fértil)
que nossas raízes foram como as nuvens
de Baudelaire. E agora são os autorretrados
de Lautaro Bolaño que dançam numa luz
ofuscante. Luz de sonho e maravilha, luz
de detetives errantes e de boxeadores cujo valor
iluminou nossas solidões. Aquela que diz:
sou a que não evita a solidão, mas também sou
a cantora da caverna, a que arrasta
os pais e os filhos para a beleza.
E nisso eu confio.

Poesia
Sobre o autor: Roberto Bolaño nasceu em 1953, em Santiago do Chile, e é considerado um dos grandes nomes da literatura mundial. Passou a adolescência no México e voltou ao seu país pouco antes do golpe que depôs Salvador Allende. Em 1977, instalou-se na Espanha, onde começou sua carreira literária. Morreu de insuficiência hepática, na cidade de Barcelona, em 2003. 

Onde encontrar o livro: Clique aqui para comprar A Universidade Desconhecida de Roberto Bolaño

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

As 20 obras mais importantes da literatura brasileira

As 20 obras mais importantes da literatura portuguesa

As 20 obras mais importantes da literatura dos Estados Unidos

As 20 obras mais importantes da literatura japonesa

20 grandes escritoras brasileiras

As 20 obras mais importantes da literatura francesa